Exportar registro bibliográfico

Diversidade intraespecífica em Gracilaria caudata (Gracilariales, Rhodophyta): estudos genéticos e fisiológicos na interpretação da cor do talo (2017)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SANTOS, FABIANA MARCHI DOS - IB
  • Unidades: IB
  • Sigla do Departamento: BIB
  • Subjects: BOTÂNICA (CLASSIFICAÇÃO); RHODOPHYTA; BIODIVERSIDADE; PIGMENTOS; COLORAÇÃO; CRESCIMENTO; FERTILIDADE; FOTOSSÍNTESE
  • Keywords: Attachment percentage; Brownish green; Codominance; Codominância; Color inheritance; Color variants; Diversidade intraespecífica; Fertility; Gracilaria caudata; Gracilaria caudata; Growth rates; Herança de cor; Intraspecific diversity; Marrom-esverdeada; Percentual de fixação; Photosynthesis; Pigments; Recruitment; Recrutamento; Reproductive variants; Taxas de crescimento; Variantes de cor; Variantes reprodutivas
  • Language: Português
  • Abstract: Gracilaria. caudata J. Agardh é uma das espécies mais comuns no Oceano Atlântico tropical e subtropical. No nordeste do Brasil a espécie é explotada como uma importante agarófita, onde recentemente foram encontradas variantes de coloração marrom-esverdeada crescendo lado a lado a indivíduos de coloração vermelha (mais comuns) em uma população natural. Este estudo teve por objetivo averiguar a estabilidade e o padrão de herança de cor marrom-esverdeada de indivíduos de G. caudata procedentes de uma população natural, bem como avaliar o desempenho somático e reprodutivo das diferentes fases do histórico de vida, levando-se em consideração indivíduos de coloração marrom-esverdeada e vermelha. A partir de cruzamentos teste foi possível verificar que a coloração marrom-esverdeada é estável e herdável, sendo o padrão de herança dessa coloração do tipo nuclear codominante, em que tetrasporófitos homozigotos são vermelhos (vmvm) ou marrom-esverdeados (meme) e os heterozigotos apresentam o fenótipo marrom (vmme e mevm). Variantes pigmentares, independentemente da fase do histórico, atingiram precocemente a maturidade reprodutiva quando comparadas a espécimes do tipo selvagem. Essa característica pode favorecer a manutenção da variante marrom-esverdeada na natureza. No entanto, apesar da diferenciação tardia de cistocarpos, gametófitos femininos, provenientes de tetrasporófitos vmvm, apresentaram um melhor desempenho reprodutivo em relação a gametófitos femininos provenientes detetrasporófitos com variação pigmentar (meme, vmme e mevm); essa característica poderia contribuir para a predominância de espécimes selvagens na natureza. Entretanto, tetrasporófitos com variação pigmentar não só atingiram precocemente a maturidade reprodutiva como se tornaram mais férteis em relação ao tipo selvagem. Apenas na descendência de tetrasporófitos selvagens (vmvm) foi observada a proporção sexual esperada, entre gametófitos femininos e masculinos. Na progênie de tetrasporófitos com variação pigmentar foram observadas alterações na proporção sexual, devido à presença de gametófitos bissexuais. Essa condição de bissexualidade, provavelmente, é decorrente da presença de um alelo recessivo denominado bi, o qual possibilitaria a expressão de funções femininas em gametófitos masculinos. No presente estudo, pudemos evidenciar que a bissexualidade em G. caudata é herdável, e que gametófitos femininos que portam a mutação bi foram capazes de transmitir a mutação aos descendentes, porém o alelo não é fenotipicamente detectável. Como não foram observados gametófitos bissexuais na descendência de tetrasporófitos vmvm (provenientes do cruzamento feminino vm x masculino vm) sugere-se que a mutação bi estaria presente apenas em tetrasporófitos marrom-esverdeados oriundos da natureza. No entanto, permanece a possibilidade de ocorrência de espécimes bissexuais de coloração vermelha em populações naturais, já que tais indivíduos foram observados na progênie de tetrasporófitosvmme e mevm, indicando assim, que não há ligação entre a bissexualidade e a coloração do talo. Gametófitos femininos vermelhos apresentam melhor desempenho somático quando comparados a gametófitos femininos marrom-esverdeados. Esse aspecto foi evidenciado por meio de taxas de crescimento, número de ápices diferenciados e percentual de fixação ao frasco de cultura. Essas características devem contribuir para a predominância de espécimes do tipo selvagem na natureza. Gametófitos marrom-esverdeados, em contrapartida, apresentaram melhor desempenho fotossintetizante, o que poderia representar uma vantagem, considerando-se o ambiente heterogêneo de ocorrência da espécie, e desse modo, contribuir para a manutenção dessa variante em população natural. Entretanto, não foram observadas diferenças com relação às taxas crescimento entre tetrasporófitos dos quatro genótipos (vmvm, meme, vmme e mevm), apesar das diferenças quanto à fertilidade, concentração pigmentar, número de ápices diferenciados e desempenho fotossintetizante. Tais tetrasporófitos apresentaram taxas de crescimento semelhantes às observadas para gametófitos femininos marrom-esverdeados, apesar do melhor desempenho fotossintetizante desses últimos. Os dados obtidos nesse trabalho sugerem que a variante marrom-esverdeada apresente vantagens adaptativas para G. caudata
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.02.2017
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SANTOS, Fabiana Marchi dos; PLASTINO, Estela Maria. Diversidade intraespecífica em Gracilaria caudata (Gracilariales, Rhodophyta): estudos genéticos e fisiológicos na interpretação da cor do talo. 2017.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-25042017-101623/ >.
    • APA

      Santos, F. M. dos, & Plastino, E. M. (2017). Diversidade intraespecífica em Gracilaria caudata (Gracilariales, Rhodophyta): estudos genéticos e fisiológicos na interpretação da cor do talo. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-25042017-101623/
    • NLM

      Santos FM dos, Plastino EM. Diversidade intraespecífica em Gracilaria caudata (Gracilariales, Rhodophyta): estudos genéticos e fisiológicos na interpretação da cor do talo [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-25042017-101623/
    • Vancouver

      Santos FM dos, Plastino EM. Diversidade intraespecífica em Gracilaria caudata (Gracilariales, Rhodophyta): estudos genéticos e fisiológicos na interpretação da cor do talo [Internet]. 2017 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-25042017-101623/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020