Exportar registro bibliográfico

Inibição da replicação do vírus dengue tipo 2 por RNA de interferência em células humanas (2008)

  • Autores:
  • Autor USP: RUIZ, ALESSANDRA CRISTINA GOMES - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Assuntos: VÍRUS DA DENGUE; FLAVIVIRUS; EXPRESSÃO GÊNICA
  • Idioma: Português
  • Resumo: A dengue é atualmente considerada a mais importante arbovirose que afeta o homem em termos de morbidade e mortalidade. Estima-se a ocorrência de 100 milhões de casos de dengue ao ano em todo o planeta. A necessidade de um tratamento seguro e eficaz tem sido prioridade global, no entanto, nenhuma vacina efetiva para a dengue está disponível. Nesse estudo, a possibilidade de atenuar a infecção pelo dengue usando pequenos fragmentos interferentes (siRNA) em células HepG2 e U937 foram avaliados. RNA de interferência (RNAi) é um fenômeno específico de silenciamento gênico pós-transcricional desencadeado pela produção de moléculas endógenas ou exógenas de RNA dupla fita (ds)RNA. As seqüências alvo para o silenciamento gênico (5' UTR, 3' UTR e prM) do genoma dos vírus dengue, foram alinhadas com os 4 sorotipos do vírus e seqüências homólogas selecionadas para a construção dos "hairpins" de RNA dupla (shRNA) posteriormente inseridos no vetor ‘pSilencer POT. ®’. Os DNAs plasmídiais contendo os "hairpins" foram, então, seqüenciados, purificados e utilizados para a transfecção estável em células HepG2 e transiente em células monocíticas U937. O desafio com DENV-2 com MOI 0,1 e 5, nos clones celulares expressando constitutivamente os "hairpins" em relação aos controles, através da análise por PCR em Tempo Real, mostraram-se capazes de atenuar a infecção causada pelo vírus. Entretanto, os "hairpins" 5' UTR e prM se mostram mais efetivos no silenciamento que o3' UTR. Paralelamente, a detecção de antígenos virais por imunofluorescência indireta nestes clones, expressando os "hairpins" em relação aos controles, mostrou uma redução do número de células infectadas. Através da detecção da fita de RNA intermediário por PCR, foi possível observar uma diminuição da replicação viral nessas células a partir do 3º dia de infecção com DENV-2 corroborando os demais resultados. Em células U937, o fenômeno de silenciamento gênico também foi observado, mas apenas 48hs pós-infecção, indicando posteriormente a perda do fenótipo previamente conferido a célula, pela presença do vetor expressando os shRNAs. Para excluirmos a possibilidade de um efeito não específico, na redução da produção viral, a expressão relativa de genes estimulados por interferon, entre os clones celulares infectados e o mock, mostraram que os nossos shRNAs não induzem o sistema imune
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 07.05.2008

  • Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RUIZ, Alessandra Cristina Gomes; FONSECA, Benedito Antônio Lopes da. Inibição da replicação do vírus dengue tipo 2 por RNA de interferência em células humanas. 2008.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2008.
    • APA

      Ruiz, A. C. G., & Fonseca, B. A. L. da. (2008). Inibição da replicação do vírus dengue tipo 2 por RNA de interferência em células humanas. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Ruiz ACG, Fonseca BAL da. Inibição da replicação do vírus dengue tipo 2 por RNA de interferência em células humanas. 2008 ;
    • Vancouver

      Ruiz ACG, Fonseca BAL da. Inibição da replicação do vírus dengue tipo 2 por RNA de interferência em células humanas. 2008 ;


Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2021