Exportar registro bibliográfico

A cultura de soja: modelo de crescimento e aplicação da estrobilurina piraclostrobina (2008)

  • Authors:
  • Autor USP: FAGAN, EVANDRO BINOTTO - ESALQ
  • Unidade: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LEF
  • Subjects: FISIOLOGIA VEGETAL; FUNGICIDAS (APLICAÇÕES); PRODUTIVIDADE; SOJA
  • Language: Português
  • Abstract: No Brasil, a soja ocupa a maior área cultivada. Problemas relacionados com doenças fúngicas na cultura têm sido responsáveis por perdas de produtividade de grãos de até 95%. A utilização de compostos a base de piraclostrobina (estrobilurina) tem provido aumento de produtividade e controle de doenças, principalmente da ferrugem asiática, considerada uma das principais doenças da soja no momento. Visando um aporte à pesquisa nas respostas fisiológicas da cultura, este estudo objetivou avaliar o efeito fisiológico de um fungicida a base da estrobilurina piraclostrobina em diferentes cultivares de soja. Realizaram-se dois experimentos, de novembro de 2005 a maio de 2006, no campo experimental da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", utilizando as variedades cultivadas 'M-SOY 8008 RR' e 'BRS 245 RR' e um experimento conduzido com a variedade cultivada 'BRS Conquista', em casa-de-vegetação (condições parcialmente controladas), de janeiro a maio de 2007. Foram realizadas medidas fisiológicas (fotossíntese líquida, respiração, síntese de etileno e atividade da enzima nitrato redutase), fenométricas (fitomassa seca de folhas, caule e total e área foliar), além da produtividade. Os dados obtidos nos ensaios a campo foram utilizados nos modelos propostos por Van Keuler e Wolf (1986). Nos dois experimentos a campo, o delineamento experimental foi de blocos ao acaso com três tratamentos (T1: sem aplicação de fungicida, T2: duas aplicações da estrobilurinapiraclostrobina e T3: duas aplicações de tebuconazol - triazol - em R1 e R5.1) com 4 repetições. Em casa-de-vegetação, o delineamento adotado foi o de blocos ao acaso com dois tratamentos (T1: aplicação da estrobilurina piraclostrobina e T2: sem aplicação) e cinco repetições. Na variedade cultivada 'M-SOY 8008 RR', a aplicação da estrobilurina piraclostrobina no estádio fenológico R1 e R5.1 incrementa a ) taxa fotossintética nos dois períodos de aplicação. A atividade da enzima nitrato redutase somente é incrementada quando a aplicação é realizada no estádio fenológico R1. A taxa respiratória decresce após a aplicação da estrobilurina piraclostrobina (estádio fenológico R5.1). A estrobilurina piraclostrobina incrementa a taxa de assimilação bruta de CO2 da planta e a taxa de assimilação líquida de CO2 nas vagens, a massa de 1000 grãos e a produtividade de 13 e 4 sacas ha-1 em relação ao tratamento sem aplicação e ao tratamento com aplicação de triazol, respectivamente. Em relação a variedade cultivada 'BRS 245 RR', a estrobilurina piraclostrobina aumenta o acúmulo de fitomassa seca de folhas, caule e total e da área foliar em torno de 14 dias após a primeira aplicação, mantida até o final do ciclo. Os resultados obtidos em casa-de-vegetação revelaram que a aplicação da estrobilurina piraclostrobina aumenta a taxa fotossintética e atividade da enzima nitrato redutase até o 7 dias após a aplicação, com valores máximos aos 7 DAA para a fotossíntese e ao 0 DAApara a atividade da enzima nitrato redutase. A condutância estomática e a transpiração aumentaram até 3 dias após a aplicação, momento onde é verificado o máximo efeito. O decréscimo na taxa respiratória é mantido até os 7 DAA, entretanto a biossíntese de etileno é inibida progressivamente até os 18 DAA. Com base nos resultados, conclui-se que a aplicação da estrobilurina piraclostrobina em soja causa aumento da atividade fisiológica ocasionando incremento da produtividade de grãos, sendo que a maior atividade na taxa de assimilação de carbono e nitrogênio ocorre até o os 7 DAA
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 18.01.2008
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FAGAN, Evandro Binotto; DOURADO NETO, Durval. A cultura de soja: modelo de crescimento e aplicação da estrobilurina piraclostrobina. 2008.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2008. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11136/tde-10032008-155007/ >.
    • APA

      Fagan, E. B., & Dourado Neto, D. (2008). A cultura de soja: modelo de crescimento e aplicação da estrobilurina piraclostrobina. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11136/tde-10032008-155007/
    • NLM

      Fagan EB, Dourado Neto D. A cultura de soja: modelo de crescimento e aplicação da estrobilurina piraclostrobina [Internet]. 2008 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11136/tde-10032008-155007/
    • Vancouver

      Fagan EB, Dourado Neto D. A cultura de soja: modelo de crescimento e aplicação da estrobilurina piraclostrobina [Internet]. 2008 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11136/tde-10032008-155007/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021