Exportar registro bibliográfico

Estudo farmacológico, eletrofisiológico, imunocitoquímico e morfológico da injeção intravítrea de aciclovir em coelhos (2017)

  • Authors:
  • Autor USP: TAKAHASHI, BEATRIZ SAYURI - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MOF
  • Subjects: COELHOS; RETINA; INFLAMAÇÃO; TESTES DE TOXICIDADE; ELETRORRETINOGRAFIA; EVENTO ADVERSO A MEDICAMENTO
  • Keywords: Injeção intravítrea; Intravitreal injection; Rabbits; Retinite/terapia; Retinitis/therapy; Toxicity tests
  • Language: Português
  • Abstract: INTRODUÇÃO: A administração de aciclovir por via sistêmica é o tratamento de escolha para a necrose aguda de retina. Entretanto, por ser uma doença rapidamente progressiva, a injeção intravítrea de aciclovir ao diagnóstico pode ser utilizada como terapia adjuvante, enquanto o aciclovir sistêmico ainda não alcançou níveis terapêuticos na retina. Os objetivos deste estudo experimental foram determinar a meia-vida do aciclovir no vítreo após injeção intravítrea e determinar os efeitos funcionais e morfológicos do aciclovir na retina de coelhos saudáveis após injeção intravítrea do medicamento em diferentes doses. MÉTODOS: Foram utilizados 32 coelhos albinos da raça New Zealand (estudo farmacológico) e 86 coelhos pigmentados da raça Dutch Belted (30 no estudo eletrofisiológico, 36 no estudo morfológico com microscopia de luz e 20 no estudo morfológico com imuno-histoquímica). Para a determinação da meia-vida do aciclovir no vítreo, os 32 coelhos albinos receberam injeção intravítrea de aciclovir 1 mg e foram sacrificados nos dias 2, 9, 14 e 28. Para a avaliação funcional e microscopia de luz, os 66 coelhos pigmentados receberam três doses intravítreas de aciclovir (0,1; 1 ou 10 mg) no olho direito e soro fisiológico no olho esquerdo. Destes, 30 animais foram submetidos ao eletrorretinograma (ERG) antes da injeção e nos dias 2, 7 e 15 após a injeção. Para a análise histológica (microscopia de luz), 36 animais foram sacrificados 2, 7 e 15 dias após a injeção. Para imuno-histoquímica (apoptose, GFAP, DAPI e vimentina),os 20 coelhos pigmentados receberam injeção intravítrea de 1 e 10 mg de aciclovir e foram sacrificados após cinco dias. RESULTADOS: No estudo da meia-vida do aciclovir no vítreo, as concentrações médias de aciclovir no vítreo foram 0,25, 0,09, 0,06 e 0,08 ?g/ml, respectivamente 2, 9, 14 e 28 dias depois da injeção. Nos estudos eletrofisiológico e de microscopia de luz, os olhos que receberam injeção intravítrea de 0,1 mg de aciclovir não apresentaram alterações funcionais ou histológicas. Os olhos injetados com 1 mg de aciclovir apresentaram redução significativa da amplitude das ondas a e b no ERG e desalinhamento dos fotorreceptores na microscopia de luz. Estes achados regrediram no 15º dia. Os olhos que receberam injeção intravítrea de 10 mg de aciclovir apresentaram as mesmas alterações funcionais, mas que não regrediram após o 15º dia. À microscopia de luz, esses olhos apresentaram destruição da camada de fotorreceptores e desorganização de toda a retina. Na camada de células ganglionares houve áreas com ausência de células da retina interna. A imuno-histoquímica mostrou lesão das células de Müller e apoptose de fotorreceptores apenas nos animais injetados com 10 mg. CONCLUSÕES: A meia-vida do aciclovir no vítreo após injeção intravítrea é muito curta para a sua detecção em dias. Os resultados funcionais e morfológicos sugerem que a injeção intravítrea de aciclovir em coelhos causa alterações tóxicas dose e tempo dependentes nos fotorreceptores e nos neurônios pós-receptorais da retina.A dose de 0,1 mg de aciclovir parece ser segura para injeção intravítrea em coelhos e pode ser utilizada em modelos experimentais de uveíte ou retinite viral
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.04.2017
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      TAKAHASHI, Beatriz Sayuri; DAMICO, Francisco Max. Estudo farmacológico, eletrofisiológico, imunocitoquímico e morfológico da injeção intravítrea de aciclovir em coelhos. 2017.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5149/tde-01082017-093149/ >.
    • APA

      Takahashi, B. S., & Damico, F. M. (2017). Estudo farmacológico, eletrofisiológico, imunocitoquímico e morfológico da injeção intravítrea de aciclovir em coelhos. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5149/tde-01082017-093149/
    • NLM

      Takahashi BS, Damico FM. Estudo farmacológico, eletrofisiológico, imunocitoquímico e morfológico da injeção intravítrea de aciclovir em coelhos [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5149/tde-01082017-093149/
    • Vancouver

      Takahashi BS, Damico FM. Estudo farmacológico, eletrofisiológico, imunocitoquímico e morfológico da injeção intravítrea de aciclovir em coelhos [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5149/tde-01082017-093149/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021