Exportar registro bibliográfico

O brincar e suas relações com a fantasia: um estudo teórico-clínico construído a partir das reflexões sobre "o brincar e o estatuto da fantasia", categoria de análise da pesquisa IRDI (2011)

  • Authors:
  • Autor USP: BARROS, CAROLINA VALéRIO - IP
  • Unidade: IP
  • Sigla do Departamento: PSC
  • Subjects: PSICANÁLISE DA CRIANÇA; RECREAÇÃO; IMAGINAÇÃO; CRIATIVIDADE; PESQUISA CIENTÍFICA
  • Language: Português
  • Abstract: A pergunta de pesquisa sobre a relação entre o brincar e a fantasia originou-se da confluência entre a prática clínica, especialmente a clínica psicanalítica com crianças, e a pesquisa acadêmica, que tem como desafio vincular Psicanálise e Universidade. Na prática clínica, observávamos o fenômeno do brincar via expressiva e de elaboração através da qual a criança "coloca em jogo" seu cotidiano, seu desejo, seu sintoma, seu sofrimento, etc. Essa "força" do brincar, na clínica, nos tomou de tal maneira que nos incitou a pensar sobre e empreender uma pesquisa teórica, sem abrir mão do material clínico (as entrevistas AP3) que tínhamos à nossa disposição. No que refere à pesquisa acadêmica, situa-se o trabalho como monitora na pesquisa IRDI (indicadores de risco para o desenvolvimento infantil), da qual foi extraído o material analisado. Este material é composto pelas entrevistas realizadas através do instrumento AP3 (avaliação psicanalítica aos três anos), o qual, por sua vez, foi elaborado com a finalidade de validar o instrumento IRDI. O instrumento AP3 contou com quatro categorias de análise, sendo que elegemos "O brincar e o estatuto da fantasia". Poderíamos ter escolhido outra categoria, mas, como assinalado, esta categoria nos capturava também na prática clínica. O primeiro questionamento foi: "O brincar é um fenômeno restrito à vida fantasística?". E essa questão foi sendo elaborada de modo a pensar o brincar para além da dimensão expressiva (no sentido deser via de expressão da fantasia inconsciente), mas também em uma dimensão que denominamos de "elaborativa" e isto ia ao encontro daquilo que eu estava estudando sobre a criatividade em Winnicott. Para realizar este estudo, partimos de dois caminhos: (a) Um levantamento bibliográfico, e (b) uma releitura das entrevistas que, apoiada no levantamento bibliográfico realizado, privilegiasse a categoria de análise "brincar e fantasia". No primeiro, trabalhamos os três autores que, no campo psicanalítico, dedicaram-se de modo mais extensivo ao tema do brincar Sigmund Freud, Melanie Klein e Donald Winnicott , e que, igualmente, também construíram formulações acerca da fantasia, pois, a temática trata da relação entre brincar e fantasia, e não uma investigação dos fenômenos separadamente. Na releitura das entrevistas, tentamos, articulados ao levantamento bibliográfico, discutir: o fort-da, o uso do objeto transicional, o espaço cênico, a representação de "brincar de ser o outro" e a inibição no (e do) brincar. Alguns resultados apresentados neste trabalho são: (a) o brincar e a fantasia são fenômenos coincidentes, no entanto, a fantasia não é condição única para o brincar; (b) a qualidade da fantasia depende da qualidade da experiência de ilusão; (c) o brincar possui um lugar; (d) o modo como cada autor pensou a fantasia implica no modo como cada um pensou o brincar; (e) os três autores concordam com a proposição de que o brincar não pertence ao campo do alucinatório,pois, a dimensão da alteridade está presente no brincar: brincar é se relacionar
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 31.03.2011
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BARROS, Carolina Valério; KUPERMANN, Daniel. O brincar e suas relações com a fantasia: um estudo teórico-clínico construído a partir das reflexões sobre "o brincar e o estatuto da fantasia", categoria de análise da pesquisa IRDI. 2011.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-14062011-160858/ >.
    • APA

      Barros, C. V., & Kupermann, D. (2011). O brincar e suas relações com a fantasia: um estudo teórico-clínico construído a partir das reflexões sobre "o brincar e o estatuto da fantasia", categoria de análise da pesquisa IRDI. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-14062011-160858/
    • NLM

      Barros CV, Kupermann D. O brincar e suas relações com a fantasia: um estudo teórico-clínico construído a partir das reflexões sobre "o brincar e o estatuto da fantasia", categoria de análise da pesquisa IRDI [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-14062011-160858/
    • Vancouver

      Barros CV, Kupermann D. O brincar e suas relações com a fantasia: um estudo teórico-clínico construído a partir das reflexões sobre "o brincar e o estatuto da fantasia", categoria de análise da pesquisa IRDI [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-14062011-160858/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021