Exportar registro bibliográfico


Metrics:

Saúde mental: concepções e práticas profissionais de um campo em tensão (2016)

  • Authors:
  • Autor USP: SILVEIRA, PAULA MORENA SOUTO DERENUSSON - FSP
  • Unidade: FSP
  • Sigla do Departamento: HSM
  • DOI: 10.11606/D.6.2016.tde-08032016-143321
  • Subjects: SAÚDE MENTAL; REFORMA PSIQUIÁTRICA; SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL; DESINSTITUCIONALIZAÇÃO; REABILITAÇÃO (PSICOTERAPIA); SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE; HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA; APOIO SOCIAL
  • Keywords: Luta Antimanicomial; Modo Asilar; Modo Psicossocial; Rede de Atenção Psicossocial
  • Language: Português
  • Abstract: A Reforma Psiquiátrica, atual política de saúde mental, redireciona os recursos da assistência psiquiátrica para o modelo de base comunitária, substituindo o modelo asilar. A abordagem proposta pela Reforma Psiquiátrica procura conjugar o esforço teórico e prático para a construção da Rede de Atenção Psicossocial. O presente trabalho objetivou desvelar concepções e práticas de trabalhadores da saúde mental, construídas na práxis de suas trajetórias profissionais e contextos de vida, em relação à incorporação do modelo de atenção psicossocial ou manutenção de princípios asilares, caracterizadores da tradicional prática profissional em saúde mental. Objetivou também identificar pontos de tensão, que caracterizam interesses de diferentes naturezas, como obstáculos e desafios à implementação da Reforma Psiquiátrica. A pesquisa, de natureza qualitativa, contou com 10 entrevistas de profissionais atuando na área, baseada na técnica de depoimento oral e em roteiro do tipo temático, sendo 3 enfermeiros, 3 psicólogos, 3 psiquiatras e 1 terapeuta ocupacional. Os relatos dos profissionais foram organizados em categorias gerais e específicas tendo em vista a interpretação das narrativas à luz da literatura especializada. Através dos discursos dos profissionais do campo da saúde mental é possível observar que um tensionamento ideológico marca fortemente o espaço da saúde.Alguns profissionais relataram a busca por construir práticas em equipe interdisciplinar, pautadas pelo modelo psicossocial; porém, referem à resistência de outros profissionais da equipe. Praticamente todos os profissionais apresentam discursos de humanização no campo da saúde mental, mas alguns não enunciam visões críticas aos modelos asilares. Alguns trabalhadores revelam a crença na possibilidade de coexistência integrada entre o Modo Asilar e Modo Psicossocial. Para estes trabalhadores de CAPS, é desejável a permanência dos hospitais psiquiátricos e é possível a humanização dos mesmos. Essa questão indica, ao que parece, que as práticas em saúde mental ainda operam sobre premissas epistemológicas diferenciando sujeitos que podem ou não circular no meio social. A existência dos hospitais psiquiátricos, considerados como instituições totais, é problematizada e questionada pela Luta Antimanicomial, indica a permanência da lógica asilar que respalda a continuidade dos hospitais, exclusivamente psiquiátricos, entre os serviços de atendimento, com o apoio de parte dos profissionais da rede de saúde mental.Concordantes com a possibilidade de coexistência do modelo asilar e modelo psicossocial, estes profissionais permitem-nos demonstrar que mesmo uma visão clínica pretensamente humanizadora, que defenda em seu discurso um tratamento digno, pode operar no modelo teórico-metodológico positivista e não está necessariamente vinculada a uma postura política de sujeitos de direitos e de cidadania. Os profissionais que apresentaram em suas narrativas a não concordância com a permanência dos hospitais psiquiátricos, defendem que as transformações sejam clínicas e políticas nos saberes e nas práticas em Saúde Mental. Estes trabalhadores já fizeram ou fazem parte de movimentos sociais, apontados como lugares de reflexão crítica sobre ideias instituídas contribuindo, ao que parece, para o processo de desnaturalização de concepções construídas culturalmente e orientadoras de práticas profissionais. Diante de tais constatações podemos indagar e refletir se a desinstitucionalização, concreta e simbólica, encontra-se no horizonte de uma política pública de atenção em Saúde Mental que realmente tenha como projeto a sua real implementação e se a permanência dos hospitais psiquiátricos e das comunidades terapêuticas estaria descaracterizando as propostas iniciais da construção da Atenção Psicossocial, considerando os interesses privados e a manutenção da lógica asilar, contrários aos princípios do SUS.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.02.2016
  • Acesso à fonteDOI
    Informações sobre o DOI: 10.11606/D.6.2016.tde-08032016-143321 (Fonte: oaDOI API)
    • Este periódico é de acesso aberto
    • Este artigo é de acesso aberto
    • URL de acesso aberto
    • Cor do Acesso Aberto: gold
    • Licença: cc-by-nc-sa

    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SILVEIRA, Paula Morena Souto Derenusson; ALVARENGA, Augusta Thereza de. Saúde mental: concepções e práticas profissionais de um campo em tensão. 2016.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: < https://doi.org/10.11606/D.6.2016.tde-08032016-143321 > DOI: 10.11606/D.6.2016.tde-08032016-143321.
    • APA

      Silveira, P. M. S. D., & Alvarenga, A. T. de. (2016). Saúde mental: concepções e práticas profissionais de um campo em tensão. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de https://doi.org/10.11606/D.6.2016.tde-08032016-143321
    • NLM

      Silveira PMSD, Alvarenga AT de. Saúde mental: concepções e práticas profissionais de um campo em tensão [Internet]. 2016 ;Available from: https://doi.org/10.11606/D.6.2016.tde-08032016-143321
    • Vancouver

      Silveira PMSD, Alvarenga AT de. Saúde mental: concepções e práticas profissionais de um campo em tensão [Internet]. 2016 ;Available from: https://doi.org/10.11606/D.6.2016.tde-08032016-143321

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021