Exportar registro bibliográfico

Neurossífilis na era aids: análise clínica e laboratorial de trinta pacientes (2004)

  • Authors:
  • USP affiliated author: GITAÍ, LÍVIA LEITE GÓES - FMRP
  • School: FMRP
  • Sigla do Departamento: RNP
  • Subjects: NEUROSSÍFILIS; INFECÇÕES POR HIV
  • Language: Português
  • Abstract: A sífilis permanece uma importante causa de morbidade em vários países em desenvolvimento e em áreas dos EUA e Europa. A neurossífilis é uma de suas complicações mais graves, cuja incidência foi reduzida e o perfil clínico modificado com a popularização do uso de antibióticos. O advento da aids suscitou muitas dúvidas sobre novas mudanças no seu perfil epidemiológico e clínico, no sentido de aumento na incidência, evolução mais rápida com manifestações clínicas mais graves, maior dificuldade diagnóstica e menor resposta ao tratamento. Definir o papel da infecção pelo HIV no desenvolvimento da neurossífilis é fundamental na abordagem diagnóstica e terapêutica desses pacientes. Para descrever e comparar as características clínicas e laboratoriais da neurossífilis em pacientes soropositivos e soronegativos para HIV, pesquisamos retrospectivamente os prontuários de pacientes com diagnóstico de neurossífilis no HCFMRP-USP no período de janeiro de 1988 a dezembro de 2002. O diagnóstico de neurossífilis foi baseado na presença de teste treponêmico positivo no, sangue (FTA-ABS ou MHA-TP) associado a teste não-treponêmico positivo no LCR (Wassermann ou VDRL). Identificamos 30 pacientes com neurossífilis, 26,7% soropositivos para HIV. A maioria dos pacientes era do sexo masculino (73,3%) e a idade média foi de 40,9 '+OU-' 13, 1 anos. Os pacientes soropositivos para HIV apresentaram menor idade média (30,7 anos), maior freqüência de neurossífilis precoce(100%), maiores títulos de VDRL (1:128) no sangue e maior proteinorraquia média na punção sub-occipital (101mg/dl) que os soronegativos. A maior freqüência de pleocitose e maior celularidade média nos pacientes soropositivos não atingiram significância estatística. Os pacientes com neurossífilis precoce apresentaram menor idade média (35,5 anos), maior celularidade média no LCR (139,1 cél./'mm. POT 3') e maior freqüência de melhora objetiva após o tratamento (70,6%) ... que aqueles com neurossífilis tardia. Observamos, portanto, que a neurossífilis apresenta diferenças epidemiológicas, clínicas e laboratoriais entre os pacientes soropositivos e soronegativos para HIV
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.06.2004

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GITAÍ, Lívia Leite Góes; TAKAYANAGUI, Osvaldo Massaiti. Neurossífilis na era aids: análise clínica e laboratorial de trinta pacientes. 2004.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004.
    • APA

      Gitaí, L. L. G., & Takayanagui, O. M. (2004). Neurossífilis na era aids: análise clínica e laboratorial de trinta pacientes. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Gitaí LLG, Takayanagui OM. Neurossífilis na era aids: análise clínica e laboratorial de trinta pacientes. 2004 ;
    • Vancouver

      Gitaí LLG, Takayanagui OM. Neurossífilis na era aids: análise clínica e laboratorial de trinta pacientes. 2004 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2022