Exportar registro bibliográfico

Da biopolítica à necrogovernamentalidade: um estudo sobre os dispositivos de desaparecimento no Brasil (2018)

  • Authors:
  • Autor USP: FRANCO, FÁBIO LUÍS FERREIRA NOBREGA - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Subjects: FILOSOFIA POLÍTICA; DITADURA; MORTE CIVIL; OCULTAÇÃO DE CADÁVER; TRISTEZA
  • Keywords: Biopolítica; Biopolitics; Desaparecimento; Disappearance; Necrogovernamentalidade; Necrogovernmentality; Necropolítica; Necropolitics
  • Agências de fomento:
  • Language: Português
  • Abstract: O fio condutor desta tese é o caso de uma vala clandestina, oficialmente descoberta, em 1990, no Cemitério Dom Bosco, no bairro de Perus, em São Paulo, no qual foram encontrados mais de 1500 sacos plásticos contendo remanescentes mortais humanos, alguns deles identificados como sendo de desaparecidos políticos executados pela ditadura brasileira. A partir desse caso, a tese realiza um duplo movimento: primeiramente, trata-se de mostrar os limites das elaborações de Foucault, Esposito e Agamben para a compreensão da vala clandestina de Perus. Mais fecundas para isso se revelam as teorias do sociólogo camaronês Achille Mbembe sobre a especificidade das relações entre poder e morte nas regiões coloniais, imperiais e neocoloniais, nas quais ele identifica a existência da necropolítica, isto é, de um poder que produz morte e cria condições mortíferas para subordinar populações. Simultaneamente, o segundo movimento que realiza a tese consiste em explorar as contribuições que a análise do caso da vala de Perus, em particular, e dos dispositivos desaparecedores, em geral, oferecem para a complementação das teorias de Mbembe. Com efeito, esses dispositivos, dentre os quais os sepultamentos clandestinos ocupam um lugar importante, resultados, no Brasil, da associação entre diversos mecanismos de desaparecimento na ditadura militar, revelam um aspecto da necropolítica pouco explorado por Mbembe e que chamamos de necrogovernamentalidade. Com esse termo, queremos chamar a atenção para ofato de que a necropolítica, como mostram os dispositivos desaparecedores, não apenas utiliza da maximização das condições mortíferas para governar, como se ocupa, também, dos processos post-mortem, isto é, da administração dos corpos, dos rituais fúnebres, das rotinas burocráticas da morte e da gestão do luto. Assim, explicita-se o nexo entre necropolítica e subjetivação, pois, como novamente revelam os dispositivos desaparecedores, a necrogovernamentalidade, ao distribuir de maneira desigual a possibilidade de prantear publicamente as mortes, induz a generalização de formas de subjetividade melancólicas e, por isso, submetidas à dominação
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 24.05.2018
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FRANCO, Fábio Luís Ferreira Nobrega; SAFATLE, Vladimir Pinheiro. Da biopolítica à necrogovernamentalidade: um estudo sobre os dispositivos de desaparecimento no Brasil. 2018.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-25022019-112250/ >.
    • APA

      Franco, F. L. F. N., & Safatle, V. P. (2018). Da biopolítica à necrogovernamentalidade: um estudo sobre os dispositivos de desaparecimento no Brasil. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-25022019-112250/
    • NLM

      Franco FLFN, Safatle VP. Da biopolítica à necrogovernamentalidade: um estudo sobre os dispositivos de desaparecimento no Brasil [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-25022019-112250/
    • Vancouver

      Franco FLFN, Safatle VP. Da biopolítica à necrogovernamentalidade: um estudo sobre os dispositivos de desaparecimento no Brasil [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-25022019-112250/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021