Exportar registro bibliográfico

Avaliação das atividades anticrotálica e antitumoral das frações do extrato aquoso da planta "Tabernaemontana Catharinensis" A.DC. (Apocynaceae) (1999)

  • Autores:
  • Autor USP: ALMEIDA, LUCILENE DE - FCFRP
  • Unidade: FCFRP
  • Sigla do Departamento: 602
  • Assunto: FARMÁCIA
  • Idioma: Português
  • Resumo: No Brasil, cerca de 20.000 acidentes ofídicos ocorrem por ano em humanos, dos quais 10% são causados pela espécie Crotalus durissus. A elevada mortalidade da peçonha de Crotalus durisus terrificus é devido a crotoxina que atua na junção neuromuscular, inibindo o mecanismo mediador de liberação de acetilcolina (Ach), levando às paralisias motora e respiratória, a conseqüentemente à morte do animal. A busca de antídotos contra picadas de serpentes a partir de plantas usadas na medicina folclórica tem sido estudada e a veracidade da ação farmacológica de algumas espécies no Brasil tem sido investigada. Foi demonstrado que o extrato aquoso de Tabemaemontana catharinensis A. DC. tem capacidade de inibir a atividade letal provocada pelo veneno de Crotalus durissus terrificus. O presente trabalho teve como objetivos fracionar o extrato aquoso bruto de Tabemaemontana catharinensis a avaliar a ação destas frações quanto às atividades anticrotálica a antitumoral. O fracionamento do extrato aquoso foi realizado em gel de Sephadex G-10, sendo obtidas 8 frações designadas de Pi a Pv111 as quais foram utilizadas nos ensaios de letalidade a de citotoxicidade. A DLso (i.m., ratos wistar, albinos, machos, peso entre 90 a 110g) da crotoxina no volume final de 100gL de solução salina foi de 100pg de proteína/100g rato/50gL ss (p<0,05 : 92,31 a 107,92 ug proteína/100g rato/50gL ss). A dose de 2,0mg da fração Pv11/100g rato/50gL ss injetada (i.m.) 20 segundos após oveneno a/ou crotoxina (50gL ss, i.m.) neutralizou a atividade letal de 2DLSp tanto do veneno como da crotoxina. A fração P. mostrou habilidade citotóxica de 66,25% sobre as células tumorais SK-BR-3 na concentração de 5,0mg/ml, a fração Pv, 63,99% a 50,47% nas concentraçòes de 5,0 a 2,5mg/mL, respectivamente e a fração Pv, 68,10% e 50,57% nas cocnentrações de 5,0 a 2,5mg/mL., respectivamente. A análise da cromatografia em camada delgada demonstrou que as frações ) responsáveis pelas atividades antiofídica a antitumoral são distintas a que a fração responsável pela atividade antiofídica é diferente das frações com habilidade citotóxica
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 21.12.1999

  • Como citar
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ALMEIDA, Lucilene de; SAMPAIO, Suely Vilela. Avaliação das atividades anticrotálica e antitumoral das frações do extrato aquoso da planta "Tabernaemontana Catharinensis" A.DC. (Apocynaceae). 1999.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1999.
    • APA

      Almeida, L. de, & Sampaio, S. V. (1999). Avaliação das atividades anticrotálica e antitumoral das frações do extrato aquoso da planta "Tabernaemontana Catharinensis" A.DC. (Apocynaceae). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Almeida L de, Sampaio SV. Avaliação das atividades anticrotálica e antitumoral das frações do extrato aquoso da planta "Tabernaemontana Catharinensis" A.DC. (Apocynaceae). 1999 ;
    • Vancouver

      Almeida L de, Sampaio SV. Avaliação das atividades anticrotálica e antitumoral das frações do extrato aquoso da planta "Tabernaemontana Catharinensis" A.DC. (Apocynaceae). 1999 ;


Biblioteca Digital de Produção Intelectual da Universidade de São Paulo     2012 - 2021