Exportar registro bibliográfico

Entre a negação do manicômio e a afirmação de um modelo comunitário: fabricando formas de luta (2017)

  • Authors:
  • Autor USP: NADER, ANDRé RICARDO - IP
  • Unidade: IP
  • Sigla do Departamento: PSA
  • Subjects: MOVIMENTOS SOCIAIS; REFORMA PSIQUIÁTRICA; INSTITUIÇÕES DE SAÚDE; PSICANÁLISE
  • Language: Português
  • Abstract: O presente trabalho decorre do questionamento sobre a percepção, os discursos e as práticas relativos à loucura no contexto brasileiro de Reforma Psiquiátrica, defendendo a hipótese de que haveria entraves na relação entre aqueles que se aliam ao pensamento antimanicomial e os sujeitos ditos loucos: entraves sustentados por um paradigma clínicopolítico que visamos investigar. A racionalidade que organiza esse paradigma é objeto de análise desta pesquisa, cuja intenção é recuperar as noções de movimento e abertura implicadas na proposição central da reforma psiquiátrica brasileira por uma sociedade sem manicômios , aliando-a à ideia de comunidade que vem. Para tanto, apresentamos e discutimos elementos que compõem e delimitam o pensamento antimanicomial: seus fundamentos, suas narrativas e suas práticas suas formas de luta. Desta análise se observa que a negação do manicômio e a afirmação de um modelo comunitário de atenção em saúde mental, aspectos fundamentais da luta antimanicomial, articulam-se, oferecendo contornos a um pensamento que engendra formas específicas de relação com a loucura. Essa articulação fabrica também fronteiras: limites claros e precisos que distinguem um ideal de comunidade inclusiva de uma sociedade que marginaliza a loucura. A delimitação e o reconhecimento dessas divisas são estratégias importantes, pois permitem visibilizar e tornar pública a violência, os maus-tratos e a exclusão da lógica manicomial, conquistando, assim, o apoio social para aluta. Ao mesmo tempo, trava-se um segundo combate relativo às fronteiras, desta vez em sentido inverso: o confronto é pela dissolução dos limites, pela abolição dos muros reais e simbólicos que segregam a loucura. É nesse desenhar e apagar de linhas que se constituiria uma sociedade sem manicômios. O campo de batalha deste trabalho, enfim, localiza-se também nessas divisas, tendo como objetivo, no lugar de apagá-las ou garantir sua configuração, movimentá-las: muros, fronteiras ou limites, além de aprisionar ou segregar, acolhem, escondem e protegem; ademais, ainda que pareçam claras e precisas, são linhas descontínuas e abertas contêm furos, movimentam-se e produzem movimentos. É nessa mudança de perspectiva que buscamos mobilizar as fronteiras que vêm definindo nossas lutas, nossos ideais de comunidade e nossos modos de relação com a loucura, a fim de romper com suas formas totais
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 07.12.2017
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      NADER, André Ricardo; MACHADO, Adriana Marcondes. Entre a negação do manicômio e a afirmação de um modelo comunitário: fabricando formas de luta. 2017.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-22052018-174101/ >.
    • APA

      Nader, A. R., & Machado, A. M. (2017). Entre a negação do manicômio e a afirmação de um modelo comunitário: fabricando formas de luta. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-22052018-174101/
    • NLM

      Nader AR, Machado AM. Entre a negação do manicômio e a afirmação de um modelo comunitário: fabricando formas de luta [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-22052018-174101/
    • Vancouver

      Nader AR, Machado AM. Entre a negação do manicômio e a afirmação de um modelo comunitário: fabricando formas de luta [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-22052018-174101/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021