Exportar registro bibliográfico

Estudo cristaloquímico de minerais do grupo do pirocloro no Brasil (2007)

  • Authors:
  • Autor USP: ANDRADE, MARCELO BARBOSA DE - IGC
  • Unidade: IGC
  • Sigla do Departamento: GMG
  • Assunto: MINERALOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Os minerais do grupo do pirocloro ('A IND.2''B IND.2''X IND.6''Y IND.1') apresentam grande interesse econômico, principalmente como fonte de nióbio e tântalo, metais que possuem importantes aplicações tecnológicas como a fabricação de aço e a confecção de componentes eletrônicos. Apesar de seu interesse científico e econômico, a maioria das ocorrêrncias brasileiras de minerais do grupo do pirocloro está apenas parcialmente caracterizada ou não dispõe de nenhum estudo mineralógico. Adicionalmente, o atual sistema de classificação dos minerais do grupo do pirocloro, apesar de aprovado pela IMA, não segue as regras gerais de nomenclatura de minerais da própria IMA. Na posição A, não há diferenciação na ocupação por Ca e por Na, e se um ou mais cátions diferentes de Na ou Ca compuserem mais de 20% total de átomos na posição A, então a espécie é nomeada pelo átomo mais abundante em A (exceto Na e Ca). Por outro lado, a espécie fluornatromicrolita foi aprovada com base na predominância de Na na posição A. Com relação à ocupação da posição B, a divisão entre os grupos não é feita com uma classificação tripartite: as espécies com Nb + Ta>2Ti e Nb>Ta são consideradas como do subgrupo do pirocloro; se Nb + Ta>2Ti e Ta'>OU='Nb, o mineral irá pertencer ao subgrupo da microlita; e se 2Ti '>OU='Nb + Ta, o mineral irá pertencer ao subgrupo da betafita. Espécies isoestruturais com outros cátions predominantes na posição B não são incluídas no grupo do pirocloro (porexemplo, romeíta com Sb dominante). Os ânions não são levados em consideração na classificação, mas o flúor foi usado na aprovação da espécie fluornatromicrolita. Neste trabalho, são apresentados novos esquemas de nomenclatura para os minerais do grupo do pirocloro, que levam em consideração os íons ocupantes das posições A, B e Y. Os prefixos são sempre escritos por extenso ("hidroxi", "flúor", "calcio", "natro" etc), enquanto os sufixos são representados por ) símbolos químicos (Na, F, 'H2O etc) ou por [] (vazio). Os nomes raízes relacionam-se aos cátions predominantes na posição B, levando a termos como pirocloro, microlita, betafita e romeíta. São apresentados novos dados químicos por MEV-EDS e WDS (incluindo análises de Si, normalmente negligenciado na maioria dos dados da literatura). Foram analisados minerais de seis ocorrências em pegmatitos e uma em carbonatito. Os resultatos obtidos permitem separar as espécies em três "famílias". A primeira delas poderia ser denominada "microlita", envolvendo fluornatromicrolita, fluorcalciomicrolita, oxinatromicrolita e oxicalciomicrolita. Esta família foi identificada nas ocorrências da lavra do Morro Redondo, Coronel Murta, MG; lavra do Jonas, Conselheiro Pena, MG; mina Quixabá, Frei Martinho, PB; Pegmatito Volta Grande, Nazareno, MG; lavra do Ipê, Marilac, MG; e Pegmatito Ponte da Raiz, Santa Maria de Itabira, MG. A primeira das espécies, fluornatromicrolita, parece ser bem mais comum do que se imaginava,tendo sido descrita previamente no Brasil apenas em Quixabá, e agora verificada em diversas das ocorrências estudadas nesta tese. Apesar de usados os prefixos natro e cálcio, todas as amostras parecem tender para um termo de fórmula final (NaCa)'Ta IND.2''O IND.6'F, ou seja, com Na=Ca em apfu, que poderia ser denominado, por exemplo, fluormicrolita-NaCa ou -CaNa. O oxigênio é algumas vezes, superior ao flúor (em apfu) na cavidade Y, dando origem a espécie oxi-. A segunda família poderia ser denominada "hidromicrolita", tendendo a [[](H2O)]'Ta IND.2''O IND.6'(H2O). Esta fórmula, entretanto, não é eletricamente neutra, necessitando que na cavidade A, (H2O) seja parcialmente substituído por cátions (Ba, U etc), ao mesmo tempo que parte do O da posição X seja substituído por (OH). Minerais desta família foram verificados no Pegmatito Volta Grande, Nazareno, MG. A terceira família, do "pirocloro", verificada ) apenas no carbonatito da mina Jacupiranga, Cajati, SP, inclui as espécies fluorcalciopirocloro e oxicalciopirocloro. Os novos nomes sugeridos parecem discriminar melhor as espécies, com base em cátions, vazios ou H2O predominantes nas posições A, B e Y, permitindo inclusive uni-las em "famílias". Esta nova nomenclatura apresenta também como vantagem não dar ênfase a componentes menores da cavidade A, bem como verificar nela a predominância de Ca ou Na. Adicionalmente, os cátions Ta, Nb e Ti passam a ter a mesma importância na cavidade B. Por outro lado são criadosnomes "exóticos", como hidrohidromicrolita, ou "impronunciáveis", como hidro-[]-microlita.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 18.06.2007
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ANDRADE, Marcelo Barbosa de; ATENCIO, Daniel. Estudo cristaloquímico de minerais do grupo do pirocloro no Brasil. 2007.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44135/tde-30072007-165039/ >.
    • APA

      Andrade, M. B. de, & Atencio, D. (2007). Estudo cristaloquímico de minerais do grupo do pirocloro no Brasil. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44135/tde-30072007-165039/
    • NLM

      Andrade MB de, Atencio D. Estudo cristaloquímico de minerais do grupo do pirocloro no Brasil [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44135/tde-30072007-165039/
    • Vancouver

      Andrade MB de, Atencio D. Estudo cristaloquímico de minerais do grupo do pirocloro no Brasil [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44135/tde-30072007-165039/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021