Exportar registro bibliográfico

Sistema pedológico latossolo-argissolo e seu comportamento físico-hídrico em Mamborê, PR (2000)

  • Autores:
  • Autor USP: ZAGO, ARI - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLG
  • Assuntos: GEOGRAFIA FÍSICA; GEOGRAFIA; PEDOLOGIA
  • Idioma: Português
  • Resumo: Este trabalho foi desenvolvido na região do NW, do Paraná, na vertente esquerda do Córrego do Pensamento microbacia representativa da região, tanto em termos de solos, como de histórico de uso. Os manejos inadequados, que promoveram a perda de fertilidade e a conseqüente erosão, estavam ligados às práticas conservacionistas tradicionais, que não levaram em conta a sucessão lateral de LATOSSOLOS para ARGISSOLOS. Esta pesquisa partiu de um estudo em toposseqüência, em que o "continuum" de cobertura pedológica foi observado, seguido do estudo macro e micromorfológico de dois perfis (LATOSSOLO-ARGISSOLO) e foi acompanhado de análises rotineiras de laboratório, bem como em campo (tensiometria e infiltrometria), onde a instalação dos equipamentos foi feita, em função da referida sucessão lateral, em cinco estações. Os resultados físicos, físico-hídricos de laboratório e as observações de campo permitiram constatar que ocorreu e, ainda ocorre, uma transformação pedológica lateral de jusante à montante, no desenvolvimento do ARGISSOLO, adentrando, já, na meia encosta, às expensas dos LATOSSOLOS. As caracterizações macro e micromorfológicas demonstraram um desenvolvimento de macro estrutura fraca à moderada e, também, uma microestrutura enáulica, no LATOSSOLO, com porosidade de empilhamento simples e comunicante. Isso favorece a infiltração de água e escoamento lateral, os quais promoveram a remoção superficial e o transporte de materiais finos, em suspensão esolução, sobretudo o de argila, o de ferro e o de matéria orgânica, dando origem, na vertente, aos horizontes e superficiais arenosos com uma macroestrutura fraca, granular, ou em blocos e com uma microestrutura mônica a quito-gefúrica, por concentração residual de areia - e a formação de horizontes Bt texturais - em subsuperfície com mais argila, porque ainda não a perderam, nem por iluviação ligados a outros processos, possivelmente um adensamento resultante ) de umectação/dessecação, o que promoveu a formação de macroestrutura em blocos, e microestruturas porfíricas, com porosidade fissural e cavitária. Constataram-se fluxos hídricos verticais, nos LATOSSOLOS e, a ocorrência de uma camada compactada, ou endurecida, logo após a superfície. Esses fatos confirmam a hipótese inicial. Da meia encosta à jusante, nos ARGISSOLOS, predominaram fluxos hídricos laterais, como conseqüência das mudanças texturais, das estruturais e de dados físicos diferentes, nos horizontes E e Bt. Esses fluxos redistribuíram as águas, ao longo da vertente e propiciaram um lençol suspenso temporário, no ARGISSSOLO, entre os horizontes E e Bt, durante a estação chuvosa. A determinação da macroporosidade, para solos arenosos, variou, numa tensão equivalente, entre 25 a 50 cm de altura de água. Os resultados sugerem que, para esses solos, 40 cm seja a altura ideal. Em síntese, pode-se dizer que os dados obtidos revelaram que a morfologia, diferenciada vertical elateral, da maior parte do Sistema Pedológico, com comportamento físico-hídrico diferenciado, necessita de manejo apropriado. Esse manejo não pode estar associado a práticas uniformes, para toda a vertente, pois há necessidade de controlar os fluxos laterais subsuperficiais. Deve-se salientar que, para retirar a água em subsuperfície, necessita-se de obra de engenharia, onerosa e fora do alcance dos pequenos produtores. Para tanto, sugere-se que, por intermédio de projetos em microbacias hidrográficas, em nível municipal ou estadual, esses aspectos sejam resolvidos com tecnologias mais acessíveis. O maior problema, atualmente, tem sido que os agricultores da região, estão dando o mesmo uso para a terra, sem considerar o comportamento morfológico e o comportamento hídrico global, sobretudo lateral das vertentes. Assim, recomenda-se um plano de uso e manejo, para a terra, com previsão de rotação de culturas e pousio, ) pelo menos de 8 anos, para aquelas áreas com culturas anuais. Recomenda-se subdividir as áreas que serão pastoreadas e manter sempre as áreas de risco - àquelas onde os animais permanecem nos períodos adversos ao pastoreio -, ou seja, nos períodos de umidade, de frios, de secas, etc. O homem, em particular os agricultores, têm que conhecer melhor o solo, para depois utilizá-lo, sem causar problemas ao ecossistema e para manter a durabilidade de uso das terras (agrossistema), para as futuras gerações
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.06.2000

  • Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ZAGO, Ari; CASTRO, Selma Simões de. Sistema pedológico latossolo-argissolo e seu comportamento físico-hídrico em Mamborê, PR. 2000.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.
    • APA

      Zago, A., & Castro, S. S. de. (2000). Sistema pedológico latossolo-argissolo e seu comportamento físico-hídrico em Mamborê, PR. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Zago A, Castro SS de. Sistema pedológico latossolo-argissolo e seu comportamento físico-hídrico em Mamborê, PR. 2000 ;
    • Vancouver

      Zago A, Castro SS de. Sistema pedológico latossolo-argissolo e seu comportamento físico-hídrico em Mamborê, PR. 2000 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2021