Exportar registro bibliográfico

Degradação eletroquímica dos herbicidas atrazina e alaclor utilizando ânodo dimensionalmente estável comercial (2016)

  • Authors:
  • Autor USP: SOUSA, RAFAELY XIMENES DE - IQSC
  • Unidade: IQSC
  • Assunto: HERBICIDAS
  • Language: Português
  • Abstract: A presença de defensivos agrícolas no meio ambiente, mesmo que em baixas concentrações (ng L-1/ μg L-1), representa uma potencial fonte de perturbação endócrina para os seres vivos. Neste cenário, destacam-se os herbicidas alaclor e atrazina, que são amplamente utilizados no combate a ervas daninhas. Entretanto, a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) classifica como carcinogênicos, desreguladores endócrinos e seu limite, em água, não pode ultrapassar 2 e 3 μg L-1, respectivamente. O objetivo deste trabalho foi estudar a degradação eletroquímica do alaclor e atrazina, utilizando uma célula do tipo filtro-prensa, e um ânodo dimensionalmente estável (ADE) de composição nominal Ti/Ru0,3Ti0,7O2, pH inicial fixo em 3 e a temperatura em 25 ºC, uma vez que, os métodos convencionais de tratamento não são totalmente eficientes na remoção destes compostos orgânicos nos sistemas aquosos. Inicialmente realizou-se apenas a degradação eletroquímica do herbicida alaclor (100 mg L-1) via planejamento fatorial de ponto central do tipo 32, tendo como variáveis, a concentração do eletrólito suporte cloreto de sódio (0,05, 01 e 0,15 g L-1) e a densidade de corrente (10, 30 e 50 mA cm-2), obtendo como melhor resposta, 93,45 % de remoção e 71,6 % de mineralização, ao usar CNaCl de 0,15 g L-1 e 50 mA cm-2Porém, a CNaCl de 0,15 g L-1 e densidade de 30 mA cm-2 foi escolhida como a melhor condição estudada, em virtude do seu menor valor de consumo energético e por apresentar a taxa de remoção (93,6%) e mineralização (71,24%) próximas ao uso da maior densidade de corrente. Só então, na melhor condição, obtida previamente a partir dos experimentos de degradação do alaclor, que realizou-se a oxidação de 100 mg L-1 de atrazina e da mistura dos herbicidas. Também foi observado uma cinética de pseudo primeira ordem na oxidação dos herbicidas, e, além disso, foi realizada a identificação dos intermediários e/ou produtos de degradação do alaclor e atrazina através da técnica de CLAE acoplada a um espectrômetro de massas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.02.2016
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SOUSA, Rafaely Ximenes de; MOTHEO, Artur de Jesus. Degradação eletroquímica dos herbicidas atrazina e alaclor utilizando ânodo dimensionalmente estável comercial. 2016.Universidade de São Paulo, São Carlos, 2016. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/75/75133/tde-19042016-154413/publico/RafaelyXimenesdeSousarevisada.pdf >.
    • APA

      Sousa, R. X. de, & Motheo, A. de J. (2016). Degradação eletroquímica dos herbicidas atrazina e alaclor utilizando ânodo dimensionalmente estável comercial. Universidade de São Paulo, São Carlos. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/75/75133/tde-19042016-154413/publico/RafaelyXimenesdeSousarevisada.pdf
    • NLM

      Sousa RX de, Motheo A de J. Degradação eletroquímica dos herbicidas atrazina e alaclor utilizando ânodo dimensionalmente estável comercial [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/75/75133/tde-19042016-154413/publico/RafaelyXimenesdeSousarevisada.pdf
    • Vancouver

      Sousa RX de, Motheo A de J. Degradação eletroquímica dos herbicidas atrazina e alaclor utilizando ânodo dimensionalmente estável comercial [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/75/75133/tde-19042016-154413/publico/RafaelyXimenesdeSousarevisada.pdf


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020