Exportar registro bibliográfico

Expressão da dermicidina e correlações clínico-patológicas em melanomas malignos (2016)

  • Authors:
  • Autor USP: SANGIULIANO, BEATRIZ AREIAS - FM
  • Unidade: FM
  • Sigla do Departamento: MDR
  • Subjects: ANTINEOPLÁSICOS; MELANOMA; IMUNOHISTOQUÍMICA; ANÁLISE MORFOLÓGICA; PELE (ANÁLISE); BIOMARCADORES; PEPTÍDEOS; ESTUDOS DE COORTES
  • Keywords: Análise serial de tecidos; Antimicrobial peptide; Biological markers; Cohort studies; Dermcidin; Dermicidina; Immunohistochemistry; Peptídeo antimicrobiano; Tissue array analysis
  • Language: Português
  • Abstract: O melanoma cutâneo é a neoplasia de pele de maior mortalidade e grande imprevisibilidade na sua evolução. Na doença disseminada, as opções terapêuticas são pouco eficazes. A pesquisa de novos marcadores tumorais permite a melhor compreensão da patogênese do melanoma e possibilita a descoberta de alvos moleculares. A proteína Dermicidina (DCD) foi identificada entre os 9 genes de uma assinatura gênica de predição de diagnóstico clínico do melanoma humano, porém vários autores divergem sobre o papel desta na doença e os mecanismos moleculares pelos quais a DCD atua nos tumores permanecem incertos. O presente estudo teve como objetivo investigar o papel da DCD na tumorigênese do melanoma maligno e correlacionar sua expressão com dados clínicos, demográficos e patológicos dos pacientes. Através da técnica de imuno-histoquímica em lâminas de TMAs (tissue-microarray), o padrão de expressão de DCD foi analisado em tecido tumoral de duas coortes de pacientes, a primeira com 53 casos tratados no Hospital A.C. Camargo, predominantemente caucasianos, e a segunda com 48 casos, todos asiáticos, obtidos comercialmente da empresa IMGENEX. A análise in situ da Dermicidina mostrou que a proteína está expressa de forma heterogênea nas células tumorais, e pode ocorrer tanto em tumores amelanocíticos como melanocíticos. Em melanomas primários, a expressão de DCD foi mais frequente em tumores localizados nas regiões do tronco e membros superiores, já nas metástases, a proteína foi detectadapredominantemente em células em transito nos linfonodos (69,23% dos casos). Analisando os resultados dos 101 pacientes das duas coortes em conjunto, pelo método de Kaplan-Meier, foi confirmado que nos indivíduos com tumores DCD-negativo, a taxa de sobrevida foi de 65,54% em 60 meses, e de 62,86% em 130 meses. Já indivíduos com tumor DCD-positivo tiveram sobrevida de 43,33% em 5 anos, e 28,12% em 130 meses, sendo a diferença significante entre os grupos (p=0,0229). A taxa de óbito dos pacientes com tumor DCD-positivo foi mais elevada, 56%, quando comparada à taxa dos indivíduos com tumor DCDnegativo, 33,33% (p=0,0281). Também foi encontrada uma tendência de tumores expressando DCD se relacionarem a pacientes com idade superior a 50 anos (p=0,1057). Em uma consulta de 4 estudos diferentes que reuniram os dados de sequenciamento de DNA de tumores de 515 pacientes, observamos que o gene DCD, em melanomas, não se encontra predominantemente amplificado, mas sim mutado. A substituição E43K foi a alteração mais frequente, correspondendo a 70% dos casos com mutação no gene. Ao relacionarmos os casos disponíveis de mutação em DCD com os genes BRAF, NRAS, MITF, CDKN2A e ERBB4, encontrou-se uma associação com a mutação BRAF V600E nos casos em que ocorria a mutação DCD E43K. Por ter alta frequência em melanomas (variando entre 45 e 54%), e ser um indicador de pior prognóstico para a neoplasia, a expressão de DCD pode ser considerada um potencial biomarcador
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 05.02.2016
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SANGIULIANO, Beatriz Areias; BELIZARIO, Jose Ernesto. Expressão da dermicidina e correlações clínico-patológicas em melanomas malignos. 2016.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-20042016-114602/ >.
    • APA

      Sangiuliano, B. A., & Belizario, J. E. (2016). Expressão da dermicidina e correlações clínico-patológicas em melanomas malignos. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-20042016-114602/
    • NLM

      Sangiuliano BA, Belizario JE. Expressão da dermicidina e correlações clínico-patológicas em melanomas malignos [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-20042016-114602/
    • Vancouver

      Sangiuliano BA, Belizario JE. Expressão da dermicidina e correlações clínico-patológicas em melanomas malignos [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-20042016-114602/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021