Exportar registro bibliográfico

Papel antinociceptivo do antagonista de receptores de interleucina 1 (1L-1ra) (2000)

  • Authors:
  • USP affiliated author: CUNHA, JOICE MARIA DA - FMRP
  • School: FMRP
  • Sigla do Departamento: RFA
  • Subject: FARMACOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: Em modelos de dor inflamatória têm-se demonstrado que a sensibilização dos nociceptores é mediada por prostaglandinas a aminas simpatomiméticas. A liberação dessas substâncias é precedida por produção em cascata de uma série de citocinas. Têm-seproposto, então, que estímulos inflamatórios como carragenina (Cg) ou LPS induzem a formação tecidual de bradicinina (BK), a qual estimula a liberação de TNFa. 0 TNFa induz subseqüentemente, a liberação de IL-1 p a IL-6, as quais estimulam aprodução de eicosanóides, como PGE2 a de IL-8, a qual estimula a produção de aminas simpatomiméticas. Nesse estudo, utilizando a metodologia de hiperalgesia mecânica em patas de ratos, avaliamos a efeito do antagonista endógeno de receptores deIL-1 (IL-1 ra) sobre a resposta hiperalgésica induzida por agentes como LPS, Cg, BK, TNFa, IL10, IL-8, IL-6, PGE2 ou dopamina. 0 IL-Ira (100 ou 300 pg/pata), quando administrado 30 minutos antes dos estímulos, inibiu parcialmente (cerca de50°r6) a resposta hiperalgésica induzida por LPS, Cg, BK ou TNFa a totalmente a hiperalgesia induzida por IL-1 p. 0 pré-tratamento com IL-1 ra mais atenolol, um antagonista de! receptores p adrenérgicos, preveniu completamente o desenvolvimentoda hiperalgesia induzida por Cg. 0 pré-tratamento isoladamente com IL-1 ra no entanto, não foi capaz de prevenir a resposta hiperalgésica induzida por IL-8, PGE2 ou dopamina. Esses dados sugerem que o efeito do IL-1 ra é exclusivamentedecorrente da inibição dosreceptores de IL-1, os quais transduzem sinais intracelulares para síntese de prostaglandinas que ativam diretamente os nociceptores. No intuito de avaliar se o IL-1 ra participa do controle endógeno da hiperalgesiainflamatória, administramos o soro anti-IL-Ira de rato em patas estimuladas com agentes inflamatórios ou citocinas. O pré-tratamento com soro anti IL-1 ra de rato, 30 minutos antes dos estímulos, potencia significativamente a hiperalgesia ) induzida por LPS, Cg, BK, TNFa a IL-1 p mas não por IL-8. Esses dados sugerem que o IL-1 ra endógeno tem um papel relevante no controle da hiperalgesia e isso parece estar também associado ao bloqueio de receptores de IL-1, uma vezque somente a hiperalgesia induzida por IL-1 ou por estímulos que levam a liberação dessa citocina foram alteradas pelo pré-tratamento com soro anti-IL-1 ra. Investigamos em seguida, os níveis teciduais de TNF-a, IL-1 p e IL-1 ra após aestimulação local com agentes inflamatórios como Cg ou LPS. Observamos um aumento significativo nos niveis locais de TNFa (2 e 3 horas após a estimulação com Cg e 1 e horas após a estimulação com LPS), IL-1 0 (2 até 6 horas após a estimulaçãocom Cg ou LPS) a IL-1 ra (desde 30 minutos até 48 horas após a administração de Cg ou LPS), confirmando que esses estimulos são capazes de estimular a liberação de não só citocinas pró-inflamatórias como também IL-1 ra, o qual deve estarassociado, como visto, ao controle endógeno das ações biológicas sistêmicasda IL-1. Com o objetivo de caracterizar qual o tipo celular responsável pela liberação local de IL-1 ra no processo hiperalgésico inflamatório, administramos soroanti-IL1 ra em patas de ratos depletadas de mastócitos a em patas normais. A resposta hiperalgésica induzida por Cg ou LPS foi potencializada pelo pré-tratamento com soro anti-IL-1 ra tanto em patas normais como em patas depletadas, sugerindoque os mastócitos no são a fonte de IL-1 ra nesse processo. Avaliamos em seguida, se o efeito antinociceptivo do IL-I pderia estar associado com a liberação endógena de outras citocinas inibitárias como IL-4 ou IL10. O efeito antinociceptivo doIl-1 ra sobre a hiperalgesia induzida por Cg no entanto, não foi afetado pelo pré-tratamento (30 minutos antes) com anticorpos para IL-4 ou para IL10, sugerindo que o efeito antinociceptivo do IL-1 ra não depende da liberação endcigena de outras (continuação) citocinas inibitórïas como IL-4 ou IL-10. A fim de avaliar se o IL-1 era capaz de atuar em modelos de estudos de dor visceral, utilizamos o teste de contorções abdominais induzidas por ácido acético em camundongos. O pré-tratamentocom IL-1 foi capaz de inibir de maneira dose dependente o número total de contorções abdominais induzidas por ácido acético. Esse conjunto de dados sugerem que o IL-1 limita a hiperalgesia inflamatória em ratos e as contorções abdominais emcamundongos, por inibir a habilidade da IL-1 em ligar-se aos seus receptores que transduzem os sinaisintracelulares para a produção de eicosanbides, os quais ativam diretamente os nociceptores. 0 IL-1 ra portanto, representa potencialmente, umaalternativa terapêutica para o tratamento de patologias em que as prostaglandinas, liberadas via IL-1, desempenhem papel relevante, abolindo os efeitos colaterais provocados pelo tratamento clínico com anti-inflamatários não esteroidais
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.03.2000

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CUNHA, Joice Maria da; FERREIRA, Sérgio Henrique. Papel antinociceptivo do antagonista de receptores de interleucina 1 (1L-1ra). 2000.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2000.
    • APA

      Cunha, J. M. da, & Ferreira, S. H. (2000). Papel antinociceptivo do antagonista de receptores de interleucina 1 (1L-1ra). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Cunha JM da, Ferreira SH. Papel antinociceptivo do antagonista de receptores de interleucina 1 (1L-1ra). 2000 ;
    • Vancouver

      Cunha JM da, Ferreira SH. Papel antinociceptivo do antagonista de receptores de interleucina 1 (1L-1ra). 2000 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2022