Exportar registro bibliográfico

Reconstrução facial forense: comparação entre tabelas de espessuras de tecidos moles faciais (2016)

  • Authors:
  • Autor USP: HERRERA, LARA MARIA - FO
  • Unidade: FO
  • Sigla do Departamento: ODS
  • Subjects: ANTROPOLOGIA FORENSE; ODONTOLOGIA LEGAL; CRÂNIO; FACE; ESCULTURA DENTÁRIA
  • Keywords: Antropologia Forense; Crânio; Escultura; Face; Face; Forensic Anthropology; Forensic Dentistry; Odontologia Legal; Sculpture; Skull
  • Language: Português
  • Abstract: As Ciências Forenses empregam a técnica de Reconstrução Facial buscando aumentar as possibilidades de reconhecimento humano. Após análise antropológica, a face é esculpida sobre o crânio esqueletizado e divulgada na mídia. Existem várias metodologias para a modelagem do rosto e das características da face, bem como vários dados de espessuras de tecidos moles que auxiliam no contorno facial. Com o intuito de investigar se existe uma metodologia que favoreça mais reconhecimentos e que permita uma maior semelhança com o indivíduo, este trabalho buscou comparar reconstruções faciais manuais feitas com duas abordagens para o preenchimento dos tecidos moles (métodos Americano e de Manchester) e para a predição dos olhos, nariz, boca e orelhas. Também buscou comparar reconstruções realizadas com quatro tabelas de espessuras de tecidos moles, desenvolvidas para brasileiros por estudos prévios, observando a possibilidade de unir esses dados para auxiliar na reconstrução. Um quarto objetivo foi averiguar se existe influência do sexo e do conhecimento anatômico ou forense na frequência de reconhecimentos. O estudo foi dividido em duas fases. Na primeira, duas reconstruções foram realizadas para dois indivíduos alvos (um homem e uma mulher) com os métodos Americano e de Manchester, aplicando dois guias para olhos, nariz, boca e orelhas. As reconstruções foram avaliadas por quarenta indivíduos (homens e mulheres, divididos em 4 grupos - alunos de graduação em Odontologia que não passarampela disciplina de Odontologia Legal, alunos de graduação em Odontologia que passaram pela disciplina, especialistas em Odontologia Legal e indivíduos que não possuíam conhecimento de anatomia humana) por meio dos testes de reconhecimento e semelhança. Para o alvo feminino, as frequências de reconhecimentos foram 20% e 10% para os métodos Americano e de Manchester, respectivamente; para o alvo masculino, as frequências foram 35% e 17,5%. Em relação à semelhança, as medianas foram menores que 3 (em uma escala de 1 a 5); entretanto, foi verificada uma exceção para a escultura feita com o método Americano para o alvo masculino, a qual apresentou mediana 3. Na segunda fase, reconstruções faciais para quatro alvos (dois homens e duas mulheres) foram obtidas com o método Americano, considerando as quatro tabelas de espessuras de tecidos moles para brasileiros. Dezesseis reconstruções foram avaliadas por cento e vinte indivíduos, também pelos testes de reconhecimento e semelhança. Assim como na fase I, foram considerados o sexo e o grupo dos avaliadores. Para o alvo 1, as proporções de acertos são significativamente maiores para reconstruções feitas com as tabelas de cadáveres (44% e 38%) em relação às com os dados de exames de imagem. Para o alvo 4, as proporções de acertos com os dados de cadáveres (Tedeschi-Oliveira et al.) e com os de ressonância magnética foram significativamente maiores comparados às reconstruções com dados de tomografias computadorizadas. Em relação àsemelhança, somente o alvo 1 mostrou diferenças significativas de frequências de semelhança leve entre reconstruções. Além disso, não houve influência nem do sexo, nem do conhecimento de anatomia nas frequências de reconhecimentos corretos. Espera-se que a tabela proposta possa ser empregada para a população brasileira
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 15.02.2016
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      HERRERA, Lara Maria; MELANI, Rodolfo Francisco Haltenhoff. Reconstrução facial forense: comparação entre tabelas de espessuras de tecidos moles faciais. 2016.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23153/tde-21052016-100124/ >.
    • APA

      Herrera, L. M., & Melani, R. F. H. (2016). Reconstrução facial forense: comparação entre tabelas de espessuras de tecidos moles faciais. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23153/tde-21052016-100124/
    • NLM

      Herrera LM, Melani RFH. Reconstrução facial forense: comparação entre tabelas de espessuras de tecidos moles faciais [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23153/tde-21052016-100124/
    • Vancouver

      Herrera LM, Melani RFH. Reconstrução facial forense: comparação entre tabelas de espessuras de tecidos moles faciais [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23153/tde-21052016-100124/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021