Exportar registro bibliográfico

Sofrimento, solidão e desordem: a representação trágica como meio político no cinema de Leon Hirszman (2017)

  • Authors:
  • Autor USP: TAKEDA, ANNA CAROLINA BOTELHO - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLC
  • Assunto: CINEMA
  • Keywords: A falecida; A falecida; Eles não usam black-tie; Eles não usam black-tie; S. Bernardo; S. Bernardo
  • Language: Português
  • Abstract: Esta tese tem como objetivo analisar três narrativas do cineasta Leon Hirszman: A falecida (1965), S. Bernardo (1972) e Eles não usam black-tie (1981) a partir do conceito de tragédia moderna, de Raymond Williams. A comparação sistemática entre as obras fez surgir o que se chamou nesta tese de trágico desalienante, uma vez que ao observar a maneira adotada pelo diretor, sobretudo, ao conduzir as suas personagens, evidenciou-se sua preferência por expor o sofrimento e a desordem dentro das narrativas com o intuito de produzir o conhecimento da realidade. Com isso, pôde-se constatar que o tom trágico empregado foi a opção estética de Leon Hirszman para levar adiante o seu projeto cinematográfico, fincado na ideia de cinema como instrumento político. Porém, em contraposição à valorização do trágico, muito em consonância com o contexto histórico repressivo imposto pela ditadura civil-militar no Brasil, vale apontar, com a reorganização do cenário nacional, uma retomada da perspectiva romântica, no sentido defendido por Michel Löwy e Robert Sayre, em Eles não usam black-tie, que se não recuperava o romantismo revolucionário proposto por Marcelo Ridenti ao analisar as obras produzidas no Brasil no começo dos anos 1960, resgatou a representação da esperança arrefecida com os anos de governo militar. Nessa direção, no cotejo das obras, atenta-se para o contexto histórico em que os filmes foram produzidos considerando-o como elemento estruturante de sua forma. Assim, se em Afalecida, de 1965, começo do período ditatorial, há ainda espaço para um sutil humor que, de alguma forma, atenua o seu tom trágico; S. Bernardo, elaborado em 1972, no auge da repressão militar, impera o aniquilamento dos homens e a tragédia se instala sem respiro; por fim, como foi dito, em Eles não usam black-tie, realizado em 1981, período de abertura política e maciça insurreição dos movimentos populares, a perspectiva trágica cede espaço para a imagem da força da coletividade e, portanto, restaura certa visão romântica do mundo
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.03.2017
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TAKEDA, Anna Carolina Botelho; CARELLI, Fabiana Buitor. Sofrimento, solidão e desordem: a representação trágica como meio político no cinema de Leon Hirszman. 2017.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8156/tde-12062017-114205/ >.
    • APA

      Takeda, A. C. B., & Carelli, F. B. (2017). Sofrimento, solidão e desordem: a representação trágica como meio político no cinema de Leon Hirszman. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8156/tde-12062017-114205/
    • NLM

      Takeda ACB, Carelli FB. Sofrimento, solidão e desordem: a representação trágica como meio político no cinema de Leon Hirszman [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8156/tde-12062017-114205/
    • Vancouver

      Takeda ACB, Carelli FB. Sofrimento, solidão e desordem: a representação trágica como meio político no cinema de Leon Hirszman [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8156/tde-12062017-114205/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021