Exportar registro bibliográfico

Implante de bioprótese valvar aórtica por cateter em pacientes de alto risco portadores de estenose aórtica grave: resultados de cinco anos do registro brasileiro (2013)

  • Autor:
  • Autor USP: BRITO JÚNIOR, FÁBIO SANDOLI DE - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MCP
  • Subjects: ESTENOSE DA VALVA AÓRTICA; BIOPRÓTESE; CONTENEDORES; DILATAÇÃO COM BALÃO
  • Language: Português
  • Abstract: O implante por cateter de bioprótese valvar aórtica é uma nova modalidade de tratamento para portadores de estenose aórtica inoperáveis ou de alto risco cirúrgico. O Registro Brasileiro de Implante de Bioprótese Aórtica por Cateter foi idealizado para monitorar os resultados deste procedimento em nosso país. Objetivos: Os objetivos do estudo são avaliar os resultados de 5 anos de experiência do implante de bioprótese valvar aórtica no Brasil e identificar os preditores de mortalidade relacionados a este procedimento. Métodos: Registro observacional, multicêntrico, prospectivo e retrospectivo. O desfecho primário foi mortalidade por qualquer causa aos 30 dias e 12 meses do procedimento. Os desfechos e complicações foram analisados conforme os critérios do VARC (Valve Academic Research Consortium). Resultados: Entre janeiro de 2008 e janeiro de 2013 (5 anos) incluíram-se no registro brasileiro 418 pacientes tratados em 18 centros. Dentre esses, 405 (96,9%) apresentavam estenose valvar aórtica e 13 (3,1%) disfunção de bioprótese cirúrgica. A média de idade foi de 81,5 ± 7,7 anos, sendo 47,8% do sexo masculino e 82,7% em classe funcional III/IV de insuficiência cardíaca. As estimativas de mortalidade cirúrgica conforme EuroScore logístico e STS escore foram de 20,1 ± 14,0% e 14,9 ± 13,4%, respectivamente. A mediana do tempo de acompanhamento foi 301,5 dias (intervalo inter-quartil: 48,0 a 684,8). O acesso transfemoral foi empregado em 96,2% dos procedimentos. As próteses auto-expansível CoreValve e balão-expansível Sapien XT foram utilizadas em 360 (86,1%) e 58 (13,9%) casos, respectivamente. Obteve- se sucesso do dispositivo em 76,6% dos implantes, com significativa redução do gradiente transvalvar médio, de 50,8 ± 15,9 para 10,6 ± 6,1 mmHg (p<0,001)A incidência cumulativa de mortalidade por qualquer causa foi 8,6% aos 30 dias, 21,9% em 1 ano e 29,3% em 2 anos. A incidência de acidente vascular cerebral após 30 dias e 1 ano foi de 4,0% e 7,8%. Complicações hemorrágicas, vasculares e insuficiência renal ocorreram em 22,5%, 10,7% e 19,8%, respectivamente, após 1 ano. Implante de marca-passo permanente foi necessário em 23,5% dos pacientes aos 30 dias, sendo mais freqüente com a prótese CoreValve. A análise de regressão múltipla identificou os seguintes preditores independentes de mortalidade: doença pulmonar obstrutiva crônica (HR: 1,76; IC 95%: 1,10 a 2,81), fração de ejeção do ventrículo esquerdo ≤ 50% (HR: 1,69; IC 95%: 1,08 a 2,66), implante de uma segunda prótese (HR: 2,29; IC 95%: 1,19 a 4,41), complicação hemorrágica com risco de morte ou maior (HR: 1,71; IC 95%: 1,05 a 2,80), insuficiência renal aguda (HR: 1,84; IC 95%: 1,14 a 2,98) e a presença de gradiente médio residual ≥ 20 mmHg (HR: 1,55; IC 95%: 1,01 a 2,36). O emprego do ecocardiograma transesofágico para monitorar o procedimento foi um fator protetor contra a ocorrência de morte (HR: 0,53; IC 95%: 0,35 a 0,81). Conclusões: A experiência de 5 anos do implante transcateter de bioprótese aórtica no Brasil demonstra tratar-se de um procedimento seguro e eficaz em nosso meio, com incidência de complicações aceitável para o perfil de risco dos pacientes. Comorbidades como doença pulmonar obstrutiva crônica e disfunção ventricular esquerda, além de complicações relacionadas ao procedimento estão fortemente associadas a mortalidade, enquanto o emprego do ecocardiograma transesofágico para monitorar o procedimento é um fator protetor.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.03.2013

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BRITO JÚNIOR, Fábio Sândoli de. Implante de bioprótese valvar aórtica por cateter em pacientes de alto risco portadores de estenose aórtica grave: resultados de cinco anos do registro brasileiro. 2013.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.
    • APA

      Brito Júnior, F. S. de. (2013). Implante de bioprótese valvar aórtica por cateter em pacientes de alto risco portadores de estenose aórtica grave: resultados de cinco anos do registro brasileiro. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Brito Júnior FS de. Implante de bioprótese valvar aórtica por cateter em pacientes de alto risco portadores de estenose aórtica grave: resultados de cinco anos do registro brasileiro. 2013 ;
    • Vancouver

      Brito Júnior FS de. Implante de bioprótese valvar aórtica por cateter em pacientes de alto risco portadores de estenose aórtica grave: resultados de cinco anos do registro brasileiro. 2013 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021