Exportar registro bibliográfico


Métricas:

Notas sobre a bionomia de Tetragonisca weyrauchi Schwarz, 1943 (Apidae, Meliponini) (2003)

  • Autores:
  • Autores USP: NOGUEIRA NETO, PAULO - IB
  • Unidades: IB
  • DOI: 10.1590/s0044-59672003000400011
  • Assuntos: ABELHAS; APIDAE
  • Idioma: Português
  • Resumo: No Brasil, a abelha sem ferrão, Tetragonisca weyrauchi tem sua distribuição restrita à região Amazônica. Constrói ninhos apereos freqüentemente em forquilhas inclinadas de árvores. Os ninhos, cilindróides e verticais, medem cerca de 60cm de circunferência na parte mais larga e 35 cm de altura. A cobertura é de uma película fina e maleável com diferentes consistências. A maioria dos ninhos apresenta, na parte superior, um prolongamento com várias protuberâncias e aberturas, ou só aberturas, com diâmetros milimétricos variáveis ao longo do dia, denominado aqui de respiráculo. A morfologia do ninho, com a porta na parte inferior e o respiráculo na parte superior, parece estar bem adaptada ao ambiente tropical em que se encontra. As média das temperaturas internas de um ninho habitado e outro vazio acompanharam as flutuações ambientais com alto valor de correlação (r=0,98). Os resultados sugerem que a estrutura física do ninho seria responsável por uma pequena parcela na retenção da energia calorífera. Se existe termorregulação, ela deve ser mais evidente acima dos '33 GRAUS' C ambientais, temperatura onde ocorreu tendência de estabilidade. A grande quantidade de lamelas de cerume ao redor dos favos de cria horizontais, o tamanho dos potes ovóides de alimento ao redor de 1-2 cm de altura, a porcentagem de água no mel ao redor de 27,6%, o aspecto do tubo de entrada com pequenos orifícios, os valores de temperatura em que ocorre a abertura desse tubopela manhã, entre '21-23 GRAUS' C, e as coletas de néctar, predominantemente em Myrtacea, fazem com que seja atribuída grande semelhança física e comportamental entre T. weyrauchi e T. angustula. Os ninhos se adaptam bem em colônias tipo Paulo Nogueira-Neto. São abelhas agressivas quando manuseadas. Estima-se que seus ninhos tenham população de 2000-3000 indivíduos
  • Imprenta:
  • Fonte:
  • DOI
    Informações sobre o DOI: 10.1590/s0044-59672003000400011 (Fonte: oaDOI API)
    • Este periódico é de acesso aberto
    • Este artigo é de acesso aberto
    • URL de acesso aberto
    • Cor do Acesso Aberto: gold
    • Licença: cc-by-nc

    Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CORTOPASSI-LAURINO, Marilda; NOGUEIRA-NETO, Paulo. Notas sobre a bionomia de Tetragonisca weyrauchi Schwarz, 1943 (Apidae, Meliponini). Acta Amazonica, Manaus, v. 33, n. 4, p. 643-650, 2003. DOI: 10.1590/s0044-59672003000400011.
    • APA

      Cortopassi-Laurino, M., & Nogueira-Neto, P. (2003). Notas sobre a bionomia de Tetragonisca weyrauchi Schwarz, 1943 (Apidae, Meliponini). Acta Amazonica, 33( 4), 643-650. doi:10.1590/s0044-59672003000400011
    • NLM

      Cortopassi-Laurino M, Nogueira-Neto P. Notas sobre a bionomia de Tetragonisca weyrauchi Schwarz, 1943 (Apidae, Meliponini). Acta Amazonica. 2003 ; 33( 4): 643-650.
    • Vancouver

      Cortopassi-Laurino M, Nogueira-Neto P. Notas sobre a bionomia de Tetragonisca weyrauchi Schwarz, 1943 (Apidae, Meliponini). Acta Amazonica. 2003 ; 33( 4): 643-650.


Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2020