Exportar registro bibliográfico

Gestão de recursos humanos e relações de trabalho no Brasil: uma análise sob a ótica da teoria dos custos de transação em um conjunto de empresas privadas (2017)

  • Autor:
  • Autor USP: AMORIM, WILSON APARECIDO COSTA DE - FEA
  • Unidade: FEA
  • Sigla do Departamento: EAD
  • Subjects: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS; RELAÇÕES DE TRABALHO; CUSTO DE TRANSAÇÃO
  • Keywords: Gestão de recursos humanos; Human resources management; Labor relations in Brasil; Transactions costs
  • Language: Português
  • Abstract: Esta tese investigou se as relações de trabalho, em sua dimensão coletiva, fazem parte das preocupações da gestão de recursos humanos no que refere à sua governança em organizações privadas no Brasil. Para isso, seu objetivo geral foi caracterizar e analisar a forma pela qual a gestão de recursos humanos de organizações privadas que atuam no Brasil trata as Relações de Trabalho em sua dimensão coletiva: as negociações coletivas no período recente (20142016). Como ponto de partida, tomou-se que os estudos sobre como a gestão de recursos humanos trata as relações de trabalho encontram-se em um impasse conceitual e analítico no Brasil. Para superação desse impasse, buscou-se, no âmbito da teoria econômica institucional, a abordagem de custos de transação, tendo como referência autores como North, Coase e Williamson. A aproximação dessa abordagem com os temas da gestão de recursos humanos foi feita a partir de Kaufman, que, por sua vez, vincula-se à tradição dos estudos econômicos sobre sistemas de relações industriais. Os objetivos específicos da tese foram: identificar e analisar o posicionamento assumido pelas áreas de recursos humanos (RH) das organizações privadas no Brasil no que se refere às relações de trabalho em sua dimensão coletiva (negociações coletivas) em termos de sua governança; identificar e analisar a opinião dos gestores de RH a respeito das relações de trabalho em sua dimensão coletiva (negociações coletivas), tomando por base os conceitos de racionalidadelimitada e oportunismo; e identificar e analisar as condições contextuais/institucionais do sistema de relações de trabalho no Brasil associadas ao posicionamento das organizações privadas brasileiras frente às relações de emprego. A pesquisa foi quantitativa, a partir de aplicação de técnica estatística de análise de agrupamento em dois passos em uma amostra de 272 organizações do setor privado nacional, integrantes da base de dados da pesquisa CRANET Brasil 2014 (The Cranfield Network 2014). A parte qualitativa da pesquisa foi realizada a partir das falas de 24 gestores de RH registradas em quatro dinâmicas de grupos focais realizadas nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Salvador, Porto Alegre e São Paulo, entre setembro de 2015 e abril de 2016. Os achados da pesquisa indicaram que o mercado de trabalho brasileiro apresentou expressivas mudanças nos anos 2000 em diante, tendo como principal indicador a queda do desemprego. O mercado brasileiro se caracterizou institucionalmente como palco de grande flexibilidade na contratação do trabalho, baixa densidade sindical, mas, paradoxalmente, ao mesmo tempo, com ação sindical presente inclusive por meio de greves. Entre as organizações pesquisadas, foram encontrados três grupos com as seguintes características em termos de sua governança de RH: i) adoção de estratégia de RH e alta sindicalização entre seus funcionários; ii) adoção mais elevada de estratégia de RH, mas com baixa sindicalização e; iii) adoção de menorproporção de práticas de estratégia e também baixa sindicalização. Na parte qualitativa da pesquisa, por meio de análise de conteúdo aplicada ao registro da opinião dos gestores de RH, foi identificada a presença de racionalidade limitada e oportunismo no âmbito coletivo das relações de trabalho. O estudo concluiu que há diferentes formas de governança de RH concomitantemente a diferentes níveis de sindicalização e tratamento das negociações coletivas entre as organizações pesquisadas. Identificou ainda que é possível associar diferentes formas de racionalidade limitada e oportunismo aos três agrupamentos de organizações estudados. Por fim, o estudo demonstrou que a teoria dos custos de transação pode ser útil na análise e compreensão da governança assumida pelas diferentes formas de gestão de recursos humanos nas organizações
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 02.10.2017
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      AMORIM, Wilson Aparecido Costa de. Gestão de recursos humanos e relações de trabalho no Brasil: uma análise sob a ótica da teoria dos custos de transação em um conjunto de empresas privadas. 2017.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/12/tde-18122017-142249/ >.
    • APA

      Amorim, W. A. C. de. (2017). Gestão de recursos humanos e relações de trabalho no Brasil: uma análise sob a ótica da teoria dos custos de transação em um conjunto de empresas privadas. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/12/tde-18122017-142249/
    • NLM

      Amorim WAC de. Gestão de recursos humanos e relações de trabalho no Brasil: uma análise sob a ótica da teoria dos custos de transação em um conjunto de empresas privadas [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/12/tde-18122017-142249/
    • Vancouver

      Amorim WAC de. Gestão de recursos humanos e relações de trabalho no Brasil: uma análise sob a ótica da teoria dos custos de transação em um conjunto de empresas privadas [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/12/tde-18122017-142249/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021