Exportar registro bibliográfico


Metrics:

Violência doméstica contra a mulher: representações e práticas do agente comunitário de saúde (2018)

  • Authors:
  • Autor USP: JACINTO, ADRIANA MIRANDA FERREIRA LEITE - FSP
  • Unidade: FSP
  • Sigla do Departamento: HSP
  • DOI: 10.11606/D.6.2018.tde-15082018-154651
  • Subjects: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS; ANÁLISE DE CONTEÚDO; PERCEPÇÃO SOCIAL; GRUPOS FOCAIS; GÊNEROS (GRUPOS SOCIAIS); VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER; VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
  • Keywords: Agente Comunitário de Saúde; Gênero
  • Agências de fomento:
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução - Esta pesquisa discute o papel do agente comunitário de saúde (ACS) na identificação dos casos de violência doméstica contra a mulher, considerando sua dimensão e alcance nas relações humanas e os aspectos que contribuíram para sua invisibilidade ao longo da história, além dos prejuízos à saúde e qualidade de vida dos indivíduos, tornando-se um problema de saúde pública. Postula-se que o estudo das representações sociais deste profissional venha a favorecer a efetividade das ações e intervenções da equipe de saúde da família. Objetivo - conhecer e problematizar as representações do ACS sobre a violência doméstica contra a mulher. Método - Convidamos a participar da pesquisa todos os agentes comunitários de saúde das cinco Unidades de Saúde da Família do município de Jundiaí. Foram realizados cinco grupos focais e, para análise das representações sociais, utilizou-se a técnica de Análise de Conteúdo de Bardin. Resultados - As representações dos agentes comunitários quanto ao aspecto privado e particular das relações, bem como a responsabilização da mulher pela compreensão de sua autonomia para romper com o ciclo de violência, despontaram como aspectos desfavoráveis para a reflexão nas questões de gênero, assim como para a elaboração das ações pelos serviços de saúde. A assimilação dessas representações refletiu, inclusive, no distanciamento dos agentes comunitários do contexto de violência contra a mulher, já que para esses profissionais,o limite entre a esfera pública e privada não deve ser ultrapassada sem permissão, consentimento ou pedido de ajuda da mulher. Outros aspectos, como a confusão entre notificação e denúncia, o descrédito na Lei Maria da Penha, o medo de exposição e retaliação na pós-denúncia, a insegurança quanto ao sigilo e a ética dos profissionais de Segurança Pública produziram nos agentes comunitários o desinteresse pela notificação compulsória e a resistência tanto à realização da denúncia, bem como à orientação da mulher a fazer o boletim de ocorrência. Conclusão - Levando-se em consideração a complexidade do problema, aponta-se para a capacitação dos agentes comunitários e demais profissionais da equipe de saúde em uma perspectiva direcionada à abordagem das violências. Entende-se, no entanto, que a formação desses profissionais não pode ser pensada à parte de um contexto adverso de organização do serviço, que envolve a terceirização, a precarização e a rotina de trabalho estressante voltada para metas. Logo, não é apenas a capacitação do profissional que irá resolver essa questão, mas a consideração de outros elementos como o engajamento da Saúde na transformação da cultura, principalmente o que concerne às representações de gênero. Dessa forma, a saúde poderá contribuir para práticas transformadoras, viabilizando a discussão em articulação com os movimentos sociais e a sociedade sobre essa possibilidade de mudança.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.07.2018
  • Acesso à fonteDOI
    Informações sobre o DOI: 10.11606/D.6.2018.tde-15082018-154651 (Fonte: oaDOI API)
    • Este periódico é de acesso aberto
    • Este artigo é de acesso aberto
    • URL de acesso aberto
    • Cor do Acesso Aberto: gold

    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      JACINTO, Adriana Miranda Ferreira Leite; AKERMAN, Marco. Violência doméstica contra a mulher: representações e práticas do agente comunitário de saúde. 2018.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Disponível em: < https://doi.org/10.11606/D.6.2018.tde-15082018-154651 > DOI: 10.11606/D.6.2018.tde-15082018-154651.
    • APA

      Jacinto, A. M. F. L., & Akerman, M. (2018). Violência doméstica contra a mulher: representações e práticas do agente comunitário de saúde. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de https://doi.org/10.11606/D.6.2018.tde-15082018-154651
    • NLM

      Jacinto AMFL, Akerman M. Violência doméstica contra a mulher: representações e práticas do agente comunitário de saúde [Internet]. 2018 ;Available from: https://doi.org/10.11606/D.6.2018.tde-15082018-154651
    • Vancouver

      Jacinto AMFL, Akerman M. Violência doméstica contra a mulher: representações e práticas do agente comunitário de saúde [Internet]. 2018 ;Available from: https://doi.org/10.11606/D.6.2018.tde-15082018-154651

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021