Exportar registro bibliográfico

Resistência vocal em cantoras de coro (2017)

  • Authors:
  • Autor USP: ONOFRE, FERNANDA - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: ROO
  • Subjects: VOZ; CANTO; FADIGA (FISIOLOGIA)
  • Language: Português
  • Abstract: O propósito deste estudo foi comparar a voz de coralistas antes e depois de 60 minutos de canto contínuo e após repouso absoluto. Participaram do estudo 21 coralistas de sexo feminino com idade entre 18 e 39 anos, com média de 26,59 anos e com experiência em canto coral de no mínimo um ano. As gravações das vozes das cantoras foram realizadas individualmente. As participantes foram instruídas, antes e após o canto e depois do repouso a emitirem a vogal /a/ por, no mínimo, três segundos, por três vezes, para a análise das medidas acústicas e avaliação da autopercepção tátil-cinestésica. Foi realizado aquecimento vocal, vocalizes por 10 minutos, orientado pela professora de canto. Cada coralista cantou no tom adequado ao seu naipe, ou seja, para a sua classificação vocal (soprano). As participantes foram orientadas a cantar por até 60 minutos continuamente a música “Ave Verum”, pré-selecionada pela professora de canto, levando em consideração o conhecimento e treino que as coralistas apresentaram desta música, com acompanhamento de um CD com a gravação da referida canção. Como resultados, observou-se que, após a prova de resistência, os parâmetros acústicos F0 (Frequência fundamental) e Fhi (Frequência fundamental mais alta) se mostraram aumentados. As medidas acústicas de F0 e Flo (Frequência fundamental mais baixa) se apresentaram menores após o repouso vocal, quando comparadas ao tempo pré-tarefa de canto contínuo. Para o parâmetro vAm (Coeficiente de variação de amplitude), houve diminuição após o canto contínuo e repouso. Na autoavaliação tátil-cinestésica, os sintomas analisados: rouquidão, cansaço para falar, esforço para falar, garganta seca, dor na garganta, quebras na voz, voz aguda, diminuição do volume, tensão em pescoço e ombros mostraram aumento após a tarefa de canto contínuo, porém observou-se diminuição dos mesmos após o repouso de 30 minutos. Concluiu-se que, a partir daanálise de medidas acústicas vocais em cantoras de coro, submetidas à prova de canto contínuo por até 60 minutos e repouso vocal absoluto por 30 minutos, a F0 aumentou após o canto, diminuindo após o repouso. A medida acústica de Flo aumentou após a tarefa de canto e se mostrou diminuída após o repouso vocal, quando comparada ao tempo pré-tarefa de canto contínuo. Para o parâmetro vAm, houve diminuição após o canto contínuo e o repouso vocal. Os sintomas tátil-cinestésicos analisados mostraram aumento após a tarefa de canto contínuo e diminuição após repouso vocal absoluto
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.05.2017

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ONOFRE, Fernanda; RICZ, Lilian Neto Aguiar. Resistência vocal em cantoras de coro. 2017.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2017.
    • APA

      Onofre, F., & Ricz, L. N. A. (2017). Resistência vocal em cantoras de coro. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Onofre F, Ricz LNA. Resistência vocal em cantoras de coro. 2017 ;
    • Vancouver

      Onofre F, Ricz LNA. Resistência vocal em cantoras de coro. 2017 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020