Exportar registro bibliográfico

Validação do protocolo de avaliação miofuncional orofacial com escalas para jovens e adultos (2011)

  • Authors:
  • Autor USP: MEDEIROS, ANA PAULA MAGALHÃES - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: ROO
  • Subjects: SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO; VALIDAÇÃO DE MODELOS (CONFIABILIDADE;MÉTODOS DE AVALIAÇÃO); DESORDENS CRANIOMANDIBULARES
  • Keywords: Adultos; Estudos de validação; Métodos de avaliação; Terapia Miofuncional; Adult; Assessment Methods; Myofunctional therapy; Stomatognatic System; Validation Studies
  • Language: Português
  • Abstract: A avaliação miofuncional orofacial é etapa fundamental no processo de diagnóstico na área de motricidade orofacial (MO), possibilita a compreensão das condições anatômicas e funcionais do sistema estomatognático, permitindo estabelecer o raciocínio terapêutico e definir encaminhamentos. Vários autores escreveram a respeito da necessidade da prática baseada em evidências e recomendaram o uso de protocolos validados para o diagnóstico, bem como para a terapia. Atualmente, três protocolos de avaliação miofuncional orofacial estão validados e publicados. São eles: o "The Nordic Orofacial Test-Screening - NOT-S", o Protocolo de Avaliação Miofuncional Orofacial com Escores - AMIOFE, validado para crianças, o qual caracteriza as condições musculares e funcionais com base nos escores, permitindo definir não apenas a presença ou ausência, mas também o grau de distúrbio miofuncional orofacial (DMO) e o protocolo de Avaliação Miofuncional Orofacial com Escores Ampliados - AMIOFE-A. O AMIOFE já foi usado para diagnóstico e análise da evolução de tratamentos em sujeitos jovens e adultos com desordem temporomandibular (DTM), porém não foi validado para esta população. O objetivo do presente estudo foi analisar a validade de critério, a validade de construto, e a confiabilidade intra e entre - examinadores, assim como valores de sensibilidade (S), especificidade (E), valores preditivos (VP+ e VP-) e prevalência (P) do AMIOFE para jovens e adultos. Participaram 50 sujeitos com DTM (GDTM) e 30 sujeitos sem DTM (CA), todos avaliados e selecionados a partir do exame clínico com o RDC/TMD. A validade de critério do protocolo AMIOFE foi analisada pela comparação com o protocolo NOT-S. A validade de construto foi analisada pela: (a) comparação do GDTM ao CA, para verificar a capacidade do AMIOFE em diferenciar sujeitos com e sem DMO; (b) comparação do grupo com DTM antes e após TMO, a fim de analisar ahabilidade do AMIOFE para mensurar as mudanças ocorridas em decorrência do tratamento. Para tanto, os dados da avaliação miofuncional orofacial dos dez sujeitos com DTM que receberam terapia miofuncional orofacial (GT) foram comparados na fase diagnóstica e na fase final após 120 dias de tratamento. Dois examinadores, fonoaudiológos devidamente treinados e calibrados, denominados E1 e E2, realizaram as avaliações. De acordo com os resultados houve correlação negativa dignificante entre os protocolos AMIOFE e NOT-S (r= -0,86, p < 0,01). A validade de construto do AMIOFE foi demonstrada pela capacidade do AMIOFE refletir as condições miofuncionais orofaciais normais e alteradas pelas diferenças observadas entre os escores dos grupos CA e GDTM, nos itens aparência/postura, mobilidade e nas funções de mastigação e deglutição (p < 0,05). O AMIOFE foi capaz de mensurar as mudanças ocorridas entre a FD e a FF do tratamento proposto. A força de concordância medida pelo Kappa Ponderado (Kw’) entre-examinadores E1 e E2 variou de "razoável" a "moderada", e os valores de confiabilidade foi 0,88, considerado "bom" (r = 0,78, P< 0,01). A concordância intra-examinador para E2 variou de "razoável" a "moderada" e a confiabilidade para aplicação do AMIOFE foi de 0,92, isto é, "excelente" (r = 0,84, P< 0,01). A concordância para a aplicação do protocolo NOTS, variou de "razoável" a "boa", e a confiabilidade foi de 0,89 (r = 0,80, P< 0,01). Para os demais índices, foram encontrados os seguintes valores utilizando a mediana e os percentis, apresentados respectivamente, S (80,5 - 65,38), E (80,0 - 92,59), VP+ (76,0 - 80,95), VP- (83,7 - 84,74) e P (46,2 - 26,25). De acordo com os resultados concluiu se que o protocolo AMIOFE é válido, confiável e proporciona um diagnóstico com boa margem de acerto, tanto para os casos positivos como negativos. Sua aplicação clinica e em pesquisas é viável devido à própriaconstrução do protocolo que fornece a indicação do escore a ser atribuído, com base na descrição semântica que o acompanha
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 11.03.2011
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MEDEIROS, Ana Paula Magalhães; FELÍCIO, Cláudia Maria de. Validação do protocolo de avaliação miofuncional orofacial com escalas para jovens e adultos. 2011.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17151/tde-30072015-123312/ >.
    • APA

      Medeiros, A. P. M., & Felício, C. M. de. (2011). Validação do protocolo de avaliação miofuncional orofacial com escalas para jovens e adultos. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17151/tde-30072015-123312/
    • NLM

      Medeiros APM, Felício CM de. Validação do protocolo de avaliação miofuncional orofacial com escalas para jovens e adultos [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17151/tde-30072015-123312/
    • Vancouver

      Medeiros APM, Felício CM de. Validação do protocolo de avaliação miofuncional orofacial com escalas para jovens e adultos [Internet]. 2011 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17151/tde-30072015-123312/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020