Exportar registro bibliográfico

Prevalência e fatores associados do fenótipo "obesidade metabolicamente benigna" em uma população de adolescentes obesos atendidos na Liga de Obesidade Infantil HC-FMUSP (2018)

  • Authors:
  • USP affiliated author: MARRA, NIVEA FAZANARO - FM
  • School: FM
  • Sigla do Departamento: MPR
  • Subjects: OBESIDADE; ADOLESCENTES; FENÓTIPOS; SÍNDROME X METABÓLICA; RESISTÊNCIA À INSULINA; PREVALÊNCIA
  • Keywords: Adolescents; Anthropometric-metabolic phenotype; Fenótipo antropométrico-metabólico; Insulin resistance; Metabolic syndrome; Obesity; Prevalence
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: O Índice de Massa Corporal (IMC) possui limitações para avaliação dos riscos à saúde; a literatura propõe que este índice seja utilizado associado a medidas metabólicas, recomendando-se a classificação em fenótipos antropométrico-metabólicos. A avaliação da resistência à insulina periférica tem sido apontada como fator importante para identificar os fenótipos metabólicos desfavoráveis, porém este marcador não é comumente considerado nas definições do fenótipo de obesidade metabolicamente benigna. Estudos de prevalência deste fenótipo relatam estimativas heterogêneas dependendo dos critérios de definição. Estes estudos trazem contribuições relevantes para a compreensão das repercussões desse fenótipo no tratamento, no planejamento de serviços de saúde e no entendimento da epidemiologia da obesidade e suas diferentes manifestações. Objetivo: Investigar o impacto da resistência à insulina nas estimativas de prevalência do fenótipo obesidade metabolicamente benigna em adolescentes obesos que buscaram tratamento. Metodologia: Estudo transversal com base em dados secundários sobre 418 adolescentes obesos que foram atendidos na Liga de Obesidade Infantil do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo entre janeiro de 2009 e dezembro de 2013. Duas definições foram adotadas para classificar os adolescentes nos fenótipos "metabolicamente benigno" e "metabolicamente adverso". A primeira se baseou nos valores propostos pelo International Diabetes Federation paradiagnosticar síndrome metabólica em crianças e adolescentes. Na segunda acrescentou-se medida de resistência à insulina determinada pelo Homeostasic Model Assessment of Insulin Resistance (HOMA-IR). O valor de corte adotado para o HOMA-IR foi de 3,16. A análise descritiva incluiu a distribuição das frequências absoluta e relativa das variáveis independentes sexo, idade, cor de pele, estadio puberal e escore Z para IMC (Z-IMC). A prevalência de obesidade metabolicamente benigna foi calculada com intervalo de 95% de confiança (IC 95%) e o teste X², com nível de significância de 5%, foi utilizado para avaliar as associações entre as variáveis de exposição e o desfecho. As mesmas análises foram feitas para ambas definições. Aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas (Número do Processo: 1.230.024). Resultados: Dos 418 participantes, 217 (52%) eram do sexo feminino. A média de idade foi de 13 anos (± 2) e de Z-IMC 3,2 (± 0,5). Metade dos participantes estavam em fase puberal e 39% pós-puberal segundo a escala de Tanner. A prevalência do fenótipo metabolicamente benigno foi de 43% (IC 95%, 38 - 48%) pela definição I e 13% (IC 95%, 9 - 16%) pela definição II. Nas análises multivariadas segundo a definição I, o sexo masculino [razão de prevalência (RP) ajustada 0,32 IC 95% 0,16 - 0,62], o estadio púbere (RP ajustada, 0,24; IC 95%, 0,14 - 0,43) e obesidade severa (RP ajustada, 0,40; IC 95%, 0,16 - 0,62), foram associados de forma independente e significativa com a menor prevalência de OMB.Quando a definição II foi aplicada, foram observados resultados semelhantes de estadio púbere (RP ajustada, 0,34; IC 95%, 0,19 - 0,59) e obesidade severa (RP ajustada, 0,39; IC 95%, 0,20 - 0,79), mas sexo masculino (RP ajustada, 0,63; IC 95%, 0,32 - 1,23) não se mostrou significante na associação com a menor prevalência de OMB. Nenhuma associação entre o fenótipo OMB e a variável cor de pele foi encontrada. Conclusão: Inclusão de medida de resistência à insulina nos critérios de definição da obesidade metabolicamente benigna nessa população levou à expressiva diminuição da prevalência deste fenótipo. Resistência à insulina pode ser um importante marcador da repercussão negativa da obesidade na saúde desses adolescentes
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 12.06.2018
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MARRA, Nivea Fazanaro; TESS, Beatriz Helena Carvalho. Prevalência e fatores associados do fenótipo "obesidade metabolicamente benigna" em uma população de adolescentes obesos atendidos na Liga de Obesidade Infantil HC-FMUSP. 2018.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5137/tde-28092018-083856/ >.
    • APA

      Marra, N. F., & Tess, B. H. C. (2018). Prevalência e fatores associados do fenótipo "obesidade metabolicamente benigna" em uma população de adolescentes obesos atendidos na Liga de Obesidade Infantil HC-FMUSP. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5137/tde-28092018-083856/
    • NLM

      Marra NF, Tess BHC. Prevalência e fatores associados do fenótipo "obesidade metabolicamente benigna" em uma população de adolescentes obesos atendidos na Liga de Obesidade Infantil HC-FMUSP [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5137/tde-28092018-083856/
    • Vancouver

      Marra NF, Tess BHC. Prevalência e fatores associados do fenótipo "obesidade metabolicamente benigna" em uma população de adolescentes obesos atendidos na Liga de Obesidade Infantil HC-FMUSP [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5137/tde-28092018-083856/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2022