Exportar registro bibliográfico

Adaptação transultural da Escala Multidimensional de Avaliação de Dor (2017)

  • Autores:
  • Autor USP: SILVA, TALITA DE CÁSSIA RAMINELLI DA - EERP
  • Unidade: EERP
  • Sigla do Departamento: ERP
  • Assuntos: DOR CRÔNICA; DOR; PSICOFÍSICA
  • Palavras-chave do autor: Dor Aguda; Acute Pain; Chronic Pain; Pain Measurement; Psychophysics
  • Idioma: Português
  • Resumo: INTRODUÇÃO: A dor, fenômeno multidimensional, é compreendida como experiência pessoal e subjetiva, influenciada por fatores que abrange o ser humano em sua totalidade e deve ser avaliada a fim de ser adequadamente manejada com excelência técnico-científica. OBJETIVOS: O objetivo geral deste estudo foi realizar adaptação transcultural da Escala Multidimensional de Avaliação de Dor (EMADOR) e os específicos foram traduzir a EMADOR para a língua inglesa; validar a EMADOR para a cultura americana na sua forma aparente e de conteúdo; aplicar a EMADOR adaptada e validada para a cultura americana em indivíduos com dor; aplicar a EMADOR em indivíduos brasileiros com dor; Descrever os dados sócios demográficos (idade e gênero) e clínicos (uso de medicamento e tipo de dor) das amostras norte americana e brasileira; Verificar o grau de atribuição dos descritores de dor crônica e de dor aguda da amostra americana; Verificar o grau de atribuição dos descritores de dor crônica e de dor aguda da amostra brasileira; Identificar as dimensões dos descritores atribuídos pelos participantes de ambas às amostras, norte americana e brasileira; Identificar semelhanças e diferenças da percepção da dor crônica e aguda entre as amostras norte americana e brasileira. Método: Realizou-se estudo de adaptação transcultural de instrumento, utilizando-se método proposto por Beaton e seus colaboradores, constituído pelas etapas de tradução, retrotradução, comitê de revisores, validação aparente e de conteúdo e teste piloto. Utilizou-se o método psicofísico de estimação de categoria na aplicação da EMADOR. A análise de dados foi realizada descritivamente. Foram calculados alpha de cronbach para analisar a fidedignidade da escala e o teste de Mann Whitney para verificar diferenças estatísticas entre as amostras. RESULTADOS: Na tradução, retrotradução e comitê de revisores os descritoresde dor foram alterados de modo a manter o maior nível de similaridade entre as versões em português e em inglês (Multidimensional Pain Evaluation Scale - MPES). Na validação aparente e de conteúdo, os descritores de dor da MPES foram apresentados cardinalmente e algumas definições foram alteradas. A maioria dos participantes era do gênero feminino e grande parte fazia uso de medicação para alívio da dor. Quanto à aplicação da escala nos Estados Unidos, participaram 90 norte americanos, sendo 41 cuidadores de idosos e 49 estudantes universitários do curso de enfermagem, dos quais 49 (54,4%) apresentaram dor aguda e 41 (45,6%) dor crônica. Os descritores de maior atribuição e suas respectivas dimensões para dor crônica foram "Chata" (Afetiva/Cognitiva), "Incômoda" (Afetiva/Cognitiva), "Dolorosa" (Afetiva/Sensitiva), "Desagradável" (Afetiva/Cognitiva) e "Irritante" (Afetiva/Cognitiva) e para dor aguda "Dolorosa" (Afetiva/Sensitiva), "Irritante" (Afetiva/Cognitiva), "Desconfortável" (Afetiva/Cognitiva), "Desagradável" (Afetiva/Cognitiva), "Estafante" (Afetiva/Cognitiva). Quanto à aplicação da escala no Brasil, participaram 97 brasileiros, sendo 28 cuidadores de idosos e 69 estudantes de graduação do curso de enfermagem, dos quais 39 (40,21%) apresentavam dor crônica e 58 (59,79%) dor aguda. Os descritores de maior atribuição e suas respectivas dimensões para dor crônica foram "Desconfortável" (Afetiva/Sensitiva), "Incômoda" (Afetiva/Cognitiva), "Dolorosa" (Afetiva/Sensitiva), "Chata" (Afetiva/Cognitiva) e "Desagradável" (Afetiva/Cognitiva) e para dor aguda "Desconfortável" (Afetiva/Cognitiva), "Desagradável" (Afetiva/Cognitiva), "Importuna" (Afetiva/Cognitiva), "Irritante" (Afetiva/Cognitiva) e "Que Perturba" (Afetiva/Cognitiva). CONSIDERAÇÕES FINAIS: A experiência dolorosa pode ser percebida em suas múltiplas dimensões, seja afetiva, cognitiva e sensitiva. Comoexperiência pessoal, é por meio da linguagem que as características das sensações dolorosas podem ser expressas, diferenciando-se, significativamente umas das outras. A adaptação transcultural da EMADOR/MPES para a cultura americana bem como sua aplicação nos Estados Unidos e no Brasil pode contribuir para enfermeiros e equipe de saúde em geral ter consciência da complexidade e da multidimensionalidade existente na dor em diferentes situações e perspectivas subjetivas, além de possibilitar avaliação fidedigna do fenômeno de modo a promover melhorias na assistência, e avanços na pesquisa e no ensino, propiciando manejos que respeitem o ser humano com dor
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.12.2017
  • Acesso à fonte
    Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SILVA, Talita de Cássia Raminelli da; SOUSA, Fátima Aparecida Emm Faleiros. Adaptação transultural da Escala Multidimensional de Avaliação de Dor. 2017.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-29032018-152355/ >.
    • APA

      Silva, T. de C. R. da, & Sousa, F. A. E. F. (2017). Adaptação transultural da Escala Multidimensional de Avaliação de Dor. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-29032018-152355/
    • NLM

      Silva T de CR da, Sousa FAEF. Adaptação transultural da Escala Multidimensional de Avaliação de Dor [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-29032018-152355/
    • Vancouver

      Silva T de CR da, Sousa FAEF. Adaptação transultural da Escala Multidimensional de Avaliação de Dor [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-29032018-152355/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2021