Exportar registro bibliográfico

Caracterização de carbapenemases do tipo KPC em enterobactérias de origem clínica (2014)

  • Authors:
  • Autor USP: NHAMBE, LúCIA FLORêNCIO - FCF
  • Unidade: FCF
  • Sigla do Departamento: FBC
  • Subjects: INFECÇÃO HOSPITALAR; ENTEROBACTERIACEAE
  • Language: Português
  • Abstract: Atualmente, no Brasil, a produção de enzimas do tipo KPC constitui o principal mecanismo de resistência aos carbapenêmicos em Klebsiella pneumoniae, contribuindo para a endemicidade hospitalar da espécie. No presente estudo, foi caracterizada a produção de KPC em 38 enterobactérias que foram diferençadas entre os grupos CESP (enterobactérias com produção induzida da βlactamase AmpC, ex., Enterobacter spp., Serratia marcescens e Morganella morganii) e não CESP (ex., Klebsiella pneumoniae, Escherichia coli e Proteus mirabilis). pertencendo a isolados recuperados de pacientes colonizados e/ou apresentando infecção urinária, pneumonia ou bacteremia, em três centros médicos de três diferentes regiões do Brasil (Amazonas, Mato grosso, Minas Gerais), durante 2008-2013. Os isolados apresentaram resistência para cefalosporinas de amplo espectro (86,8 - 94,7%), cefoxitina (86,8%), ertapenem (89,4%), imipenem (89,4%), meropenem (84,2%), amicacina (86,8%), ciprof1oxacina (84,2%), tigeciclina (42,1 %, CIM50= 2 µg/ml), sulfametoxazol/trimetoprim (SXT, 60,5%) e gentamicina (57,8%). Entre bactérias do grupo CESP, os isolados de S. marcescens apresentaram sensibilidade para fosfomicina (CIM50= 8 µg/mL) e sulfametoxazol-trimetoprim (CIM50= 1/19 µg/mL). A produção de carbapenemase foi confirmada pelo teste de Hodge modificado e por inibição por acido fenil borônico em 76,31 e 73,68% dos isolados do grupo CESP e não CESP, respectivamente. A presença do gene blaKPC-2 foi confirmada em 78,9% dos isolados clinicos e variantes do gene blaCTX-M foram identificados em 57,89% das cepas. Cepas de S. marcescens e E. aerogenes clonalmente relacionadas por ERIC-PCR foram associadas a surtos de infecção nosocomial. Resultados do presente estudo confirmam que a produção de KPC no Brasil, ocorre em uma grande variedade de espécies de enterobactérias sendo frequentemente associada com a co-produção de ESBLs dotipo CTX-M, o que poderia favorecer a endemicidade com o subseqüente estabelecimento de surtos de infecção. Um dado relevante, foi à alta resistência a fosfomicina (66,66%) associada à presença do gene fosA2 em cepas de E. aerogenes e K. pneumoniae produtores de KPC-2
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 05.11.2014
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      NHAMBE, Lúcia Florêncio; LINCOPAN, Nilton. Caracterização de carbapenemases do tipo KPC em enterobactérias de origem clínica. 2014.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9136/tde-27052015-150406/ >.
    • APA

      Nhambe, L. F., & Lincopan, N. (2014). Caracterização de carbapenemases do tipo KPC em enterobactérias de origem clínica. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9136/tde-27052015-150406/
    • NLM

      Nhambe LF, Lincopan N. Caracterização de carbapenemases do tipo KPC em enterobactérias de origem clínica [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9136/tde-27052015-150406/
    • Vancouver

      Nhambe LF, Lincopan N. Caracterização de carbapenemases do tipo KPC em enterobactérias de origem clínica [Internet]. 2014 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/9/9136/tde-27052015-150406/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021