Exportar registro bibliográfico

Bergsonismo musical: o tempo em Bergson e a noção de forma aberta em Debussy (2009)

  • Authors:
  • Autor USP: SOCHA, EDUARDO - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLF
  • Subjects: TEMPO (FILOSOFIA); TEMPO (MÚSICA); COMPOSIÇÃO MUSICAL
  • Language: Português
  • Abstract: mediante justaposições e montagens rítmicas que abandonam a ideia de transição (ou seja, lançando o tempo-espaço contra o tempo-duração)Esta dissertação procura estabelecer uma confrontação teórica entre a filosofia da duração de Henri Bergson e o projeto composicional de Claude Debussy, no que diz respeito às estratégias de renovação da noção tradicional de tempo, estratégias que, embora aplicadas a setores distintos, fazem reverberar analogamente o mesmo espírito de época. Evidentemente, não desejamos propor homologias entre conceitos da filosofia e soluções técnicas musicais. Observamos todavia que tanto o projeto filosófico de Bergson quanto o projeto musical de Debussy compartilham o solo de uma crise geral de expressividade na passagem do século 19 para o 20, diante do esgotamento das possibilidades formais tanto do gênero conceitual no interior da filosofia quanto da tonalidade no interior da linguagem musical. Nos dois primeiros capítulos, analisamos a constituição do bergsonismo como o método que, contendo duas etapas indissociáveis (crítica da metafísica ocidental e proposição da intuição como modalidade de conhecimento), fornece um novo conceito positivo de tempo; apontamos em seguida os critérios para uma eventual estética bergsoniana. Nos capítulos seguintes, descrevemos a formalização da temporalidade musical na obra de Debussy, à luz do bergsonismo, verificando de que maneira seus procedimentos composicionais rompem com as proto-narrativas do tempo musical sedimentadas pela tonalidade. A escolha do quadro bergsoniano também decorre da oposição, sugerida por Theodor Adorno em Filosofia da Nova Música, entre a temporalidade das obras de Debussy e aquela das obras de Stravinsky. Apesar das técnicas de espacialização dos planos e da construção de modelos temáticos atomizados, Debussy conseguiria preservar a sensação orgânica de uma temporalidade subjetivamente perceptível, que Adorno chama de bergsonismo musical, ao passo que Stravinsky realizaria a dissolução métrica do tempo musical,
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.06.2009
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SOCHA, Eduardo; SAFATLE, Vladimir Pinheiro. Bergsonismo musical: o tempo em Bergson e a noção de forma aberta em Debussy. 2009.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-08022010-115117/ >.
    • APA

      Socha, E., & Safatle, V. P. (2009). Bergsonismo musical: o tempo em Bergson e a noção de forma aberta em Debussy. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-08022010-115117/
    • NLM

      Socha E, Safatle VP. Bergsonismo musical: o tempo em Bergson e a noção de forma aberta em Debussy [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-08022010-115117/
    • Vancouver

      Socha E, Safatle VP. Bergsonismo musical: o tempo em Bergson e a noção de forma aberta em Debussy [Internet]. 2009 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-08022010-115117/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021