Exportar registro bibliográfico

Frequência da ingestão de café em grupos de hepatopatas crônicos portadores do vírus da hepatite B e C: oefeito protetor do café na evolução das hepatopatias crônicas (2016)

  • Authors:
  • Autor USP: AGUILAR, CAROLINA SANTIAGO - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MGT
  • Subjects: CAFÉ; CIRROSE HEPÁTICA; CAFEÍNA; HEPATITE B; HEPATITE C
  • Keywords: Caffeine; Liver cirrhosis; Polifenóis; Polyphenols
  • Language: Português
  • Abstract: O café uma é das bebidas mais consumidas no mundo e seus efeitos benéficos são objetivo do estudo durante anos. O café, por ser uma bebida antioxidante, pode inibir as enzimas hepáticas diminuindo a lesão de hepatócitos e com isso temos um efeito hepatoprotetor. Esta melhora no fígado é relacionado diretamente à ingestão de café. Portanto, este estudo tem como objetivo avaliar o efeito do consumo de café em grupos de portadores de hepatite B crônica e de hepatite C crônica supondo que o café pode retardar a progressão da lesão hepática. Métodos: Um total de 1169 pacientes com doenças hepáticas crônicas foram selecionados do banco de dados do ambulatório de hepatologia do Hospital das Clínicas de São Paulo, sendo 514 (44%) com o vírus da hepatite B (HBV) e 655 (56%) com hepatite C (HCV). Foram consideradas as variáveis como tabagismo, etilismo, consumo de café, exames laboratoriais (ALT, AST, GGT, INR, plaquetas, bilirrubina total, bilirrubina direta e bilirrubina indireta, albumina e creatinina), APRI e FIB4 para avaliar fibrose e o grau de lesão hepática. Resultados: Através da análise descritiva dos dados observamos que 758/1169 (65%) pacientes consumiam café. Pacientes que consumem café apresentam menores índices de AST (p=0,004), APRI (p=0,002) e FIB4 (p=0,003). Ao se analisar por etiologia observou-se que pacientes portadores de hepatite crônica C que consumem café apresentam menores índices de ALT (p=0,021), AST (p=0,005), APRI (p=0,013) e FIB4 (p=0,013) e maioresníveis de albumina (p=0,006). O mesmo não foi observado para os portadores de hepatite crônica B. Conclusões: A ingestão de café está associada com a redução das enzimas do fígado e parece estar diretamente ligada a diminuição dos valores de APRI e FIB4 em pacientes portadores de hepatite crônica C. O mesmo não é observado para hepatite crônica B
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.10.2016
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      AGUILAR, Carolina Santiago; ONO, Suzane Kioko. Frequência da ingestão de café em grupos de hepatopatas crônicos portadores do vírus da hepatite B e C: oefeito protetor do café na evolução das hepatopatias crônicas. 2016.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5168/tde-06012017-093853/ >.
    • APA

      Aguilar, C. S., & Ono, S. K. (2016). Frequência da ingestão de café em grupos de hepatopatas crônicos portadores do vírus da hepatite B e C: oefeito protetor do café na evolução das hepatopatias crônicas. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5168/tde-06012017-093853/
    • NLM

      Aguilar CS, Ono SK. Frequência da ingestão de café em grupos de hepatopatas crônicos portadores do vírus da hepatite B e C: oefeito protetor do café na evolução das hepatopatias crônicas [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5168/tde-06012017-093853/
    • Vancouver

      Aguilar CS, Ono SK. Frequência da ingestão de café em grupos de hepatopatas crônicos portadores do vírus da hepatite B e C: oefeito protetor do café na evolução das hepatopatias crônicas [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5168/tde-06012017-093853/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021