Exportar registro bibliográfico

Avaliação da implantação de tecnologias de percepção de uso no ambiente residencial: uma proposta de metodologia (2013)

  • Authors:
  • Autor USP: SANTO, KATIA GREGIO DI - EP
  • Unidade: EP
  • Sigla do Departamento: PEA
  • Subjects: ENERGIA ELÉTRICA; CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA; CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA (REDUÇÃO); ECONOMIA DE ENERGIA
  • Language: Português
  • Abstract: O trabalho visa desenvolver uma metodologia para avaliar o impacto do emprego das tecnologias de percepção de uso no ambiente residencial quanto às reduções da demanda por energia elétrica e emissões de CO₂. Tais tecnologias são: eliminador de stand-by, gerenciador de energia em computadores e sensor de presença. Inicialmente são selecionadas cargas residenciais e coletados seus dados para compor um banco de dados que será utilizado nas análises. Cada carga e conjunto destas recebe a tecnologia adequada, sendo então calculado o consumo evitado e o investimento relacionado. Foram criados perfis de funcionamento das cargas (6, 8 e 10h) para reproduzir diferentes comportamentos dos usuários e cenários de utilização das cargas (A, B e C) para a análise de sensibilidade. Foram feitos estudos de caso com diferentes modelos de residenciais, sendo calculados: consumo e demanda de energia evitados e redução de emissões (considerando um conjunto de residências similares). Também foi realizada a análise de viabilidade econômica da implantação, considerando o Custo Marginal de Expansão do setor elétrico (visão do investidor em infraestrutura) e as tarifas de energia elétrica (visão do consumidor). Os resultados apontam para uma contribuição relevante, em termos de eficiência energética, do emprego de tais tecnologias, representando 35 a 85 MW evitados e redução de emissões de 59 a 145 mil tCO₂/ano, dependendo do tipo de modelo residencial adotado, considerando a cidade de São Paulo. A análise de viabilidade econômica por payback simples apontou os seguintes retornos de investimento: 7,2 a 15,5 anos e 2,3 a 7,4 anos para o investidor em infraestrutura e consumidor, respectivamente, dependendo do modelo residencial. Já a análise por Custo da Energia Economizada (CEE) apontou a viabilidade para o consumidor em todos os modelos residenciais, exceto o de tarifa social.Desta forma, o emprego de tais tecnologias pode contribuir de forma importante com a postergação da expansão da matriz energética, resultando em redução de investimentos em expansão e das emissões de CO₂ relacionados à geração de energia elétrica, além de poder representar economia na conta de energia dos moradores.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.07.2013
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      DI SANTO, Katia Gregio; SAIDEL, Marco Antonio. Avaliação da implantação de tecnologias de percepção de uso no ambiente residencial: uma proposta de metodologia. 2013.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3143/tde-18082014-113127/pt-br.php >.
    • APA

      Di Santo, K. G., & Saidel, M. A. (2013). Avaliação da implantação de tecnologias de percepção de uso no ambiente residencial: uma proposta de metodologia. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3143/tde-18082014-113127/pt-br.php
    • NLM

      Di Santo KG, Saidel MA. Avaliação da implantação de tecnologias de percepção de uso no ambiente residencial: uma proposta de metodologia [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3143/tde-18082014-113127/pt-br.php
    • Vancouver

      Di Santo KG, Saidel MA. Avaliação da implantação de tecnologias de percepção de uso no ambiente residencial: uma proposta de metodologia [Internet]. 2013 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3143/tde-18082014-113127/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021