Exportar registro bibliográfico

Células Natural Killer e técnicas de reprodução assistida (2015)

  • Authors:
  • Autor USP: BARBOSA, MARIANA ALVES PARENTE - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RGO
  • Subjects: CÉLULAS DA MEDULA ÓSSEA; IMUNOTERAPIA; TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO; INFERTILIDADE FEMININA
  • Language: Português
  • Abstract: Justificativa: A desregulação do número de células Natural Killer (NK) e / ou sua atividade, no sangue bem como no endométrio, tem sido associado a várias manifestações de falhas reprodutivas. Análise de células NK está se tornando cada vez mais popular como um teste oferecido para investigar as causas de tal falha. Apesar da popularidade do teste, a literatura traz dados inconclusivos sobre sua influência nos resultados de técnicas de reprodução assistida. Tratamentos adjuvantes que influenciam em número ou atividade de células NK têm sido postulados como opções terapêuticas para os casais em que se suspeita de desregulação deste componente do sistema imunológico materno como a causa da infertilidade, aborto de repetição ou falhas de implantação. Objetivos: Avaliar as evidências sobre o poder de predição que o número ou atividade de células NK tem sobre resultados de fertilização in vitro (FIV) (gravidez clínica), além da efetividade e segurança do uso de terapias adjuvantes durante um ciclo de FIV em mulheres com níveis de células NK elevados, periféricas ou uterinas. Métodos de busca: Revisão sistemática. Embase, Lilacs, Medline, PsycINFO, Central e CINAHL de 1946 até o presente foram pesquisados, sem restrições de idioma. Critérios de Seleção: Estudos que avaliaram o número ou atividade de células NK e os resultados de FIV foram incluídos na primeira análise, estudos que avaliaram uso de terapias adjuvantes em mulheres submetidas às técnicas de reprodução assistida (TRA), onde foram avaliados o número de células NK e / ou sua atividade foram consideradas elegíveis para inclusão na segunda revisão. Coleta e Análise de Dados: Dois revisores avaliaram, independentemente, a elegibilidade dos estudos, extração de dados e o risco de viés dos estudos incluídos. Quaisquer discordâncias foram resolvidas em consulta com um terceiro autor. Quando necessário, os autoresdos estudos incluídos foram contatados para maiores informações. Principais resultados: Na revisão preditiva foram incluídos cinco estudos: dois usaram atividade das células NK periféricas como critério a ser avaliado, e três utilizaram número absoluto. Um estudo mostrou que o aumento das células NK está relacionado com melhores chances de gravidez, um mostrou que não houve relação entre elevação de células NK e taxas de gravidez e outros três estudos mostraram piora nos resultados. Apenas três estudos (um em forma de resumo apenas) foram identificados cumprindo os critérios de inclusão para a revisão sobre intervenções: dois relataram o uso de imunoglobulina intravenosa (IgIV) e um o uso de prednisona oral. Todos os estudos demonstraram um efeito benéfico das intervenções sobre as taxas de gravidez clínica a um Risco Relativo (RR) de 1,63 [intervalo de confiança 95% (IC) 1,00-2,66] para prednisona e 3,41 (IC 95% 1,90-6,11) para IgIV. Os estudos que avaliam a eficácia de IgIV também relataram taxa de nascidos vivos a um RR de 3,94 (IC 95% 2,01-7,69) em favor da intervenção. No entanto, a heterogeneidade de dados foi substancial (I² = 66%), sugerindo cautela na interpretação dos resultados. Conclusões: Este trabalho, que consiste em duas revisões, identificou que a evidência dos estudos atualmente publicados referentes à dosagem de número ou atividade de células NK como preditor de resultados de técnicas de reprodução assistida é inconsistente e por isso o método não deve ser considerado um bom preditor de gravidez. Encontramos, ainda, alguns dados que mostram que terapias adjuvantes (principalmente IgIV) nesta população selecionada parecem conferir algum benefício em resultado TRA. No entanto, em geral, a revisão não suporta o uso de prednisona, IgIV ou qualquer outro tratamento adjuvante em mulheres submetidas à TRA que são diagnosticadas como tendo elevadosnúmero absoluto ou atividade aumentada das células NK, puramente devido à escassez ou má qualidade das evidências. Acreditamos que o benefício observado está mais relacionado com falhas prévias do que com o aumento de células NK, seja em número ou atividade. Esta revisão reforça a necessidade de mais estudos avaliando a precisão preditiva da elevação de células NK periféricas sobre os desfechos reprodutivos. Constatou, ainda, a necessidade de estudos clínicos randomizados (ECR) bem concebidos e com número suficiente de participantes, além de uma seleção da população apropriada, e ainda utilizando a mesma metodologia de testes diagnósticos para determinar o real benefício do uso de terapia adjuvante para os níveis elevados ou atividade aumentada das células NK no contexto da evolução da gravidez após FIV
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.09.2015

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BARBOSA, Mariana Alves Parente; MARTINS, Wellington de Paula. Células Natural Killer e técnicas de reprodução assistida. 2015.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.
    • APA

      Barbosa, M. A. P., & Martins, W. de P. (2015). Células Natural Killer e técnicas de reprodução assistida. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Barbosa MAP, Martins W de P. Células Natural Killer e técnicas de reprodução assistida. 2015 ;
    • Vancouver

      Barbosa MAP, Martins W de P. Células Natural Killer e técnicas de reprodução assistida. 2015 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021