Exportar registro bibliográfico

Avaliação de biomarcadores da exposição humana à fumonisina B1 nos alimentos em municípios dos estados de São Paulo e Santa Catarina, Brasil (2015)

  • Autores:
  • Autor USP: BORDIN, KELIANI - FZEA
  • Unidade: FZEA
  • Sigla do Departamento: ZEA
  • Assuntos: FUSARIUM; MILHO; SOROS; URINA; CABELO
  • Palavras-chave do autor: Esfingolipídeos; Fumonisina B1
  • Idioma: Português
  • Resumo: A fumonisina B1 (FB1) e uma micotoxina produzida pelo metabolismo secundário de espécies de Fusarium, principalmente F. verticillioides e F. proliferatum, os quais contaminam diversos alimentos antes e apos o processamento, sobretudo o milho e derivados, gerando graves problemas para a Saúde Pública e a qualidade dos alimentos. O objetivo deste trabalho foi avaliar a exposição humana a FB1 presente nos alimentos através da estimativa de ingestão da toxina na dieta e da análise de diferentes biomarcadores presentes em amostras de sangue, urina e cabelo. Além disso, foram investigados os efeitos da toxina através da avaliação de ácido fólico presentes em alimentos e em soro, e os níveis de uréia e creatinina presentes em soro. O estudo foi realizado em dois municípios dos Estados de São Paulo e Santa Catarina, cujos respectivos voluntários foram categorizados como de baixo consumo de derivados de milho (Grupo A, voluntários de Pirassununga/SP) e de alto consumo de derivados de milho (Grupo B, voluntários de Erval Velho/SC). As amostras de alimentos do Grupo A (Pirassununga/SP) foram fornecidas pelos voluntários (n=100) nos meses de Junho/2011, Setembro/2011, Dezembro/2011 e Marco/2012. Os voluntários do Grupo B (Erval Velho/SC) (n=20) forneceram amostras de alimentos no mês de Abril/2012. Em cada grupo, uma lista com 20 alimentos a base de milho foi entregue aos voluntários, para fornecimento de amostras daqueles disponíveis em suas respectivas residências em cada mês deamostragem, totalizando 122 amostras de derivados de milho no Grupo A e 17 amostras no Grupo B coletadas durante o estudo. Adicionalmente, aplicou-se um Questionário de Frequência Alimentar (QFA) e um Inquérito Recordatório de 24 horas (QIR - 24 h) no momento das coletas de amostras. Em cada mês de amostragem de alimentos, foram coletadas amostras de sangue, urina (somente Grupo A) e cabelo dos voluntários, sendo as amostras armazenadas a -20ºC (urina e cabelo) ou -80ºC (sangue) até o momento das análises. As amostras de alimentos foram submetidas a análise de FB1, sendo que as de farinha de milho foram também analisadas quanto ao teor de ácido fólico. Ambas as análises foram feitas através de cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE). Em soro, foram avaliadas a relação esfinganina/esfingosina (Sa/So), resíduos de FB1, ácido fólico, uréia e creatinina. Em urina, foram analisados os níveis de FB1, creatinina para correção do volume urinário e a relação Sa/So. Em cabelo, foram analisados os resíduos de FB1 através de CLAE acoplada a espectrometria de massas. Todos os métodos de análise foram submetidos a procedimento de otimização e validação intra--laboratorial. A incidência de FB1 nos alimentos foi, em média, 72% (n=122) nas amostras do Grupo A (Pirassununga/SP) e 35% (n=17) no Grupo B (Erval Velho/SC). Os maiores níveis foram encontrados em amostras de pipoca provenientes do Grupo B, com uma amostra excedendo o limite de tolerância estabelecido no Brasil (2,500µg kg-1). A ingestão diária provável média (IDPM) de FB1 no Grupo A foi de 63,3 ng kg-1 peso corpóreo (p.c.) dia-1, que corresponde a 3,1% da ingestão provisória máxima tolerável (IPMT) recomendada para fumonisinas (2.000 ng kg-1 p.c. dia-1). A IDPM do Grupo B apresentou uma média de 190,1 ng kg-1 p.c. dia-1 o que corresponde a 9,5% da IDMT. As concentrações de ácido fólico nas amostras de farinha de milho variaram de < 0,3 µg kg-1 (limite de quantificação do método) a 1.705 µg kg-1, com média de 713 ± 435 µg kg-1. Somente uma amostra apresentou nível de ácido fólico acima do valor mínimo estabelecido pela ANVISA. Em urina, a incidência de FB1 foi de 33,4% (n=251), com níveis médios de 3,19 ± 3,15 ng mg-1 de creatinina. Não houve correlação (P>0,05) entre as concentrações de FB1 na urina e nos alimentos. Os níveis de esfinganina foram mais elevados em mulheres, com 25,0% (n=116) de amostras positivas, em comparação à urina de homens, 10,4% (n=96). A relação Sa/So apresentou em média 0,91, 0,77 e 0,89 para urina de mulheres, homens e em combinação, respectivamente. Em soro, os níveis de esfingosina foram em média 2,48 ng mL-1 para o Grupo A e 5,01 ng mL-1 para o Grupo B. A relação Sa/So variou de 0,06 a 3,19 com média de 0,79 para o Grupo A e 0,78 para o Grupo B. Embora tenha havido correlação positiva (r=0,574, P<0,05) entre a relação Sa/So no soro e os dados de consumo de milho e derivados obtidos no QIR-24 h, não foramobservadas correlações (P>0,05) entre a ingestão de FB1 e a relação Sa/So na urina ou soro. A concentração de ácido fólico no soro variou de 6,7 a 24,0 ng mL-1 (média de 13,4 ± 5,4 ng mL-1), com ambos os grupos (A e B) apresentando resultados dentro dos valores de referências. Não foram observados níveis detectáveis de FB1 nas amostras de soro. No entanto, FB1 foi detectada em 4 amostras de cabelo humano (7,2%) dos Grupos A e B, cuja concentração média foi de 21,3 ± 12,1 ng g-1. Em síntese, os resultados obtidos nas análises de biomarcadores de FB1 no presente trabalho estão de acordo com os valores de IDPM encontrados, indicando que a exposição a FB1 nas populações estudadas não representa um risco a saúde
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 25.02.2015
  • Acesso à fonte
    Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BORDIN, Keliani; OLIVEIRA, Carlos Augusto Fernandes de. Avaliação de biomarcadores da exposição humana à fumonisina B1 nos alimentos em municípios dos estados de São Paulo e Santa Catarina, Brasil. 2015.Universidade de São Paulo, Pirassununga, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/74/74132/tde-23042015-140349/ >.
    • APA

      Bordin, K., & Oliveira, C. A. F. de. (2015). Avaliação de biomarcadores da exposição humana à fumonisina B1 nos alimentos em municípios dos estados de São Paulo e Santa Catarina, Brasil. Universidade de São Paulo, Pirassununga. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/74/74132/tde-23042015-140349/
    • NLM

      Bordin K, Oliveira CAF de. Avaliação de biomarcadores da exposição humana à fumonisina B1 nos alimentos em municípios dos estados de São Paulo e Santa Catarina, Brasil [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/74/74132/tde-23042015-140349/
    • Vancouver

      Bordin K, Oliveira CAF de. Avaliação de biomarcadores da exposição humana à fumonisina B1 nos alimentos em municípios dos estados de São Paulo e Santa Catarina, Brasil [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/74/74132/tde-23042015-140349/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2021