Exportar registro bibliográfico

Síncope neurocardiogênica: estudo das respostas clínicas e das adaptações cardiovasculares ao treinamento físico aeróbico (2009)

  • Authors:
  • Autor USP: MIRANDA, VANESSA CRISTINA RIBEIRO - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Subjects: SÍNCOPE; DOENÇAS CARDIOVASCULARES; TREINAMENTO FÍSICO; QUALIDADE DE VIDA
  • Language: Português
  • Abstract: INTRODUÇÃO: Síncope é uma síndrome caracterizada por perda súbita e transitória da consciência e do tônus postural, com recuperação rápida e espontânea. Ela é causada por uma redução aguda da pressão arterial sistêmica, e, por conseguinte, do fluxo sanguíneo cerebral. Dentre os vários tipos, a síncope neurocardiogênica (SNC) destaca-se por ser a de maior freqüência. Na SNC existem mecanismos de gatilho desconhecidos que ativam uma resposta eferente autonômica peculiar, com diminuição da estimulação simpática arteriolar e/ou aumento do tônus parassimpático para o nódulo sinusal; a vasodilatação e/ou a bradicardia resultantes provocam uma redução da pressão arterial sistêmica. Os fatores predisponentes da SNC são a postura vertical e o estresse emocional. Apesar de a mortalidade da SNC ser comparável à da população saudável, ela é altamente incapacitante, e compromete sobremaneira a qualidade de vida dos pacientes. Ressalte-se, que o tratamento farmacológico da SNC vem se mostrando inadequado para a grande maioria dos casos. Assim, neste contexto, as orientações gerais, o treinamento postural passivo e o treinamento físico aeróbio (TFA) têm sido propostos como alternativas para o tratamento da SNC. O TFA é considerado uma intervenção promissora por propiciar, dentre outras adaptações, aumento do retorno venoso ao coração e melhora da sensibilidade barorreflexa periférica. OBJETIVOS: Comparar, em pacientes com SNC, o efeito do treinamento físico aeróbico e de umaintervenção controle, sobre a recorrência clínica da síncope, a qualidade de vida dos pacientes e a tolerância ortostática, bem como avaliar os efeitos das respectivas intervenções no controle autonômico do sistema cardiovascular. MÉTODOS: Dezessete pacientes com história de SNC recorrente e teste de inclinação passivo (TIP) positivo foram randomizados em dois grupos: 10 pacientes no grupo treinado (GT) e 7 no grupo controle (GC), com idades médias (DP) de 32 '+ OU -' 10,3 e 27 '+ OU -' 9,2 anos, respectivamente. O GT tinha apresentado 8,0 '+ OU -' 4,8 síncopes prévias e o GC 9,0 '+ OU -' 3,5. Os pacientes realizaram as mesmas avaliações funcionais antes e após a intervenção, a saber: TIP; arritmia sinusal respiratória (ASR) e manobra de Valsalva (MV) em repouso na posição supina; qualidade de vida com a aplicação do questionário SF-36; e um teste ergoespirométrico (TE) máximo, para avaliação da capacidade física e prescrição dos exercícios. A intensidade do exercício foi prescrita de modo que a freqüência cardíaca de treinamento se mantivesse entre o valor correspondente do limiar de anaerobiose e o valor 10% abaixo do ponto de compensação respiratória. O GT realizou o treinamento numa freqüência de 2 sessões semanais, com duração de 40 minutos, durante 12 semanas. Eles foram orientados a realizar mais duas sessões de atividade física externa, preencher uma planilha com a freqüência cardíaca atingida no esforço, e tempo de treino,que era conferida semanalmente. O GC realizou duas sessões semanais durante 12 semanas de uma intervenção controle que consistia em: 15 minutos de alongamentos, 15 minutos de uma caminhada leve sempre abaixo da FC prescrita como alvo e 10 minutos de relaxamento. Eles foram orientados para não realizar outras atividades físicas no período do estudo. Na análise estatística utilizou-se: a análise de variância (ANOVA) para a comparação intergrupo dos dados antropométricos; o modelo de Poisson com efeito aleatório para comparar o número de síncopes; a correlação de Spearman para medir a associação entre duas variáveis quantitativas; o teste exato de Fisher para comparar a resposta ao TIP e a intervenção realizada; e o modelo de efeitos mistos para as demais variáveis analisadas. O nível de significância estabelecido em todos os testes estatísticos usados foi de 5% ('alfa' = 0,05). RESULTADOS: Documentou-se, comparativamente à condição controle, um aumento significativo no consumo de oxigênio (VO 'VO IND. 2') (p<0,01) e na potência picos (p<0,01) somente no GT, mostrando a efetividade do TFA. No período pré-intervenção, os grupos não apresentaram diferenças no VO 'VO IND 2PICO' e no limiar de anaerobiose ventilatório (LAV); findo o treinamento, o GT apresentou no LAV valores de potência (p<0,01) e VO 'VO IND. 2' (p<0,01) significativamente maiores que o início do treinamento e do que o GC. Durante a intervenção nenhum paciente do GTapresentou síncope, enquanto no GC houve uma média de 2 '+ OU -' 1,9 síncopes. No TIP de reavaliação 7 pacientes (70%) do GT apresentaram resposta negativa ao teste, enquanto apenas 2 pacientes (29%) do GC apresentaram essa resposta. Não foram observadas diferenças inter-grupos e intra-grupos (antes e após as intervenções), quanto à avaliação autonômica em repouso supino, nos testes VFC, ASR e MV. Tanto o GT quanto o GC apresentaram, em relação às condições controle, melhoras significativas na qualidade de vida. Entretanto, os escores do GC ainda foram inferiores aos observados no GT, e aos esperados em pessoas saudáveis. CONCLUSÕES: Nos pacientes com SNC, o GT apresentou menor freqüência dos casos positivos ao TIP, aumento na tolerância ortostática e diminuição da sintomatologia, com conseqüente melhora na qualidade de vida
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 24.04.2009

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MIRANDA, Vanessa Cristina Ribeiro; GALLO JÚNIOR, Lourenço. Síncope neurocardiogênica: estudo das respostas clínicas e das adaptações cardiovasculares ao treinamento físico aeróbico. 2009.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009.
    • APA

      Miranda, V. C. R., & Gallo Júnior, L. (2009). Síncope neurocardiogênica: estudo das respostas clínicas e das adaptações cardiovasculares ao treinamento físico aeróbico. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Miranda VCR, Gallo Júnior L. Síncope neurocardiogênica: estudo das respostas clínicas e das adaptações cardiovasculares ao treinamento físico aeróbico. 2009 ;
    • Vancouver

      Miranda VCR, Gallo Júnior L. Síncope neurocardiogênica: estudo das respostas clínicas e das adaptações cardiovasculares ao treinamento físico aeróbico. 2009 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021