Exportar registro bibliográfico

Metrópole sem metrô: transporte público, rodoviarismo e populismo em São Paulo (1955-1965) (2004)

  • Autores:
  • Autor USP: LAGONEGRO, MARCO AURELIO - FAU
  • Unidade: FAU
  • Sigla do Departamento: AUH
  • Assuntos: METRÔ; TRANSPORTE PÚBLICO; PLANEJAMENTO TERRITORIAL URBANO
  • Idioma: Português
  • Resumo: A tese aborda como a questão metroviária paulistana inseriu-se na agenda da Municipalidade entre 1955 e 65, sob as perspectivas urbanística e sócio-política conjugadas, considerando conflitos técnico-políticos, origens, desdobramentos e iniciativas de solucioná-los na prática construindo-se a primeira linha do metrô. Abrange o lapso temporal de 1898 a 1975, centrado na "vida institucional" do Ante-projeto de um Sistema de Transporte Rápido para São Paulo (1955-1965) elaborado pela Comissão do Metropolitano da PMSP presidida por Francisco Prestes Maia e nas motivações eleitorais do populismo no período. Problemas de circulação e transportes durante a formação da metrópole paulistana motivaram as primeiras propostas de transporte rápido. Seu agravamento obrigou o Estado a intervir, com a PMSP tomando medidas aparentemente práticas em 1955 e a reconhecer em 1975 a magnitude dos problemas urbanísticos resultantes de quase oitenta anos de omissão a esse respeito.) Complementarmente, o Ante-projeto foi analisado à luz de diferentes concepções de "cidade" defendidas para São Paulo por "correntes" de pensamento urbanístico conflitantes, polarizadas pelos técnicos Prestes Maia, Luiz Ignácio Romeiro de Anhaia Mello e pelo político de carreira Adhemar Pereira de Barros, as quais revelaram a existência de grupos sócio-econômicos postos em conflito político por livre comércio ou protecionismo entre as décadas de 1920 e 50, quando da passagem do país peloprocesso de substituição do modelo civilizatório da Europa pelos Estados Unidos. Ao fundo tem-se a difusão e a gradativa institucionalização do rodoviarismo urbano a partir da década de 1910 com Washington Luiz, Vargas e Adhemar. Em 1956 chegou-se ao paradoxo da apresentação de uma proposta ferroviária de transporte coletivo de massas no momento em que a economia brasileira dava um importante salto qualitativo, com a implantação de uma indústria automobilística brasileira centrada ideologicamente no transporte individual urbano e no atendimento preferencial à demandas de transporte na agro-exportação
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.03.2004

  • Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LAGONEGRO, Marco Aurélio; SZMRECSANYI, Maria Irene de Queiroz Ferreira. Metrópole sem metrô: transporte público, rodoviarismo e populismo em São Paulo (1955-1965). 2004.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.
    • APA

      Lagonegro, M. A., & Szmrecsanyi, M. I. de Q. F. (2004). Metrópole sem metrô: transporte público, rodoviarismo e populismo em São Paulo (1955-1965). Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Lagonegro MA, Szmrecsanyi MI de QF. Metrópole sem metrô: transporte público, rodoviarismo e populismo em São Paulo (1955-1965). 2004 ;
    • Vancouver

      Lagonegro MA, Szmrecsanyi MI de QF. Metrópole sem metrô: transporte público, rodoviarismo e populismo em São Paulo (1955-1965). 2004 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2020