Exportar registro bibliográfico

Estudo eletroanalítico e cromatográfico para a análise de LSD em química forense (2015)

  • Authors:
  • Autor USP: OIYE, ÉRICA NAOMI - FFCLRP
  • Unidade: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 593
  • Subjects: ALUCINOGÊNICOS; QUÍMICA FORÊNSICA; VOLTAMETRIA; CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA
  • Keywords: CyclicVoltammetry; Forensic Chemistry; High Performance Liquid Chromatography; LSD; Voltametria Cíclica
  • Language: Português
  • Abstract: O LSD, abreviação para a dietilamida do ácido lisérgico, é um alucinógeno que comumente é consumido na forma de selos e suas apreensões são constantes no cenário policial brasileiro e mundial. No momento da apreensão, nos laboratórios forenses tem-se um processo de análises químicas para a confirmação desta droga. As metodologias analíticas precisam ser sensíveis, específicas e fornecer resultados confiáveis, o que o processo de validação através de protocolos normatizados - pode garantir. Neste trabalho, propõem-se procedimentos experimentais para a determinação de LSD em amostras apreendidas através de técnicas de Voltametria Cíclica e Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE) com detecções de arranjo de diodo e eletroquímica. Essas análises permitem ampliar as restritas metodologias encontradas na literatura. Esses procedimentos tiveram o perclorato de amônio em metanol com presença de água como eletrólito de suporte para a detecção voltamétrica, e com base nesses resultados, obteve-se informações para a detecção eletroquímica dentro do sistema cromatográfico. Esta mesma composição de fase móvel também permite a detecção por arranjo de diodo neste sistema. Nos três sistemas estudados, obteve os limites de quantificação de 1,64 10-6 mol L-1, 6,67 10-6 mol L-1 e 3,29 10-6 mol L-1 para as técnivas de Voltametria Cíclica, CLAE com detecção eletroquímica e detecção de arranjo de diodo, respectivamente. Tais valores mostram que as metodologias tem capacidade de analisar baixas concentrações de LSD. Além da validação dos três métodos propostos, fez-se a análise de três amostras apreendidas, das quais uma continha LSD e outras duas não. Deste modo, a partir da combinação dos mesmos componentes de fase móvel, é possível obter dois procedimentos cromatográficos baseados em diferentes tipos de detecção, enquanto que a determinação voltamétricahabilita outro tipo de análise aliando a portabilidade e rapidez da quantificação. Ao fim de todo o processo de validação envolvido, obtêm-se três metodologias que permitem a quantificação de LSD, com a confiabilidade garantida para serem aplicadas em análises de rotina de um laboratório forense
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.11.2015
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      OIYE, Érica Naomi; OLIVEIRA, Marcelo Firmino de. Estudo eletroanalítico e cromatográfico para a análise de LSD em química forense. 2015.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59138/tde-06012016-094102/ >.
    • APA

      Oiye, É. N., & Oliveira, M. F. de. (2015). Estudo eletroanalítico e cromatográfico para a análise de LSD em química forense. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59138/tde-06012016-094102/
    • NLM

      Oiye ÉN, Oliveira MF de. Estudo eletroanalítico e cromatográfico para a análise de LSD em química forense [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59138/tde-06012016-094102/
    • Vancouver

      Oiye ÉN, Oliveira MF de. Estudo eletroanalítico e cromatográfico para a análise de LSD em química forense [Internet]. 2015 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59138/tde-06012016-094102/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021