Exportar registro bibliográfico


Metrics:

Alimentos ultraprocessados e a qualidade nutricional das dietas dos EUA (2017)

  • Authors:
  • Autor USP: STEELE, EURÍDICE MARTÍNEZ - FSP
  • Unidade: FSP
  • Sigla do Departamento: HNT
  • DOI: 10.11606/T.6.2017.tde-19062017-135838
  • Subjects: INQUÉRITOS NUTRICIONAIS; DIETA; ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS; PERFIL DE SAÚDE; BIOMARCADORES; ESTADO NUTRICIONAL; MICRONUTRIENTES; MACRONUTRIENTES; EPIDEMIOLOGIA ANALÍTICA; INQUÉRITOS EPIDEMIOLÓGICOS
  • Keywords: Análise de Componentes Principais; Fitoestrógenos; NHANES; Padrões Nutricionais; Perfil Nutricional; Qualidade da Dieta; Ultraprocessados; US
  • Language: Inglês
  • Abstract: Os itens foram classificados em: alimentos in natura ou minimamente processados, processados, ultraprocessados e ingredientes de uso culinário. O manuscrito 1 examina a relação entre a contribuição calórica de alimentos ultraprocessados e qualidade nutricional da dieta, avaliando individual e globalmente a contribuição de cada ingrediente crítico, usando a análise de componentes principais (ACP). O manuscrito 2 estuda a associação entre a contribuição calórica dos alimentos ultraprocessados e consumo de açúcares de adição. O manuscrito 3 avalia como o consumo de alimentos ultraprocessados influencia o conteúdo proteico relativo da dieta e as ingestões absolutas de energia e proteína, e se essas relações se encaixam nas previsões da PLH. O manuscrito 4 avalia a relação entre a contribuição calórica de alimentos ultraprocessados e níveis de fitoestrógenos urinários. Resultados: O teor médio de proteínas, fibras, vitaminas A, C, D e E, zinco, potássio, fósforo, magnésio e cálcio na dieta diminuiu ao longo dos quintis de contribuição calórica de alimentos ultraprocessados, enquanto o de carboidratos, açúcares de adição e gordura saturada aumentou. Uma associação inversa de dose-resposta foi encontrada entre o consumo de alimentos ultraprocessados e qualidade nutricional total, medida através de um escore de padrão balanceado de nutrientes derivado usando ACP.Consistente com a PLH, a contribuição calórica de alimentos ultraprocessados foi inversamente associada à densidade proteica e diretamente ao consumo energético total, enquanto a ingestão absoluta de proteínas permaneceu constante com aumento do consumo de alimentos ultraprocessados. Os níveis médios de enterolignanos urinários diminuíram ao longo dos quintis de consumo de alimentos ultraprocessados, enquanto os níveis de isoflavonas permaneceram inalterados. Conclusões: Este estudo mostra que a diminuição da contribuição calórica de alimentos ultraprocessados é um meio racional e eficaz de melhorar a qualidade nutricional das dietas dos EUA.Introdução: A introdução da agricultura e pecuária foram muito recentes para que o genoma humano se adaptasse e a tecnologia avançada pós revolução Industrial foi ainda mais. Segundo Cordain, a substituição de alimentos minimamente processados por alimentos pós-agrícolas e pós-industriais influenciaram os indicadores nutricionais: carga glicêmica, composição de ácidos graxos e macronutrientes, densidade de micronutrientes, equilíbrio ácido-base, relação sódio/potássio e teor de fibras, levando a um desequilíbrio que é causa de várias doenças atuais da civilização. A Protein Leverage Hypothesis (PLH) propõe que a queda na ingestão de proteínas possa levar a obesidade e doenças cardiometabólicas associadas. Objetivos: Estudar o efeito do consumo de alimentos ultraprocessados nos indicadores nutricionais na população dos EUA, incluindo a composição de macronutrientes, densidade de fibras e micronutrientes e fitoestrógenos urinários; avaliar se a contribuição calórica de alimentos ultraprocessados é determinante para a qualidade nutricional das dietas contemporâneas; e finalmente estudar se a associação entre o consumo de alimentos ultraprocessados, proteína e energia correspondem às previsões do modelo PLH. Métodos: Foram avaliados os participantes do National Health and Nutrition Examination Survey 2009-2010, com pelo menos um recordatório alimentar de 24 horas.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 31.05.2017
  • Acesso à fonteDOI
    Informações sobre o DOI: 10.11606/T.6.2017.tde-19062017-135838 (Fonte: oaDOI API)
    • Este periódico é de acesso aberto
    • Este artigo é de acesso aberto
    • URL de acesso aberto
    • Cor do Acesso Aberto: gold
    • Licença: cc-by-nc-sa

    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      STEELE, Eurídice Martínez; MONTEIRO, Carlos Augusto. Alimentos ultraprocessados e a qualidade nutricional das dietas dos EUA. 2017.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: < https://doi.org/10.11606/T.6.2017.tde-19062017-135838 > DOI: 10.11606/T.6.2017.tde-19062017-135838.
    • APA

      Steele, E. M., & Monteiro, C. A. (2017). Alimentos ultraprocessados e a qualidade nutricional das dietas dos EUA. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de https://doi.org/10.11606/T.6.2017.tde-19062017-135838
    • NLM

      Steele EM, Monteiro CA. Alimentos ultraprocessados e a qualidade nutricional das dietas dos EUA [Internet]. 2017 ;Available from: https://doi.org/10.11606/T.6.2017.tde-19062017-135838
    • Vancouver

      Steele EM, Monteiro CA. Alimentos ultraprocessados e a qualidade nutricional das dietas dos EUA [Internet]. 2017 ;Available from: https://doi.org/10.11606/T.6.2017.tde-19062017-135838


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021