Exportar registro bibliográfico

Efeitos do ácido acetilsalicílico sobre a perfusão uterina em ciclos hiperestimulados com hormônio folículo estimulante (1999)

  • Authors:
  • Autor USP: RIGHETTO JUNIOR, GERSON - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RGO
  • Assunto: FERTILIDADE
  • Language: Português
  • Abstract: Avaliar os efeitos da ação do AAS no endométrio de pacientes com ciclos hiperestimulados controlados com FSH nas pacientes que realizaram FIVETE ou ICSI. Material a Métodos: estudo longitudinal prospectivo duplo cego, composto por 37 pacientesdivididas em grupos A - placebo 1 cp/dia desde o basal até o (3-HCG (N=17) e B - AAS 100 mg/dia do Basal, até o P­HCG (N=20). Na indução de ovulação utilizou-se FSH puro ou recombinante. No endométrio foi analisada a espessura a as suascaracterísticas morfológicas em três dias (dia basal, dia do HCG a na fase lútea). A avaliação da circulação sangüinea uterina foi feita por dopplervelocimetria das artérias uterinas (IR a IP) no basal, HCG a fase lútea. Também foram dosados E2aProgesterona nos três dias. Local: Setor de Reprodução Humana - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP.Resultados: as populações foram homogêneas em relação à idade e tempo de infertilidade. A espessura endometrial entre os grupos a entrepacientes que engravidaram e não engravidaram não teve diferença significativa nos dias do basal, HCG a fase lútea, apesar de estar melhor no grupo A no HCG. No grupo A, a média de E2 no HCG a fase lútea foi significativamente superior. OIR e oIP não tiveram variação significativa entre os dois grupos em nenhuma das medidas. Em relação à gravidez: no grupo A, ocorreram 3 gravidezes: (2 clínicas) representando 17.6% de gravidez/transferência, 12% de gravidez clínica, perfazendo 27.6%emrelação a número de SG/embriões transferidos. No grupo S, ocorreram 6 gravidezes: (3 clínicas), com 25% de gravidez/transferência, 15% de gravidez clínica e a relação SG/Embriões transferidos foi de 61%. Conclusões: a utilização de AAS nãocausou alterações no IP das artérias uterinas e nem na espessura endometrial. No entanto, a taxa de implantação foi significativamente superior no grupo que utilizou o AAS o que, provavelmente, seja um efeito secundário benéfico deste (continuação) fármaco, o que nos obriga a um estudo mais aprofundado da sua atuação a nível da circulação endometrial. A avaliação do fluxo uterino com a dopplervelocimetria parece promissor, mas atualmente os dados obtidos não podem predizerisoladamente o sucesso de um ciclo de reprodução assistida
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.09.1999

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RIGHETTO JÚNIOR, Gerson; REIS, Rosana Maria dos. Efeitos do ácido acetilsalicílico sobre a perfusão uterina em ciclos hiperestimulados com hormônio folículo estimulante. 1999.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1999.
    • APA

      Righetto Júnior, G., & Reis, R. M. dos. (1999). Efeitos do ácido acetilsalicílico sobre a perfusão uterina em ciclos hiperestimulados com hormônio folículo estimulante. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Righetto Júnior G, Reis RM dos. Efeitos do ácido acetilsalicílico sobre a perfusão uterina em ciclos hiperestimulados com hormônio folículo estimulante. 1999 ;
    • Vancouver

      Righetto Júnior G, Reis RM dos. Efeitos do ácido acetilsalicílico sobre a perfusão uterina em ciclos hiperestimulados com hormônio folículo estimulante. 1999 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021