Exportar registro bibliográfico

A perceção de mulheres sobre a assistência recebida em seu processo de ser mãe: um cenário de bons e maus-tratos (2003)

  • Autores:
  • Autor USP: GOTARDO, GLORIA INES BEAL - ENFERM
  • Unidade: ENFERM
  • Sigla do Departamento: ENP
  • Assuntos: EFEITOS PSICO-SOCIAIS DA DOENÇA; PERCEPÇÃO; ASSISTÊNCIA À SAÚDE (QUALIDADE); RELAÇÕES PROFISSIONAL-PACIENTE
  • Idioma: Português
  • Resumo: O modelo assistencial vigente dispensado à mulher, em seu processo de ser mãe, caracteriza-se pela prioridade aos aspectos biológicos e desvios da normalidade clínica e obstétrica. Questionamos se essa maneira de assistir atende às demandas integrais da mulher que vivencia tal processo. Assim sendo, o objetivo do estudo foi compreender as percepções da mulher sobre a assistência de enfermagem que atende a suas demandas no processo de ser mãe. Aplicou-se a Técnica Projetiva de Desenho e Estória de Trinca, em que solicitou-se à participante do estudo que fizesse um desenho o qual retratasse a assistência recebida e contasse uma história sobre ele, a qual foi gravada e constituiu o material empírico desta pesquisa. As histórias foram organizadas, segundo o método de elaboração do Discurso do Sujeito Coletivo, e analisadas à luz do Modelo de Relacionamento Humano proposto por Hagerty, Linchar-Sauer, Patusky, e Bouwsema. Participaram 13 mães internadas no Instituto Fernandes Figueira - Fundação Osvaldo Cruz, no município do Rio de Janeiro. Da análise, apreenderam-se cinco Discursos do Sujeito Coletivo: 1. Sendo bem tratada. 2. Porque os profissionais tratam bem. 3. Sendo maltratada. 4. Porque os profissionais tratam mal. 5. Sentindo-se dependente. Por meio desses discursos, mostra-se a fragilidade e inconsistência de uma assistência à mulher, no seu processo de ser mãe, centrada em rotinas e perspectivas individuais dos profissionais. Nesse contexto, a mulhersente-se à mercê da boa vontade e da competência pessoal do profissional de estabelecer um relacionamento com ela, que permita a promoção de seu bem-estar. Dessa forma, dependendo dos profissionais com os quais interage, a mulher percebe-se em um cenário em que se alterna aos extremos de sentir-se bem tratada ou maltratada. Seus discursos denunciam a ausência de metas comuns e de um referencial que dê diretrizes para uma assistência e atuação profissional ) voltadas para a promoção da saúde materna e saúde infantil
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.12.2003

  • Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GOTARDO, Glória Inês Beal; SILVA, Isília Aparecida. A perceção de mulheres sobre a assistência recebida em seu processo de ser mãe: um cenário de bons e maus-tratos. 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
    • APA

      Gotardo, G. I. B., & Silva, I. A. (2003). A perceção de mulheres sobre a assistência recebida em seu processo de ser mãe: um cenário de bons e maus-tratos. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Gotardo GIB, Silva IA. A perceção de mulheres sobre a assistência recebida em seu processo de ser mãe: um cenário de bons e maus-tratos. 2003 ;
    • Vancouver

      Gotardo GIB, Silva IA. A perceção de mulheres sobre a assistência recebida em seu processo de ser mãe: um cenário de bons e maus-tratos. 2003 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2021