Exportar registro bibliográfico


Metrics:

Ingestão de ferro: consumo dietético e associação com resistência à insulina e síndrome metabólica na era da fortificação mandatória (2016)

  • Authors:
  • Autor USP: VIEIRA, DIVA ALIETE DOS SANTOS - FSP
  • Unidade: FSP
  • Sigla do Departamento: HNT
  • DOI: 10.11606/T.6.2017.tde-05012017-113106
  • Subjects: ALIMENTOS FORTIFICADOS; FARINHAS; MILHO; FARINHA DE TRIGO; FERRO; INSULINA; SÍNDROME X METABÓLICA; CONSUMO DE ALIMENTOS
  • Keywords: Fortificação Mandatória
  • Agências de fomento:
  • Language: Português
  • Abstract: interleucina-6 e leptina sérica. As análises estatísticas foram realizadas utilizando os softwares Stata®, versão 13 e Mplus®, versão 7.4, com nível de 7 significância de 0,05. Resultados: A média do consumo de ferro aumentou em todas as faixas etárias no período pós-fortificação. Houve uma redução superior a 90 por cento na prevalência de inadequação dos homens em todas as faixas etárias, no entanto, apesar da substancial redução nas mulheres em idade fértil (63 por cento), estas ainda possuem alta prevalência de inadequação desse micronutriente (34 por cento). Maior ingestão de ferro total (OR=3,98; IC 95 por cento=1,2113,12) e não heme (OR= 2,92; IC 95 por cento=1,10-7,72) foram positivamente associadas a hiperglicemia. Houve uma associação positiva entre maior ingestão de ferro heme com síndrome metabólica (OR=2,39; IC 95 por cento=1,105,21) e concentrações elevadas de triglicérides (OR=2,51; IC 95 por cento=1,065,91). A ingestão de ferro heme, não heme e total tiveram um efeito direto e positivamente associado às concentrações de interleucina-6 e negativamente associado às concentrações de malondialdeído. Observou-se um efeito indireto da ingestão do ferro heme, não heme e total na resistência à insulina mediado pela interleucina-6. Conclusão: Este estudo sugere que os diferentes tipos de ferro estão associados a importantes fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis. Assim, o monitoramento da adição de ferro na farinha de trigo e milho é essencial para garantir uma ingestão ferro segura para toda a população.Introdução: A fortificação mandatória de ferro foi implantada no Brasil em 2004 com o intuito de combater a deficiência desse micronutriente. No entanto, alguns estudos indicam que o consumo excessivo de ferro pode estar relacionado ao desenvolvimento de síndrome metabólica, resistência à insulina e alterações do metabolismo lipídico. Objetivos: Avaliar a ingestão de ferro antes e após a implementação da política de fortificação mandatória, investigar a associação da ingestão de ferro heme, não heme e total com a síndrome metabólica e seus componentes, avaliar o papel da ingestão do ferro heme, não heme e total na resistência à insulina mediado pela interleucina-6, malondialdeído e leptina. Metodologia: Os dados foram provenientes de dois estudos transversais de base populacional (ISA-Capital 2003 e 2008), conduzidos em amostra representativa de residentes do município de São Paulo, de ambos os sexos e com idade superior a 12 anos. O consumo alimentar foi avaliado por meio de recordatórios de 24 horas e utilizou-se um questionário estruturado para obter informações socioeconômicas, demográficas e de estilo de vida. Coletou-se amostras de sangue em jejum de 12h para as análises bioquímicas e aferiu-se pressão arterial, peso, estatura e circunferência da cintura. Os analitos avaliados foram glicemia plasmática de jejum, insulina sérica de jejum, triglicerídeos plasmáticos, lipoproteína de alta densidade, malondialdeído, proteína C reativa ultrassensível,
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.12.2016
  • Acesso à fonteDOI
    Informações sobre o DOI: 10.11606/T.6.2017.tde-05012017-113106 (Fonte: oaDOI API)
    • Este periódico é de acesso aberto
    • Este artigo é de acesso aberto
    • URL de acesso aberto
    • Cor do Acesso Aberto: gold

    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      VIEIRA, Diva Aliete dos Santos; FISBERG, Regina Mara. Ingestão de ferro: consumo dietético e associação com resistência à insulina e síndrome metabólica na era da fortificação mandatória. 2016.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: < https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6138/tde-05012017-113106/pt-br.php > DOI: 10.11606/T.6.2017.tde-05012017-113106.
    • APA

      Vieira, D. A. dos S., & Fisberg, R. M. (2016). Ingestão de ferro: consumo dietético e associação com resistência à insulina e síndrome metabólica na era da fortificação mandatória. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6138/tde-05012017-113106/pt-br.php
    • NLM

      Vieira DA dos S, Fisberg RM. Ingestão de ferro: consumo dietético e associação com resistência à insulina e síndrome metabólica na era da fortificação mandatória [Internet]. 2016 ;Available from: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6138/tde-05012017-113106/pt-br.php
    • Vancouver

      Vieira DA dos S, Fisberg RM. Ingestão de ferro: consumo dietético e associação com resistência à insulina e síndrome metabólica na era da fortificação mandatória [Internet]. 2016 ;Available from: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6138/tde-05012017-113106/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021