Exportar registro bibliográfico

Variabilidade da precipitação e temperatura anômala em baixa frequência no centro-leste da América do Sul e relações com a vegetação do Cerrado :: Análise diagnóstica e modelagem estatística (2009)

  • Authors:
  • Autor USP: MUZA, MICHEL NOBRE - IAG
  • Unidade: IAG
  • Sigla do Departamento: ACA
  • Subjects: PRECIPITAÇÃO (VARIABILIDADE); TEMPERATURA; CERRADO; DIAGNÓSTICO; ESTATÍSTICA (MODELAGEM)
  • Language: Português
  • Abstract: A variabilidade em baixa-frequência na precipitação e temperatura nas monções de verão da América do Sul é investigada através de um estudo observacional e de modelagem estatística. Para tanto, dados pentadais de precipitação no período de 1979 a 2005 do Global Precipitation Climate Project - GPCP foram usados para separar o sinal de mais baixa- frequência definidos por análise espectral como sendo oscilações maiores do que 370 dias. Para temperatura e circulação atmosférica utilizaram-se dados de reanálises. O presente estudo também aborda os efeitos das anomalias de precipitação e temperatura em baixa- frequência sobre a dinâmica da vegetação do Cerrado brasileiro e seu ciclo evolutivo durante a estação úmida, e assim traça prognósticos estatísticos sazonais. Dados do Normalized Difference Vegetation Index - NDVI providos de estimativas de satélite são utilizados no período de 1982-1998 para este propósito. Os estudos diagnósticos desenvolvidos neste trabalho indicam que os padrões anômalos de precipitação e temperatura em baixa-frequência podem ser usados como preditores em um modelo estatístico auto-regressivo. Neste estudo, a precipitação e a temperatura foram examinadas separadamente. O modelo proposto utiliza as duas pêntadas mais recentes das anomalias de precipitação como condição inicial. Estas são projetadas nos doze primeiros modos principais da variabilidade de baixa-frequência para a previsão 1 a 24 pêntadas de um coeficiente temporaldenominado de projeção interanual (PI). Para as anomalias de temperatura em baixa-frequência foram utilizados os oito primeiros modos. A verificação com as componentes principais da análise de funções ortogonais empíricas indica previsões úteis da 'PI IND. K' (K=1, 12 modos) de 1 a 18 pêntadas. A estrutura espacial foi obtida pela reconstrução dos campos de anomalias de precipitação e temperatura em baixa-frequência a ) partir dos modos de variabilidade e a PI prevista de 1 a 24 pêntadas. A Validação do Modelo Auto-Regressivo de Projeção Interanual (MARPI) sobre parte do Sudeste e Centro-Oeste mostrou boa destreza estendendo-se até 18 pêntadas futuras. Além disso, esses resultados também são observados para o período de início e fim da estação úmida. A destreza sobre Sudeste e Centro-Oeste é ainda melhor quando se observa intensificação das anomalias de precipitação e temperatura em baixa- frequência. Sendo assim, os resultados são de grande relevância para o setor agro-ecológico e energético dessas regiões. Nesse contexto, um estudo diagnóstico da cobertura vegetal sobre a região homogênea do Cerrado foi feito para encontrar a resposta da vegetação aos períodos anômalos de precipitação e temperatura em baixa-frequência. Para a precipitação, foi mostrado que anomalias positivas em baixa- frequência favorecem a evolução da vegetação acima do ciclo anual de forma precoce. Enquanto que as anomalias negativas de precipitação em baixa-fequência contribuem para desenvolvimento davegetação abaixo do ciclo anua. A temperatura também pode interferir na dinâmica da vegetação com anomalias de baixa- frequência de mesmo sinal da vegetação anômala em relação ao seu ciclo anual. Esses resultados contribuiram para o desenvolvimento de um modelo estatístico de regressão que usa as anomalias de precipitação e temperatura em baixa-frequência previstas pelo MARPI para então, prever o ciclo evolutivo da vegetação do Cerrado. A verificação da destreza da previsão do modelo mostrou característica particular para cada período distinto de início, meio ou fim da estação úmida. O modelo que utiliza como preditores as anomalias de precipitação em baixa-frequência mostra melhor destreza durante os meses de início da estação úmida. Por outro lado, as previsões ) durante e no fim da estação úmida têm melhor eficácia com o modelo que utiliza tanto as anomalias de precipitação, quanto a temperatura em baixa-frequência.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.06.2009

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MUZA, Michel Nobre; CARVALHO, Leila Maria Véspoli de; JONES, Charles. Variabilidade da precipitação e temperatura anômala em baixa frequência no centro-leste da América do Sul e relações com a vegetação do Cerrado :: Análise diagnóstica e modelagem estatística. 2009.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.
    • APA

      Muza, M. N., Carvalho, L. M. V. de, & Jones, C. (2009). Variabilidade da precipitação e temperatura anômala em baixa frequência no centro-leste da América do Sul e relações com a vegetação do Cerrado :: Análise diagnóstica e modelagem estatística. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Muza MN, Carvalho LMV de, Jones C. Variabilidade da precipitação e temperatura anômala em baixa frequência no centro-leste da América do Sul e relações com a vegetação do Cerrado :: Análise diagnóstica e modelagem estatística. 2009 ;
    • Vancouver

      Muza MN, Carvalho LMV de, Jones C. Variabilidade da precipitação e temperatura anômala em baixa frequência no centro-leste da América do Sul e relações com a vegetação do Cerrado :: Análise diagnóstica e modelagem estatística. 2009 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021