Exportar registro bibliográfico

Formação profissional dos trabalhadores da construção civil: o canteiro de obras e a emancipação social (2017)

  • Authors:
  • Autor USP: DIEDERICHSEN, FRANCISCO TOLEDO BARROS - IAU
  • Unidade: IAU
  • Subjects: EMANCIPAÇÃO; CONSTRUÇÃO CIVIL
  • Keywords: Aagroecological construction; Autonomia; Autonomy; Compensatory urban drainage techniques; Construção agroecológica; Construction workers; Dialogical processes; Educação de trabalhadores por trabalhadores; Education of workers by workers; Emancipation; Escola unitária; Formação profissional; Free work; Instrução integral; Integral education; Movimentos populares; Popular movements; Praxis; Práxis; Processos pedagógicos dialógicos; Técnicas compensatórias de drenagem urbana; Trabalhadores da construção civil; Trabalho livre; Unitary school; Vocational education
  • Language: Português
  • Abstract: A presente tese de doutorado aborda a formação profissional dos trabalhadores da construção civil com objetivo de contribuir com experiências pedagógicas alternativas à sua atual condição heterônoma e oprimida de trabalho, por meio de ensaios experimentais, no formato de 'canteiro escola autogestionário'. Essas práticas levantaram questões e revelaram lacunas de conhecimento da história das modalidades alternativas unitárias e integrais de educação. Pesquisamos exemplos de escolas e espaços de ampliação da autonomia dos construtores como contribuição para sua emancipação social e política. Nos perguntamos como chegamos a atual separação das profissões, divididas entre teóricas - arquitetos - e práticas - operários. Em busca de sua genealogia, abordamos as primeiras sociedades de classe, na antiguidade, e os primeiros espaços formativos duais, que separam a formação das elites para direção da sociedade - educação liberal e teórica, das classes subalternas - educação prática para o trabalho.A formação de arquitetos e construtores se deu de modo particular nas sociedades de classe: há momentos de formação dual onde arquitetos apreendem seu ofício distante das práticas construtivas sem uso de sua força de trabalho, a formar "arquitetos sem construção", e os construtores apreendem seu trabalho nas oficinas, sem controlar a produção da arquitetura, numa relação dialética, dominados por arquitetos. Noutras sociedades, a formação de os se dá pela experiência prática físico-corporal na produção material da arquitetura, quando desenvolvem o ofício do desenho, e da representação. É ali, no canteiro de obras que formam-se "arquitetos com construção", de origem popular, compondo coletivos autônomos que idealizam e constroem. Na invasão das Américas os europeus treinaram os povos escravizados a construir com estéticas européias. Ergueram edifícios com trabalho heterônomo, oprimido e explorado - salvo exceções como nas Missões Jesuíticas. Com o avanço das forças produtivas no século XIX, criaram Liceus assistenciais, para "qualificar" construtores com apoio de trabalhadores italianos. Nesse período - 1870 a 1914, São Paulo - as elites não perceberam que a qualificação artística ampla e autônoma dos construtores resultaria em mobilizações por direitos trabalhistas. Quando se deram conta, recusaram os italianos anarquistas e os capomastri coletivistas construtores do ecletismo paulistano, e apoiaram tecnologia que exclui o trabalhador da criação: o concreto armado.É período de desqualificação e treinamento do trabalhador. Para formar os nacionais, criam a educação empresarial: "Sistema S" e em 1964 dão o golpe civil militar, que perdura até 1988. Com a redemocratização ampliam-se experiências formativas autogestionárias, e políticas publicas socializantes até 2016 - golpe midiático parlamentar. Foram 28 anos que permitiram experiências de "educação de trabalhadores por trabalhadores", como ensaiado nos 'canteiro escola' com movimento popular, o MST, e universidade, a USP. Edificamos a 'casa das artes', na ENFF - Guararema, com técnicas agroecológicas de construção e uma 'viela publica' no Parque dos Químicos - São Bernardo do Campo, com técnicas compensatórias de drenagem urbana. Os ensaios praticaram as idiossincrasias da formação libertária dos trabalhadores da construção percebidas no levantamento do processo histórico. Essa vivência nos permitiu identificar que os 'canteiro escola' contemporâneos se inserem nas tradicionais linhas de ação popular pela emancipação da classe.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 14.12.2017
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      DIEDERICHSEN, Francisco Toledo Barros; LOPES, João Marcos de Almeida. Formação profissional dos trabalhadores da construção civil: o canteiro de obras e a emancipação social. 2017.Universidade de São Paulo, São Carlos, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102131/tde-17042018-151143/ >.
    • APA

      Diederichsen, F. T. B., & Lopes, J. M. de A. (2017). Formação profissional dos trabalhadores da construção civil: o canteiro de obras e a emancipação social. Universidade de São Paulo, São Carlos. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102131/tde-17042018-151143/
    • NLM

      Diederichsen FTB, Lopes JM de A. Formação profissional dos trabalhadores da construção civil: o canteiro de obras e a emancipação social [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102131/tde-17042018-151143/
    • Vancouver

      Diederichsen FTB, Lopes JM de A. Formação profissional dos trabalhadores da construção civil: o canteiro de obras e a emancipação social [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/102/102131/tde-17042018-151143/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021