Exportar registro bibliográfico

Aspectos da glotalização na língua Dâw: um estudo de fonética experimental (2017)

  • Authors:
  • Autor USP: BARBOZA, LUCAS CAVALINI - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLL
  • Subjects: LÍNGUAS INDÍGENAS; FONAÇÃO; FONÉTICA ACÚSTICA; FONOLOGIA
  • Keywords: Dâw; Fonação rangeada; Glotalização; Glottalization; Harsh voice; Nadahup; Nadahup; Phonation types; Tipos de fonação
  • Language: Português
  • Abstract: Esta dissertação analisa alguns aspectos fonéticos e fonológicos das consoantes glotalizadas da língua Dâw. Argumenta-se a favor da proposta de que, na língua Dâw, a glotalização é uma propriedade segmental e distintiva, conforme descrito por Martins (2004), restrita à classe das consoantes soantes. Observa-se mais de uma forma fonética nas consoantes glotalizadas, que incluem, sobretudo, fonação rangeada e voz áspera (ESLING; HARRIS, 2003). Quando comparadas às consoantes simples equivalentes, as consoantes glotalizadas são, em geral, mais curtas, têm forma de onda dos ciclos glotais mais irregular, H1H2 menor e frequência fundamental mais alta (nos casos sem rangeado). Exceto pelos níveis de frequência fundamental, as propriedades acústicas dos segmentos vizinhos não são afetadas. A glotalização confina-se ou manifesta-se com maior intensidade nas partes das consoantes que se encontram mais distantes das vogais adjacentes, padrão que também foi notado em outras línguas do mundo (PLAUCHÉ et al., 1998). Verificou-se que o aumento de frequência fundamental causado pela glotalização não provoca restrições no sistema tonal da língua Dâw e que os níveis de frequência fundamental dos tons lexicais são priorizados. A confirmação fonética do processo de redução silábica descrito por Martins (2004) permite defender que a glotalização e a oclusiva glotal compartilham o mesmo traço ou se definem por gestos semelhantes, sobretudo porque a comparação das características de ambas e aavaliação das consoantes soantes vizinhas de oclusivas glotais reforçam a semelhança. Entretanto, não há dados suficientes para sustentar a proposta de Martins (2005) de que as consoantes glotalizadas da língua Dâw originaram-se simplesmente da incorporação de traços das oclusivas glotais pelas consoantes simples. Por fim, observou-se que as ocorrências das formas da glotalização se relacionam com a nasalidade dos segmentos e com o sexo e a faixa etária dos falantes. A relação entre nasalidade e forma da glotalização, assim como o padrão temporal das consoantes glotalizadas, talvez possam ser explicados por fatores aerodinâmicos ou perceptuais (GORDON; LADEFOGED, 2001). Entretanto, este estudo não pôde avançar na compreensão da motivação desses fatos. A relação entre sexo, faixa etária e forma da glotalização não indica mudança em curso e demanda uma pesquisa sociolinguística mais aprofundada
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 12.05.2017
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BARBOZA, Lucas Cavalini; STORTO, Luciana Raccanello. Aspectos da glotalização na língua Dâw: um estudo de fonética experimental. 2017.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-19092017-140841/ >.
    • APA

      Barboza, L. C., & Storto, L. R. (2017). Aspectos da glotalização na língua Dâw: um estudo de fonética experimental. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-19092017-140841/
    • NLM

      Barboza LC, Storto LR. Aspectos da glotalização na língua Dâw: um estudo de fonética experimental [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-19092017-140841/
    • Vancouver

      Barboza LC, Storto LR. Aspectos da glotalização na língua Dâw: um estudo de fonética experimental [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-19092017-140841/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021