Exportar registro bibliográfico

Irrigação e tipos de poda no cultivo de pinhão-manso em Piracicaba, SP (2016)

  • Authors:
  • Autor USP: SANTOS, OTÁVIO NETO ALMEIDA - ESALQ
  • Unidade: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LEB
  • Subjects: ÁCIDOS GRAXOS; IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL; PINHÃO MANSO; PODA
  • Keywords: Óleo vegetal
  • Language: Português
  • Abstract: O pinhão-manso (Jatropha curcas L) é uma espécie da família da Euforbiácea que tem se destacado por ser uma planta perene, rústica e com elevada produção de óleo. A avaliação dos efeitos da poda e da irrigação no crescimento e produção do pinhão-manso é relevante para o manejo de um cultivo com essa espécie. Este estudo teve como objetivo principal avaliar os efeitos de diferentes tipos de poda e manejos hídricos no cultivo do pinhão-manso em Piracicaba, SP. O experimento foi conduzido na área experimental do Departamento de Engenharia de Biossistemas (ESALQ/USP), com plantas de quatro anos de idade dispostas em espaçamento 3 x 4 m, totalizando 833 plantas ha-1. Os tratamentos foram arranjados de forma aleatória em blocos compostos de quatro repetições, sendo que os fatores foram constituídos de dois manejos hídricos (irrigado e sem irrigação) e três tipos de poda, sendo P1 (sem poda), P2 (1,5 m de altura x 1,5 m de diâmetro de copa) e P3 (poda a 2 m de altura e 1,5 m de diâmetro da copa). A irrigação teve influência no diâmetro da copa, nas taxas de crescimento absoluto em altura e diâmetro, na taxa de crescimento relativo em diâmetro e nas variáveis produtivas. O fator poda apresentou diferenças em todas as variáveis de crescimento, sendo a poda drástica (P2) a que exibiu as maiores taxas médias de crescimento. As plantas irrigadas apresentaram os maiores rendimentos por planta e por hectare. A análise de ressonância magnética nuclear de hidrogênio (RMN de 1H) revelou quea irrigação e a poda não influenciaram o teor de óleo nas sementes de pinhão-manso. Em relação ao perfil graxo, a irrigação teve influência em plantas submetidas a poda drástica (P2), de modo que a ausência de irrigação favoreceu o maior acúmulo de ácido oleico no óleo. Pela análise energética, observou-se que os fertilizantes foram os insumos com maior participação na demanda energética (42,57 GJ ha-1) para os dois sistemas estudados, seguido dos combustíveis (32,96 GJ ha-1). A área irrigada consumiu 100,4 GJ ha-1, sendo 16% devido ao acionamento do pivô central. A energia bruta dos frutos de pinhão-manso foi de 69,82 e 45,31 GJ ha-1 para o sistema irrigado e o sem irrigação, respectivamente. O balanço energético (BE) para as duas áreas foi negativo e a lucratividade energética (EROI) foi de 0,63 para a área irrigada e 0,49 para a área sem irrigação, evidenciando a ineficiência e a não sustentabilidade do cultivo de pinhão-manso nas condições deste estudo para geração de energia
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 15.01.2016
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SANTOS, Otávio Neto Almeida; FOLEGATTI, Marcos Vinicius. Irrigação e tipos de poda no cultivo de pinhão-manso em Piracicaba, SP. 2016.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2016. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11152/tde-06042016-175801/ >.
    • APA

      Santos, O. N. A., & Folegatti, M. V. (2016). Irrigação e tipos de poda no cultivo de pinhão-manso em Piracicaba, SP. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11152/tde-06042016-175801/
    • NLM

      Santos ONA, Folegatti MV. Irrigação e tipos de poda no cultivo de pinhão-manso em Piracicaba, SP [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11152/tde-06042016-175801/
    • Vancouver

      Santos ONA, Folegatti MV. Irrigação e tipos de poda no cultivo de pinhão-manso em Piracicaba, SP [Internet]. 2016 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11152/tde-06042016-175801/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021