Exportar registro bibliográfico

Ensinar: "então, é função de quem?" Atuação do professor interlocutor na educação de surdos da rede estadual paulista (2015)

  • Authors:
  • USP affiliated author: LOPES, MARA APARECIDA DE CASTILHO - FE
  • School: FE
  • Subjects: EDUCAÇÃO ESPECIAL; DEFICIENTE AUDITIVO (EDUCAÇÃO); EDUCAÇÃO INCLUSIVA; PSICOLOGIA CULTURAL (HISTÓRIA); DESEMPENHO DO PROFESSOR
  • Keywords: Bilingual education; Deaf education; Educação bilíngue; Educação de surdos; Educação especial; Educação inclusiva; Função docente; Historical-Cultural Psychology; Inclusive education; Psicologia Histórico-Cultural; Special Education; Teaching function
  • Language: Português
  • Abstract: A contratação de professores interlocutores na rede estadual de ensino de São Paulo tem gerado dúvidas sobre sua função no processo educacional de estudantes surdos, pois os documentos estaduais não delimitam sua atuação de forma explícita. Políticas federais estabelecem que surdos inseridos no ensino regular sejam acompanhados por intérpretes de língua de sinais, o que induz à compreensão de que o professor interlocutor deve assumir tal função. A partir dos pressupostos teórico-metodológicos da Psicologia Histórico-Cultural, o presente trabalho tem o objetivo de identificar a função social do professor interlocutor. A tese é composta por dois estudos: no Estudo 1 analisa-se um material em vídeo, disponibilizado pela Secretaria de Educação para reflexão coletiva da função do professor interlocutor, a fim de identificar o significado social da atividade desse profissional. No Estudo 2 analisamos o processo de atribuição de sentido pessoal à atividade de professor interlocutor, em profissionais atuantes em um município do interior paulista. Foram entrevistados 21 professores interlocutores, individualmente, com apoio de roteiro semiestruturado; os participantes também foram submetidos a uma avaliação de fluência na Língua Brasileira de Sinais. Para a análise dos dados, foram utilizados os seguintes procedimentos: 1) Descrição empírica dos dados; 2) Elaboração de categorias analíticas que permitissem abstrair a realidade concreta; 3) Estabelecimento da unidade de análise dapesquisa; e 4) Retorno à realidade concreta, a fim de explicar o processo analisado. A unidade de análise identificada é a contradição entre as políticas estaduais de São Paulo e as políticas federais, explicada pela lógica excludente do capitalismo, reproduzida na educação escolar. No Estudo 1, a análise dos dados indica que o significado social da atividade do professor interlocutor é ser professor. Entretanto, a análise dos dados do Estudo 2 mostra que tal significado não é compartilhado entre os profissionais que ocupam o cargo. Devido à influência das políticas públicas federais, os professores interlocutores compreendem que devem atuar como intérpretes, o que provoca uma das cisões entre o significado social e o sentido pessoal que atribuem à sua atividade. Tal divergência se torna evidente na perspectiva de educação inclusiva, pois a existência de dois professores na mesma sala de aula implicaria em atividade conjunta dos dois profissionais; ao contrário, foi identificada uma relação de subordinação de um professor a outro, excluindo professor interlocutor e estudante surdo da atividade pedagógica. Da parte da Secretaria da Educação, espera-se que os professores interlocutores assumam função docente na educação do surdo, porém a avaliação linguística realizada com os participantes indica que a maioria dos profissionais contratados não são fluentes na língua de sinais. Defende-se a tese de que o professor interlocutor é professor, devendo, portanto, assumir aatividade de ensino do aluno surdo, de forma consciente e com a finalidade de promover o desenvolvimento pleno dos sujeitos envolvidos. Na compreensão de que a atividade pedagógica caracteriza-se por sua dimensão coletiva, na unidade entre atividade de ensino e de estudo, propõe-se que tanto o professor regente quanto o professor interlocutor empenhem-se na organização do ensino para todos os estudantes, surdos e ouvintes
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.04.2015
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LOPES, Mara Aparecida de Castilho; LICHTIG, Ida. Ensinar: "então, é função de quem?" Atuação do professor interlocutor na educação de surdos da rede estadual paulista. 2015.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-27102015-093026/ >.
    • APA

      Lopes, M. A. de C., & Lichtig, I. (2015). Ensinar: "então, é função de quem?" Atuação do professor interlocutor na educação de surdos da rede estadual paulista. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-27102015-093026/
    • NLM

      Lopes MA de C, Lichtig I. Ensinar: "então, é função de quem?" Atuação do professor interlocutor na educação de surdos da rede estadual paulista [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-27102015-093026/
    • Vancouver

      Lopes MA de C, Lichtig I. Ensinar: "então, é função de quem?" Atuação do professor interlocutor na educação de surdos da rede estadual paulista [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-27102015-093026/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020