Exportar registro bibliográfico

Caracterização da excreção do Citomegalovírus (CMV) durante a gestação e puerpério em mulheres soropositivas (2017)

  • Authors:
  • Autor USP: BARBOSA, NAYARA GONÇALVES - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RPP
  • Subjects: CITOMEGALOVIRUS; GESTANTES; TRANSMISSÃO DE DOENÇAS; LÍQUIDOS CORPORAIS; PUERPÉRIO; HIV
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: Em países em desenvolvimento a maioria das mulheres (>96%) em idade reprodutiva são soropositivas ao CMV. Mesmo assim, as taxas de infecção congênita são altas nestas populações, em virtude da possibilidade de infecção não primária gestacional. As características virológicas das infecções maternas não primárias permanecem pouco estudadas. Objetivos: Avaliar a excreção do CMV na saliva, urina, conteúdo vaginal, sangue periférico e leite materno em gestantes e puérperas caracterizadas como soropositivas no primeiro trimestre. Investigar se a exposição materna a crianças pequenas e a atividade sexual aumentam a excreção do CMV. Estudar a excreção viral em mulheres soropositivas transmissoras de infecção congênita. Métodos: Estudo de coorte longitudinal de 120 mulheres soropositivas ao CMV. Adicionalmente, foram avaliadas cinco mulheres transmissoras de infecção congênita. Todas participantes foram avaliadas na primeira visita pré-natal e acompanhadas durante os 2° e 3° trimestres e um mês após o parto. O estado sorológico foi definido no 1º trimestre (IgG Vidas, bioMérieux). Foram realizadas entrevistas e coletas de espécimes biológicos em cada visita. As amostras foram testadas com um ensaio in hoste para detecção do DNA do CMV (PCR qualitativo). As amostras positivas foram submetidas à quantificação absoluta do DNA do CMV por meio da técnica de PCR em tempo real (qPCR). A análise estatística dos resultados foi realizada pelo programa SAS 9.3. Estimaram-se as razões de prevalência (RP) de excreção vital entre os diferentes fluidos corporais e respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%). Para avaliação dos fatores de exposição ao CMV, foram estimados os riscos relativos (RR) e respectivos IC95%. A análise multivariada dos fatores de exposição foi ajustada segundo o nível educacional materno e uso de preservativo de barreira. Resultados: foram avaliadas 2.512 amostras de120 mulheres não transmissoras (NT) da infecção e 95 amostras de 5 mulheres transmissoras (T) de infecção congênita. No grupo de mulheres NT, o DNA do CMV foi detectado, pelo menos uma vez, em 35,0% delas (42/120). Observou-se a excreção do CMV na saliva em 20,0% (24/120); na urina em 13,3% (16/120); no conteúdo vaginal em 12,5% (15/120); no sangue em 0,8% (1/120) e no leite materno em 61,3% (73/119) em pelo menos um momento. A detecção salivar do CMV foi mais frequente no 1° trimestre em relação ao período pós-parto. No 1º trimestre, o CMV foi mais frequentemente detectado na saliva [RP= 4,0; IC 95% 1,1-14,3] e conteúdo vaginal (RP 6,0; 95% IC 1,3-27,0), em relação à urina. No 2º trimestre o CMV foi mais frequentemente detectado na saliva do que no conteúdo vaginal (RP 5,0; IC 95% 1,1-22,9). A excreção do CMV foi intermitente. Observou-se baixa carga viral na saliva, urino conteúdo vaginal e sangue, enquanto o leite apresentou maiores cargas virais (mediana 4,2 ±1,1 log10). Foram observadas associações entre a excreção viral em pelo menos um sítio corporal e o contato com crianças de 3-6 anos e a presença de ≥ 2 pessoas por quarto na moradia A excreção do CMV no leite associou-se com menor idade materna (<18 anos). Mulheres transmissoras de infecção congênita apresentaram 100% de dedução vital láctea e elevados títulos virais quando comparadas a mulheres não transmissoras (ponto de corte da curva ROC: 5,10 cópias/ml (log10); especificidade 0,79; sensibilidade 0,80). Conclusões: A excreção do CMV ocorre intermitentemente em diversos fluidos corporais de gestantes soropositivas. O contato próximo com crianças pequenas e aglomerados na moradia facilitam a excreção do CMV nessas mulheres. A detecção de maiores títulos virais no leite materno sugere que tenha havido transmissão de infecção fetal por CMV
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 06.04.2017

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BARBOSA, Nayara Gonçalves; MUSSI, Marisa Márcia; YAMAMOTO, Aparecida Yulie. Caracterização da excreção do Citomegalovírus (CMV) durante a gestação e puerpério em mulheres soropositivas. 2017.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2017.
    • APA

      Barbosa, N. G., Mussi, M. M., & Yamamoto, A. Y. (2017). Caracterização da excreção do Citomegalovírus (CMV) durante a gestação e puerpério em mulheres soropositivas. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Barbosa NG, Mussi MM, Yamamoto AY. Caracterização da excreção do Citomegalovírus (CMV) durante a gestação e puerpério em mulheres soropositivas. 2017 ;
    • Vancouver

      Barbosa NG, Mussi MM, Yamamoto AY. Caracterização da excreção do Citomegalovírus (CMV) durante a gestação e puerpério em mulheres soropositivas. 2017 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021