Exportar registro bibliográfico

Consequências da imunossenescência frente à infecção experimental por Trypanosoma cruzi (2018)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: COLATO, RAFAELA PRAVATO - FCFRP
  • Unidades: FCFRP
  • Sigla do Departamento: 602
  • Subjects: TRYPANOSOMA CRUZI; LINFÓCITOS; BIOCIÊNCIAS
  • Keywords: Imunossenescência; Immunosenescence; Lymphocytes
  • Language: Português
  • Abstract: Apesar de todo o avanço científico nas últimas décadas, a doença de Chagas ainda é um importante problema em saúde pública. A expectativa de vida no Brasil tem aumentado a cada ano e esse crescimento permite o surgimento de uma população idosa em risco de contrair essa doença. Diante disso, os objetivos deste trabalho foram avaliar a resposta imune em ratos Wistar senescentes, infectados pela cepa Y de T. cruzi. O presente estudo mostrou alterações na imunidade inata, quando avaliamos a população de macrófagos peritoneais, bem como a sinalização (expressão de RT1B) e da molécula coestimulatória (CD80) das células APC nos animais senis. A imunidade celular também foi reduzida, uma vez que os animais senis apresentaram uma diminuição significativa na porcentagem de linfócitos T CD4+ e T CD8+, quando comaprados aos jovens. Além disso, foi observado que o envelhecimento reduz a expressão da principal molécula de sinalização, o CD28+, responsável pela ativação de células T. Nos nossos estudos, o envelhecimento foi associado a um aumento no percentual de linfócitos CD4+CD25lowFOXP3+, que representam as células T regulatórias instáveis. Por outro lado, os animais senis não infectados apresentaram uma redução significante no percentual de linfócitos CD4+CD25highFOXP3+, as células T regulatórias estáveis. A senesescência, bem como, o processo infeccioso ocasionaram um aumento nos níveis de corticosterona e no percentual de esplenócitos em apoptose inicial e tardia em animais senis infectados. O envelhecimento também regulou negativamente a transição DN1-DN2, bem como, as subpopulações de timócitos DN3 e DN4 em animais senis, infectados ou não. Observou-se uma redução no percentual de timócitos viáveis nos animais senis, tanto controles quanto infectados. Com relação aos parâmetros do estresse oxidativo, a senilidade elevou os níveis de TBARSreduziu a atividade da principal enzima antioxidante SOD e na concentração de 8-isoprostano. O substrato da enzima glutationa peroxidase GSH aumentou nesses animais senis, comparados aos jovens. A análise da produção de citocinas evidenciou um aumento nos níveis de TGF-β em animais senis. No 16° dia após a infecção, um aumento nos níveis de IL-12 foram observados apenas nos animais senis infectados. Entretanto, este mesmo grupo apresentou uma redução na produção de IL-2 no 9° dia após a infecção. As concentrações de IL-17 foram maiores nos animais senis infectados e controles, quando comparados aos animais jovens. Tanto a infecção por T. cruzi quanto o envelhecimento ocasionaram um aumento nos níveis de TNF-α nos animais jovens e senis infectados. Com o presente estudo, conseguimos avançar na compreensão dos mecanismos celulares e moleculares envolvidos nas modificações da imunidade ao longo da vida e seus reflexos frente à doença de Chagas. Inúmeras alterações foram observadas, incluindo resposta imune ineficiente, aumento do estresse oxidativo, bem como diminuição da atividade de enzimas antioxidantes e comprometimento no processo de maturação celular intratímica, os quais afetam etapas essenciais no desenvolvimento dos timócitos e exportação de células T para a periferia. Foi observado um desequilíbrio funcional do eixo neuroendócrino, bem como a diminuição da viabilidade celular. Além disso, as mudanças no perfil da produção de citocinas promoveram implicações diretas na competência imunológica desses animais
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.07.2018

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      COLATO, Rafaela Pravato; PRADO JÚNIOR, José Clóvis; BISSON, Gabriela Silva. Consequências da imunossenescência frente à infecção experimental por Trypanosoma cruzi. 2018.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2018. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60135/tde-24052019-161130/ >.
    • APA

      Colato, R. P., Prado Júnior, J. C., & Bisson, G. S. (2018). Consequências da imunossenescência frente à infecção experimental por Trypanosoma cruzi. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60135/tde-24052019-161130/
    • NLM

      Colato RP, Prado Júnior JC, Bisson GS. Consequências da imunossenescência frente à infecção experimental por Trypanosoma cruzi [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60135/tde-24052019-161130/
    • Vancouver

      Colato RP, Prado Júnior JC, Bisson GS. Consequências da imunossenescência frente à infecção experimental por Trypanosoma cruzi [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/60/60135/tde-24052019-161130/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020