Exportar registro bibliográfico

Proficiência da voz esofágica e qualidade de vida em laringectomizados totais (2018)

  • Autores:
  • Autor USP: RAQUEL, ANA CAROLINA SOARES - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MFT
  • Assuntos: VOZ ESOFÁGICA; QUALIDADE DE VIDA; LARINGECTOMIA; VOZ ALARÍNGEA; REABILITAÇÃO; VOZ (FISIOLOGIA)
  • Palavras-chave do autor: Laryngectomy; Quality of life; Speech esophageal; Voice
  • Idioma: Português
  • Resumo: Introdução: Quando um indivíduo é acometido pelo câncer de laringe e o tratamento indicado é a laringectomia total, o aspecto que apresentará maior modificação é a fonação, uma vez que a voz laríngea não será mais possível e a reabilitação com um novo método de comunicação alaríngea torna-se necessária para reestabelecer esta função. Entre os métodos de escolha, está a voz esofágica (VE) que apresenta variabilidade de sucesso. Entender como e quanto estas modificações poderão impactar na qualidade de vida e quais os protocolos mais indicados para esta população poderá favorecer as chances de sucesso terapêutico e ajudar na reinserção desse indivíduo no meio social e familiar. Objetivo: Comparar diferentes protocolos de qualidade de vida em laringectomizados totais falantes e não falantes por meio da voz esofágica. Métodos: Trata-se de um estudo transversal observacional com 38 laringectomizados totais com voz esofágica, classificados 19 no grupo falantes e 19 não falantes. Foram aplicados a escala EAV e os protocolos IDV, QVV, FACT - H&N, EORTC QLQ - C30, EORTC QLQ - H&N35 e UW - QOL. Resultados: Observou-se que os laringectomizados totais reabilitados com voz esofágica, quando comparados, apresentaram melhores escores com diferença estatística no domínio funcional para o grupo falantes. Notou-se forte correlação inversamente proporcional no grupo falantes, não falantes e total da amostra com o QVV e IDV. Houve correlação forte e moderada com a escala funcional do EORTC QLQ- C30 com todos os demais protocolos, em ambos os grupos. A correlação entre o EORTC QLQ - H&N35 e o UW - QOL foi moderada no grupo falantes e forte no grupo não falantes. O UW - QOL apresentou ainda correlações entre moderadas e fortes com IDV e EORTC QLQ - C30 em ambos os grupos. Conclusão: O protocolo EORTC QLQ - C30, com seu específico EORTC QLQ - H&N35, e o UW - QOL foram os que mais se correlacionaram com os demais protocolos, podendo optar-se por um deles para avaliar a qualidade de vida desta população
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 15.06.2018
  • Acesso à fonte
    Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RAQUEL, Ana Carolina Soares; NEMR, Nair Katia. Proficiência da voz esofágica e qualidade de vida em laringectomizados totais. 2018.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5170/tde-12092018-082356/ >.
    • APA

      Raquel, A. C. S., & Nemr, N. K. (2018). Proficiência da voz esofágica e qualidade de vida em laringectomizados totais. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5170/tde-12092018-082356/
    • NLM

      Raquel ACS, Nemr NK. Proficiência da voz esofágica e qualidade de vida em laringectomizados totais [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5170/tde-12092018-082356/
    • Vancouver

      Raquel ACS, Nemr NK. Proficiência da voz esofágica e qualidade de vida em laringectomizados totais [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5170/tde-12092018-082356/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2020