Exportar registro bibliográfico

Validação do teste dinamométrico de contração voluntária máxima isotônica durante 5 minutos e identificação de fadiga patológica em pacientes com intolerância ao exercício físico (2012)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: TOLEDO, FLÁVIA OLIVEIRA - FMRP
  • Unidades: FMRP
  • Sigla do Departamento: RNP
  • Subjects: FADIGA MUSCULAR; EXERCÍCIO FÍSICO; VALIDADE DO TESTE; MÉTODOS DE APLICAÇÃO DE TESTES
  • Language: Português
  • Abstract: A fadiga muscular é definida como a diminuição do desempenho do músculo esquelético durante o exercício físico. Em pacientes com intolerância ao exercício (IE) como queixa predominante, o sintoma de fadiga é um fator incapacitante. A proposta do nosso estudo foi validar o teste dinamométrico de CVM isotônica durante 5 minutos para a medida objetiva da fadiga em pacientes com IE como queixa predominante. No nosso estudo realizamos: a adaptação transcultural da FSS para o português e o teste de suas propriedades psicométricas para o uso no processo de validação (validade de construto convergente) do teste de fadiga desenvolvido, validação desse teste de fadiga, determinação da faixa de normalidade do referido teste em um grupo de indivíduos normais e identificação da fadiga patológica de pacientes com IE como queixa predominante. Duzentos e três indivíduos adultos (54 pacientes com diagnóstico clínico de miopatia, 87 pacientes com IE como queixa predominante e 62 controles saudáveis) participaram desse estudo. Os pacientes estavam em seguimento no Ambulatório de Doenças Neuromusculares do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Primeiramente, foi realizada a adaptação transcultural e o teste das propriedades psicométricas da versão em português da FSS (FSS-P) em uma amostra de 55 adultos (40 individuos com miopatias e 10 individuos saudáveis). As análises realizadas foram: análise estrutural, consistência interna, confiabilidade intra-observador e validade de construto convergente com o Questionário de Fadiga de Chalder (QFC) e Escala Visual Analógica (EVA), apresentaram propriedades psicométricas satisfatórios. A análise fatorial apresentou um único fator, a consistência interna demonstrou confiabilidade satisfatória, a confiabilidade intra-observador demonstrou estabilidade das medidas da escala e a validade de construto convergenteconfirmou nossas hipóteses de correlações satisfatórias entre a FSS-P com o domínio físico do QFC e também, com a EVA. Participaram 99 adultos no estudo de validação do teste dinamométrico de CVM isotônica durante 5 minutos usando um dinamômetro pneumático de preensão palmar, sendo 55 pacientes com IE como queixa predominante e 44 adultos saudáveis. Nesse estudo foram realizadas: confiabilidade relativa e absoluta, validade de construto com a FSS-P e EVA, validade de critério com o teste de 45% de CVM isotônica durante 10 minutos e validade de grupo-conhecido. A confiabilidade relativa foi analisada entre o mesmo examinador (n=35) e entre examinadores diferentes (n=20) em dois momentos distintos e apresentaram valores elevados de coeficientes de correlação intraclasse (CCI), indicando uma boa confiabilidade. A confiabilidade absoluta foi analisada através do erro padrão da medida e através do gráfico de Bland e Altman, indicando confiabilidade satisfatória. De acordo com nossas hipóteses, a validade convergente (n=59) com as escalas (FSS-P e VAS) apresentou coeficientes de correlação de baixa magnitude. A validade de critério (n=59) apresentou coeficientes de correlação de magnitude moderada. Na validade de grupo conhecido, o minuto 5 do teste desenvolvido apresentou diferença significativa entre os grupos com IE (com e sem disfunção mitocondrial), endocrinopatia e controles saudáveis (p<0,01). A faixa de normalidade do teste de fadiga obtida através dos valores de CVM em % para o grupo de 22 indivíduos saudáveis variou de 0,51 a 0,97. Trinta e dois pacientes com IE e disfunção mitocondrial, IE sem disfunção mitocondrial e miopatia mitocondrial, que não participaram do processo de validação do teste de fadiga, foram avaliados com o teste de fadiga. Dentre os indivíduos, treze pacientes foram caracterizados com valores de CVM abaixo da faixa de normalidade (menores que 0,51), indicandofadiga patológico. No nosso estudo, concluímos que o teste dinamométrico de CVM isotônica durante 5 minutos é confiável e válido e, também é capaz de detectar a fadiga patológica em indivíduos com IE como queixa predominante
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.06.2012

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TOLEDO, Fávia Oliveira; SOBREIRA, Cláudia Ferreira da Rosa. Validação do teste dinamométrico de contração voluntária máxima isotônica durante 5 minutos e identificação de fadiga patológica em pacientes com intolerância ao exercício físico. 2012.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2012.
    • APA

      Toledo, F. O., & Sobreira, C. F. da R. (2012). Validação do teste dinamométrico de contração voluntária máxima isotônica durante 5 minutos e identificação de fadiga patológica em pacientes com intolerância ao exercício físico. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Toledo FO, Sobreira CF da R. Validação do teste dinamométrico de contração voluntária máxima isotônica durante 5 minutos e identificação de fadiga patológica em pacientes com intolerância ao exercício físico. 2012 ;
    • Vancouver

      Toledo FO, Sobreira CF da R. Validação do teste dinamométrico de contração voluntária máxima isotônica durante 5 minutos e identificação de fadiga patológica em pacientes com intolerância ao exercício físico. 2012 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020