Exportar registro bibliográfico

Readequação ao português do Protocolo Montreal-Toulouse versão alpha para avaliação das afasias (2012)

  • Autores:
  • Autores USP: GARCIA, FABIANE COUTO - FMRP
  • Unidades: FMRP
  • Sigla do Departamento: RNP
  • Assuntos: AFASIA (MÉTODOS DE AVALIAÇÃO); LINGUAGEM; TRANSTORNOS DA LINGUAGEM
  • Idioma: Português
  • Resumo: Tema: As pesquisas em avaliação de afasia estão em constante crescimento, especialmente no tange à adequação de testes à realidade sociocultural de um determinado país e à atualização de testes já validados. O Protocolo Montreal-Toulouse de Exame de Afasia versão alpha, Ml-Alpha, é um teste que já foi traduzido e adaptado à população brasileira há quase três décadas e, mesmo embora tenha sofrido críticas após sua adaptação, vem sendo utilizado em todo território nacional. Objetivo: O objetivo da pesquisa foi realizar modificações no Ml-alpha, readequando-o à realidade cultural e linguística da população brasileira e corrigindo falhas já constatadas pela literatura. Método: Primeiramente foram feitas readequações ao Ml-Alpha principalmente em suas figuras, inserido o item de desvios de narrativa na entrevista, criada oposição grafêmica na prova de compreensão escrita de palavras e adequadas algumas palavras e frases ao contexto linguístico brasileiro. Após esse processo foram realizados dois estudos: Estudo I e II. O Estudo I foi um estudo piloto com a participação de 30 sujeitos normais que foram testados com o protocolo readequado a fim de avaliar a eficácia de seu novo formato e receber sugestões para seu aperfeiçoamento pelos participantes da pesquisa. O resultado do Estudo I foi analisado estatisticamente e readequado novamente quando necessário. Posteriormente foi realizado o Estudo II sendo reaplicado em 100 sujeitos normais. Em ambos os estudos, as provas foram aplicadas de acordo com as regras estabelecidas pelo teste e solicitado aos participantes que descrevessem todas as figuras nele contidas. Todos os sujeitos foram divididos em grupos de acordo com o género, faixa etária, classe socioeconômica, nível de escolaridade, hábito de leitura e escrita. Resultados: No Estudo I, mesmo após a readequação do teste, observou-se que a maior parte dos erros ocorreram na provade expressão escrita, bem como no Estudo II. Com a primeira e segunda readequação do teste, houve uma redução significativa para a interpretação de figuras quando comparadas o Estudo I com a literatura e com o Estudo II. Quanto mais baixa a classe socioeconômica e menor o hábito de leitura, mais ocorreram erros na prova de compreensão de frases complexas. Conclusões: Verificou-se que o nível de escolaridade teve grande influência no desempenho dos participantes, sendo estatisticamente significativa para as provas de compreensão oral e escrita e expressão escrita. Comprovou-se que com modificações realizadas no teste e, sobretudo em suas figuras, houve uma melhora no desempenho da população avaliada sem que houvesse perda do objetivo original do mesmo. Contudo, são sugeridos novos estudos para buscar evidências de validade, principalmente em níveis distintos de escolarização
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.12.2012

  • Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GARCIA, Fabiane Couto; TAKAYANAGUI, Osvaldo Massaiti. Readequação ao português do Protocolo Montreal-Toulouse versão alpha para avaliação das afasias. 2012.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2012.
    • APA

      Garcia, F. C., & Takayanagui, O. M. (2012). Readequação ao português do Protocolo Montreal-Toulouse versão alpha para avaliação das afasias. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Garcia FC, Takayanagui OM. Readequação ao português do Protocolo Montreal-Toulouse versão alpha para avaliação das afasias. 2012 ;
    • Vancouver

      Garcia FC, Takayanagui OM. Readequação ao português do Protocolo Montreal-Toulouse versão alpha para avaliação das afasias. 2012 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2020