Exportar registro bibliográfico

Uma nova técnica para contenção de acidentes em reatores nucleares de água pressurizada (2018)

  • Authors:
  • Autor USP: SANTOS, WILTON FOGAÇA DA SILVA - EP
  • Unidade: EP
  • Sigla do Departamento: PTC
  • Subjects: TRANSFERÊNCIA DE CALOR; PISCINAS; REATORES NUCLEARES
  • Agências de fomento:
  • Language: Português
  • Abstract: Durante um acidente em uma usina nuclear, a integridade do vaso pressurizado deve ser assegurada. Em resposta a um possível derretimento do combustível nuclear, a atual geração de usinas possui um sistema para a injeção de água potável na cavidade do vaso pressurizado com intuito de resfriar sua parede, prevenindo danos a sua estrutura e evitando o vazamento de material radioativo. Esse estudo considerou o uso de água marinha como refrigerante para inundar a cavidade do vaso pressurizado combinado com a fixação de um estrutura porosa em forma de grade em sua parede externa como meio de aprimorar a margem de segurança durante a contenção de acidentes. Experimentos de longa duração para a ebulição em piscina de água marinha artificial foram conduzidos em uma superfície circular de cobre plana com 30 mm de diâmetro. Foi encontrado um fluxo de calor crítico de 1; 6 MW/m2 sob pressão atmosférica. Esse valor é significantemente maior que aquele obtido (1; 0 MW/m2) nas mesmas condições experimentais. Foi verificado que os depósitos de sais marinhos podem aumentar a molhabilidade e a capilaridade da superfície de teste, aprimorando assim o fluxo crítico. Combinando a água marinha e a fixação da estrutura porosa sobre a superfície de teste, verificou-se um melhora no coeficiente de transmissão de calor e no fluxo de calor crítico de até 110 % (2; 1 MW/m2), quando comparado a água destilada na superfície limpa, sem a instalação da estrutura. Após os experimentos, foi identificado que muitos dos poros presentes nas superfícies da estrutura porosa encontravam-se bloqueados devido ao aglutinamento de sais marinhos. Isso levou aconclusão que o aumento no valor do fluxo crítico observado para a água marinha artificial ocorreu devido, principalmente, a separação das fases líquida e gasosa do fluido na região próxima a superfície de teste, efeito proporcionado pela forma de grade da estrutura porosa, e ao aumento da molhabilidade e capilaridade da superfície devido a formação dos depósitos marinhos.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 06.03.2018
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SANTOS, Wilton Fogaça da Silva; PIQUEIRA, José Roberto Castilho. Uma nova técnica para contenção de acidentes em reatores nucleares de água pressurizada. 2018.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3139/tde-09042018-144934/pt-br.php >.
    • APA

      Santos, W. F. da S., & Piqueira, J. R. C. (2018). Uma nova técnica para contenção de acidentes em reatores nucleares de água pressurizada. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3139/tde-09042018-144934/pt-br.php
    • NLM

      Santos WF da S, Piqueira JRC. Uma nova técnica para contenção de acidentes em reatores nucleares de água pressurizada [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3139/tde-09042018-144934/pt-br.php
    • Vancouver

      Santos WF da S, Piqueira JRC. Uma nova técnica para contenção de acidentes em reatores nucleares de água pressurizada [Internet]. 2018 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3139/tde-09042018-144934/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021