Exportar registro bibliográfico


Métricas:

Abuso sexual na infância de mulheres brasileiras (2011)

  • Autores:
  • Autor USP: CASTRO, GABRIELA BRITO DE - FSP
  • Unidade: FSP
  • Sigla do Departamento: HSM
  • DOI: 10.11606/D.6.2011.tde-24042012-134445
  • Assuntos: INFÂNCIA (FEMININO); MAUS-TRATOS SEXUAIS INFANTIS (PREVALÊNCIA); ABUSO SEXUAL (PREVALÊNCIA); MULHERES (ASPECTOS PSICOLÓGICOS)
  • Palavras-chave do autor: Fatores Associados
  • Agências de fomento:
  • Idioma: Português
  • Resumo: INTRODUÇÃO: O Abuso sexual na infância (ASI) tem sido associado a outras formas de violência, bem como a vários desfechos de saúde. Dados acerca do ASI, mesmo subestimados, são elevados, e apontam para estreita relação com questões de gênero. Escassos são os estudos que tratam da prevalência do ASI e ainda mais raros são aqueles sobre fatores associados a esta violência. OBJETIVOS: Estimar a prevalência de ASI entre mulheres brasileiras de áreas rurais e urbanas e analisar fatores associados. MÉTODO: São analisados dados brasileiros oriundos do estudo transversal, multicêntrico em 11 países, coordenado pela Organização Mundial de Saúde. A amostra probabilística brasileira foi representativa e composta por 2.645 mulheres de 15 a 49 anos, residentes no município de São Paulo (SP) e na Zona da Mata de Pernambuco (ZMP) entre 2000 e 2001. Foi realizada análise de regressão logística não condicional para variáveis socioeconômicas, familiares, relacionadas a questões de gênero e à experiência do ASI. Foram estimados os odds ratios (OR) e os respectivos intervalos de confiança (IC95%). Foram propostos dois modelos estatísticos: um com variáveis temporalmente anteriores ou próximas ao ASI para a amostra total e outro sem restrição de temporalidade para SP e para a ZMP. RESULTADOS: A prevalência em SP foi de 7,67% e de 4,68% na ZMP. A violência ocorreu sobretudo entre 12 e 15 anos. O principal agressor foi familiar do sexo masculino de 30 a 39 anos.O abuso ocorreu em múltiplas ocasiões em aproximadamente um terço dos casos. Proporção significativa de mulheres teve sua iniciação sexual forçada, inclusive antes dos 15 anos. No primeiro modelo, variáveis associadas foram: mãe ter sido agredida por companheiro, os pais não morarem juntos ou não saber da violência. No segundo modelo, para SP, foram: abuso sexual após os 15 anos, primeira relação sexual antes dessa idade, uso de medicamentos para dor, tristeza ou sono nas últimas quatro semanas, sofrer violência exclusivamente física por parceiro íntimo e marido/companheiro ter sofrido violência física por familiar na infância. Por outro lado, para ZMP, foram: abuso sexual após os 15 anos, primeira relação sexual antes dessa idade, uso diário de álcool, sofrer violência física, psicológica e sexual combinadas ou violência exclusivamente sexual perpetrada por parceiro íntimo e mãe sofrer violência por parceiro íntimo, a mulher não se lembrar dessa violência ou os pais não morarem juntos. CONCLUSÕES: O primeiro modelo aqui testado, que buscou explorar mais as causas do ASI, indica que o ASI é determinado pela violência contra a mãe da criança. Concluímos que a violência de gênero atinge mulheres adultas e suas filhas. No segundo modelo, voltado a identificar marcadores de risco de ASI retrospectivo, concluo que há muitas variáveis que podem servir para identificar as mulheres que tenham experienciado o ASI, a quem se pode oferecer cuidado psicossocial. Reduzir a prevalência de ASI, elevada em áreas urbanas e rurais brasileiras, requer a interrupção das violências sofridas pela mulher, principalmente por parceiro íntimo em áreas urbanas brasileiras.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.09.2011
  • Acesso à fonteDOI
    Informações sobre o DOI: 10.11606/D.6.2011.tde-24042012-134445 (Fonte: oaDOI API)
    • Este periódico é de acesso aberto
    • Este artigo é de acesso aberto
    • URL de acesso aberto
    • Cor do Acesso Aberto: gold
    • Licença: cc-by-nc-sa

    Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CASTRO, Gabriela Brito de. Abuso sexual na infância de mulheres brasileiras. 2011. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.11606/D.6.2011.tde-24042012-134445. Acesso em: 07 jul. 2022.
    • APA

      Castro, G. B. de. (2011). Abuso sexual na infância de mulheres brasileiras (Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de https://doi.org/10.11606/D.6.2011.tde-24042012-134445
    • NLM

      Castro GB de. Abuso sexual na infância de mulheres brasileiras [Internet]. 2011 ;[citado 2022 jul. 07 ] Available from: https://doi.org/10.11606/D.6.2011.tde-24042012-134445
    • Vancouver

      Castro GB de. Abuso sexual na infância de mulheres brasileiras [Internet]. 2011 ;[citado 2022 jul. 07 ] Available from: https://doi.org/10.11606/D.6.2011.tde-24042012-134445

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2022